Diferenças entre edições de "Ernesto II, Duque de Saxe-Coburgo-Gota"

1 954 bytes adicionados ,  17h16min de 8 de julho de 2019
Ernesto e Alberto foram criados e educados juntos, quase como se fossem gémeos.<ref>Weintraub, p. 30.</ref> Apesar de Alberto ser catorze meses mais novo, era mais inteligente do que o irmão.<ref>Weintraub, p. 30.</ref> De acordo com o tutor dos irmãos, "andavam juntos em quase tudo, no trabalho e na brincadeira. Tinham os mesmos interesses, as mesmas alegrias e as mesmas mágoas. Estavam unidos por um sentimento de amor mútuo".<ref>Grey, p. 44.</ref> Talvez as "mágoas" referidas pelo tutor se referissem ao casamento dos pais. A união foi infeliz e Ernesto I foi sempre infiel.<ref>Weintraub, pp. 23-25.</ref> Em 1824, Ernesto I e Luísa divorciaram-se. Luísa deixou Coburgo e foi proibida de voltar a ver os filhos.<ref>Weintraub, p. 25-28.</ref> Pouco tempo depois casou-se com [[Alexander von Hanstein, Conde de Pölzig e Beiersdorf|Alexander von Hanstein, conde de Pölzig e Beiersdorf]], mas acabaria por morrer em 1831, aos trinta anos de idade.<ref>Feuchtwanger, pp. 29-31.</ref> No ano a seguir à sua morte, o pai de Ernesto e Alberto casou-se com a sua sobrinha, a princesa [[Maria de Württemberg]], filha da sua irmã [[Antonieta de Saxe-Coburgo-Saalfeld|Antonieta]]. Por isso, a madrasta dos irmãos era também sua prima direita. O duque e a sua nova duquesa não eram próximos e não tiveram filhos, e, embora os dois rapazes tivessem uma boa relação com a sua madrasta, Maria não teve qualquer influência na vida deles.<ref>Packard, p. 16 and Weintraub, pp. 40–41.</ref> A separação e divórcio dos pais, assim como a morte da mãe marcou os rapazes e tornou-os muito próximos um do outro.<ref>Weintraub, pp. 25–28.</ref>
 
Em 1836, Ernesto e Alberto visitaram a sua prima, a princesa Vitória de Kent, que estava em idade de casar, e passaram algumas semanas em [[Windsor]].<ref>Feuchtwanger, p. 37.</ref> Ambos os irmãos, mas principalmente Alberto, eram considerados pela família como possíveis candidatos à mão da jovem princesa, e ambos aprenderam a falar inglês.<ref>Weintraub, p. 49.</ref> Inicialmente, o seu pai pensou que Ernesto seria um melhor marido para Vitória do que Alberto, talvez porque o seu interesse por desporto seria melhor visto pelo público britânico.<ref>D'Auvergne, p. 164.</ref> No entanto, a maioria preferia Alberto. A nível temperamental, Vitória era muito mais parecida com Ernesto, uma vez que eram ambos animados e sociáveis, gostavam de dançar e de mexericos e eram muito espertos e inteligentes. Por outro lado, o ritmo frenético da corte, deixou Alberto doente.<ref name=":2">Zeepvat, p. 1.</ref> No entanto, não foi feita qualquer proposta a nenhum dos irmãos e eles voltaram para casa.
 
Ernesto entrou para o serviço militar mais tarde nesse ano.<ref>Zeepvat, p. 1.</ref> Em abril de 1837, Ernesto e Alberto mudaram-se com a sua comitiva para a [[Universidade de Bonn|Universidade de Bona]].<ref>Feuchtwanger, pp. 35-36.</ref> Seis semanas após o início do ano académico, Vitória sucedeu ao trono como rainha do Reino Unido. Uma vez que os rumores do seu casamento eminente entre Vitória e Alberto estavam a interferir com os seus estudos, os dois irmãos saíram da universidade a 28 de agosto de 1837, no final do semestre, e foram viajar pela Europa.<ref>Weintraub, p. 58-59.</ref> Regressaram a [[Bona]] no início de novembro para continuar os estudos. Em 1839, os irmãos regressaram a Inglaterra, onde Vitória ficou muito agradada com Alberto e o pediu em casamento.<ref name=":3">Feuchtwanger, pp. 38-39.</ref> Esta ligação teve muitas implicações no futuro de Ernesto. Por exemplo, foi escolhido para padrinho da segunda filha do casal, a princesa [[Alice do Reino Unido|Alice]], e acabaria por ser ele a levá-la ao altar no seu casamento que se realizou poucos meses depois da morte de Alberto.<ref>Packard, p. 104.</ref>
 
== Casamento ==
[[Ficheiro:Raden Saleh - Ernst II. und Alexandrine von Sachsen-Coburg und Gotha nach der Jagd (1844).jpg|miniaturadaimagem|299x299px|Ernesto II com a sua esposa Alexandrina.]]
Foram apresentadas várias candidatas para se casarem com Ernesto. O seu próprio pai queria que ele se casasse com uma esposa com uma posição elevada como, por exemplo, uma grã-duquesa russa.<ref>Feuchtwanger, p. 62; Gill, pp. 142-43.</ref> Uma possibilidade foi a princesa [[Clementina de Orléans|Clementina de Orleães]], uma filha do rei [[Luís Filipe I de França|Luís Filipe I]], que Ernesto conheceu numa visita à corte no [[Palácio das Tulherias]].<ref name=":0">Weintraub, p. 52.</ref> No entanto, esse casamento teria obrigado a noiva a converter-se do catolicismo para o luteranismo e, por isso, acabou por não dar em nada.<ref name=":0" /> Mais tarde, a princesa Clementina casou-se com o príncipe [[Augusto de Saxe-Coburgo-Gota]]. Ernesto também foi considerado pela rainha-viúva [[Maria Cristina das Duas Sicílias|Maria Cristina]] para se casar com a sua jovem filha, a rainha [[Isabel II de Espanha]],<ref>D'Auvergne, pp. 188-89.</ref> e pela rainha Vitória para a sua prima, a princesa [[Augusta de Cambridge]].<ref name=":1">Gill, p. 143.</ref>
 
Em [[Karlsruhe]], a 3 de maio de 1842, Ernesto casou-se com a princesa [[Alexandrina de Baden]],<ref>Zeepvat, p. 2 and Lundy.</ref> filha mais velha de [[Leopoldo, Grão-Duque de Baden]], e da sua esposa, a princesa [[Sofia da Suécia]], filha de [[Gustavo IV Adolfo da Suécia|Gustavo IV]], o rei deposto da Suécia. Apesar de ter dado o seu consentimento, o seu pai ficou desiludido por o seu filho mais velho não ter escolhido uma noiva que servisse melhor os interesses de Coburgo.<ref name=":0" /> Não nasceram filhos deste casamento, apesar de, aparentemente, Ernesto ter tido pelo menos três filhos ilegítimos nos seus últimos anos de vida.<ref name=":1" />{{commons|Ernst II, Duke of Saxe-Coburg and Gotha}}
 
Ernesto sofria de uma doença venérea desde cerca dos vinte anos idade, provavelmente devido ao facto de viver uma vida louca e promíscua.<ref name=":2" /> Estas qualidades tinham sido herdadas do seu pai, que costumava levar os filhos a "experimentar os prazeres" de Paris e Berlim, para "horror e embaraço" de Alberto.<ref name=":0" /> A aparência de Ernesto foi de tal forma prejudicada pela doença que Sarah Lyttelton, uma dama-de-companhia da rainha Vitória, observou em Windsor, em 1839, que ele estava "muito magro, com o rosto encovado e pálido, e não se parece nada com o irmão, nem é muito bonito. Mas tem uns belos olhos escuros e cabelo negro, e uma figura elegante, e um olhar fantástico de sagacidade e ânsia".<ref name=":2" /> Mais tarde, nesse mesmo ano, Alberto aconselhou o irmão a esperar até recuperar completamente da sua "condição" antes de começar a procurar uma esposa.<ref name=":3" /> Também o avisou que, se continuasse com as suas promiscuidades, poderia não conseguir ter filhos.<ref name=":2" /> Alguns historiadores acreditam que, embora Ernesto conseguisse ter filhos, a sua doença poderá ter deixado a sua jovem esposa infértil.<ref name=":1" />
 
À medida que os anos se foram sem que o casal tivesse filhos, Ernesto começou a distanciar-se cada vez mais da sua esposa e foi sempre infiel. Apesar disso, Alexandrina sempre foi dedicada ao marido e optou por ignorar as relações extraconjugais do marido que lhe chegavam ao conhecimento, e a sua lealdade tornou-se cada vez mais inacreditável para pessoas além do seu circulo familiar mais íntimo.<ref>Zeepvat, pp. 2, 5.</ref> Em 1859, depois de passar dezassete anos sem ter filhos, Ernesto distanciou-se da sua esposa.<ref>Zeepvat, p. 3.</ref>{{commons|Ernst II, Duke of Saxe-Coburg and Gotha}}
{{Príncipes de Saxe-Coburgo-Gota}}
 
8 402

edições