Kursk (K-141): diferenças entre revisões

4 bytes removidos ,  00h30min de 14 de julho de 2019
Erro basico de portugues
(Erro de Portugues)
Etiquetas: Editor Visual Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
(Erro basico de portugues)
Etiquetas: Editor Visual Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
Nenhuma autoridade russa admitiu que 23 marinheiros haviam conseguido sobreviver por um período de dois dias após o acidente. Depois da explosão na câmara de mísseis, os tripulantes foram para o compartimento número nove do submarino, localizado na proa, e emitiram sinais de socorro por 48 horas.<ref>http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL86786-5602,00-RUSSOS+LEMBRAM+TRAGEDIA+DO+SUBMARINO+KURSK+APOS+SETE+ANOS.html</ref>
 
As autoridades da Rússia só aceitaram a ajuda dos noruegueses e britânicos quatro dias depois do acidente. O fato mais constrangedor ao Governo Russo foi ver os homens-rãs ocidentais, com roupas especiais e descendo em “sinos” (equipamentos de resgate), realizar a operação de descida e abertura das escotilhas em menos de um dia. A justificativa da Marinha Russa era a necessidade de se preservarem os segredos militares do submarino nuclear. O governador da província de Kursk, Alexander Rutskoi, disse que o motivo pelo qual os russos não queriam ninguém no fundo do mar Barents era o teste de um novo tipo de míssil, que segundo informações ainda permanecia no mesmonele.
 
Na segunda-feira, [[21 de Agosto]], às 07.45 da manhã, quatro mergulhadores noruegueses da empresa Stolt Comex Seaway conseguiram abrir a primeira escotilha do submarino. Os homens-rãs deparam-se com o cenário mais temido. “Todos os compartimentos estão inundados e nenhum membro da tripulação sobreviveu”, declarou o vice-almirante russo Mikhail Motsak.
Utilizador anónimo