Diferenças entre edições de "Hugo Grócio"

41 bytes adicionados ,  21h03min de 18 de julho de 2019
pequenos ajustes
(pequenos ajustes)
 
== Biografia ==
Menino prodígio, começou a compor versos aos oito anos e com onze anos entrou para a Universidade de Leida estudar Direito. Doutourou-se em 1598, em 5 de maio, na [[Universidade de Orléans]], ao acompanhar a uma missão diplomática à França Johan van Oldenbarnevelt (advogado, então Primeiro Ministro dos Países Baixos Unidos. [[Henrique IV de França|Henrique IV]] , rei da França, comentou que Grócio, que tinha 15 anos, era o verdadeiro "milagre da Holanda").
 
Em 13 de dezembro de 1599 passou a trabalhar como jurista em [[Haia]]. Tornou-se historiador em latim dos assuntos de seu país e praticou direito com os mercadores e comerciantes da [[Companhia Holandesa das Índias Ocidentais|Companhia das Índias Ocidentais]] e com van Oldenbarnevelt. Em 1604, tornou-se conselheiro legal do príncipe [[Maurício, príncipe de Orange|Maurício de Nassau]].
 
Em 1609, publicou, anonimamente, ''[[Mare Liberum]]'' ('Mar livre' ou 'Liberdade dos Mares'),<ref> Feenstra, Robert. [https://books.google.com.br/books?id=bmWwCQAAQBAJ&pg=PR5&lpg=PR5&dq=%22Mare+Liberum%22+anonymous+1606.&source=bl&ots=ijluVN6Wj1&sig=UqSLNwRQgclfB405xi_v_cT_1cc&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwiJo6bgodXWAhXGhZAKHRi7BzUQ6AEIMDAB#v=onepage&q=%22Mare%20Liberum%22%20anonymous%201606.&f=false ''Hugo Grotius Mare Liberum 1609-2009: Original Latin Text and English Translation'']. Leiden, Boston: Brill, 2009.</ref> em defesa do livre navegação nos mares. Acredita-se que, originalmente, o texto integrasse um parecer jurídico encomendado a Grócio, no início do século, pela direção da Companhia Holandesa das Índias Orientais, sobre a questão do direito de acesso da Companhia ao comércio nas Índias. <ref>Harrison, James [https://www.era.lib.ed.ac.uk/bitstream/handle/1842/3230/J;jsessionid=F0D33B546E1B3F4BB7EF0307321C0B41?sequence=1 Evolution of the law of the sea: developments in law-making in the wake of the 1982 Law of the Sea Convention]. School of Law, [[University of Edinburgh]], 5 de julho de 2007.</ref> De fato, o texto surge numa época de conflitos, em relação ao comércio marítimo, que envolviam [[Portugal]] e [[Espanha]] (que reivindicavam o [[monopólio]] dos mares descobertos), além da [[Inglaterra]] (que defendia a soberania sobre as águas ao redor das [[Ilhas Britânicas]]), de um lado, e, de outro lado, a [[República das Sete Províncias Unidas dos Países Baixos]], que postulava a internacionalidade das águas oceânicas.
 
Nos últimos meses de 1604 e no início de 1605 escreveu ''De Jure Praedae'' ("Sobre a lei do Apresamento"). Em 1607, foi nomeado Procurador Geral e primeiro Fiscal Público dos tribunais da Holanda, Zelândia e Frísia do Oeste. Em 1608, casou com Maria van Reigersberch (de quem nasceram quatro filhos e três filhas).
[[Imagem:Johan-van-Oldenbarnevelt-Waerachtige-historie MG 1213.tif|thumb|esquerda|Hugo Grócio]]
 
Em 1618, após um inesperado golpe de Estado calvinista, foi preso com van Oldenbarnevelt e Rombout Hoogerbeets (pensionário de Leyden) em nome dos novos Estados Gerais. Havia apoiado o parlamento holandês e van Oldenbarnevelt em sua disputa com Maurício de Nassau, e com a ascensão deste último, acabou preso. Em 1619, um tribunal especial de 24 juízes julgou os prisioneiros políticos, sentenciando à morte Van Oldenbarnevelt (executado em 13 de maio de 1619) e Grócio e Hoogerbeets à prisão perpétua no [[castelo de Loevestein]]. Em 1620, um segundo julgamento declarou Grócio culpado de traição (''[[Lesa-majestade|laesa majestas]]''). Vendo-se perdido, empreende, com ajuda de sua mulher, uma fuga espetacular, escondendo-se numa arca de livros, e escapa para [[Amsterdam]]; de lá, segue para [[Paris]]. <ref>O [[Rijksmuseum]] de [[Amsterdam]] e o [[Museu Het Prinsenhof]] de [[Delft]] alegam possuir a arca em seu acervo.</ref>
 
Em Paris, em 1625, foi publicado seu ''De Jure Belli Ac Pacis'', que o consagra como o Pai do Direito Internacional. Depois de 1631, voltou à Holanda, em desafio a sua condição de prisioneiro fugido, e praticou advocacia em Amsterdam. Ofereceram-lhe ser Governador Geral da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais na Ásia.
 
Grócio ajudou a formar o conceito de [[sociedade internacional]], uma comunidade ligada pela noção de que Estados e seus governantes têm leis que se aplicam a todos eles. Todos os homens e as nações estão sujeitos ao Direito internacional, e a [[comunidade internacional]] se mantém coesa por acordos escritos e pelos costumes.
 
{{referências}}