Diferenças entre edições de "Itália"

197 bytes adicionados ,  08h39min de 26 de julho de 2019
=== República ===
{{Artigo principal|Itália republicana}}
[[Imagem:Costituzione della Repubblica ItalianaFirma_della_Costituzione.jpg|thumb|upright|esquerda|AO chefe de Estado provisório, [[Enrico De Nicola]], assina a [[Constituição da República Italiana|Constituição]] em virtude da Itália]]provisão entrouXVIII, em vigor27 emde 1948dezembro de 1947.]]
 
A Itália se tornou uma [[república]], após um referendo realizado em 2 de junho de 1946, um dia comemorado desde então como o Dia da República. Esta foi também a primeira vez que as mulheres italianas tiveram [[direito ao voto]].<ref>{{Citar web |url=http://www.insmli.it/pubblicazioni/35/Voto%20donne%20versione%20def.pdf |título=Italia 1946: le donne al voto, dossier a cura di Mariachiara Fugazza e Silvia Cassamagnaghi |formato=PDF |acessodata=30/5/2011 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20110520041048/http://www.insmli.it/pubblicazioni/35/Voto%20donne%20versione%20def.pdf# |arquivodata=20/05/2011 |urlmorta=yes }}</ref> O filho de [[Vítor Emanuel III da Itália|Vítor Emmanuel III]], [[Humberto II da Itália|Humberto II]], foi forçado a abdicar e foi [[Exílio|exilado]]. A [[Constituição da República Italiana|constituição republicana]] entrou em vigor em 1 de janeiro de 1948. Nos termos dos [[Tratado de Paris (1947)|Tratados de Paz de Paris]] de 1947, a área da fronteira oriental foi perdida para a [[República Socialista Federativa da Iugoslávia|Iugoslávia]] e, mais tarde, o [[Território Livre de Trieste]] foi dividido entre os dois Estados. O medo no eleitorado italiano de uma possível tomada [[Comunismo|comunista]] provou ser crucial para o resultado da primeira eleição com [[sufrágio universal]] em 18 de abril de 1948, quando os [[Democracia Cristã (Itália)|democratas-cristãos]], sob a liderança de [[Alcide De Gasperi]], obtiveram uma vitória esmagadora. Consequentemente, em 1949, a Itália tornou-se membro da [[OTAN]]. O [[Plano Marshall]] ajudou a reavivar a economia italiana, que, até final dos anos 1960, desfrutou de um período de crescimento econômico sustentado, o que foi comumente chamado de "[[Milagre econômico italiano|Milagre Econômico]]". Em 1957, a Itália foi um membro fundador da [[Comunidade Econômica Europeia]] (CEE), que posteriormente se tornou a [[União Europeia]] (UE) em 1993.<ref>{{citar web |url=https://www.nytimes.com/2018/04/27/opinion/italy-leave-european-union.html |titulo=Will Italy Leave the E.U.? Not So Fast |editor=[[The New York Times]]|data=27/4/2018 |acessodata=12/6/2018 |autor=Beppe Severgnini}}</ref>
 
Do final dos anos 1960 até o início dos anos 1980, o país experimentou os "[[Anos de chumbo (Itália)|anos de chumbo]]", um período caracterizado pela crise econômica (especialmente após a [[crise do petróleo]] de 1973), generalizados conflitos sociais e massacres terroristas realizados por grupos extremistas opostos, com o suposto envolvimento dos [[Serviço de inteligência|serviços de inteligência]] dos [[Estados Unidos]].<ref>{{it}} {{Citar web| título=Commissione parlamentare d'inchiesta sul terrorismo in Italia e sulle cause della mancata individuazione dei responsabili delle stragi (Parliamentary investigative commission on terrorism in Italy and the failure to identify the perpetrators) | ano=1995 | acessodata=2006-05-02 | url=http://www.isn.ethz.ch/php/documents/collection_gladio/report_ital_senate.pdf |wayb=20060819211212}}</ref><ref name="Docs">{{en}}/{{it}}/{{fr}}/{{de}} {{Citar web| título=Secret Warfare: Operation Gladio and NATO's Stay-Behind Armies | acessodata=2006-05-02 | publicado=Swiss Federal Institute of Technology / International Relation and Security Network | url=http://www.isn.ethz.ch/php/collections/coll_gladio.htm#Documents|wayb=20060425182721}}</ref><ref name="República italiana 1">{{Citar web|url = http://www.cambridgeclarion.org/press_cuttings/us.terrorism_graun_24jun2000.html |titulo = Clarion: Philip Willan, Guardian, 24 June 2000, page 19 |publicado = Cambridgeclarion.org |data = 24/6/2000 |acessodata = 24/4/2010}}</ref>
[[Imagem:Римський договір.jpg|thumb|A cerimônia de assinatura do [[Tratado de Roma (1957)|Tratado de Roma]], em 25 de março de 1957, criando a [[Comunidade Econômica Europeia]], precursora da atual [[União Europeia]]. A Itália é um membro fundador de todas as instituições da UE.]]
[[Imagem:" 12 - ITALY - 3 - Flag of Italy and Europe ( European Union ) IT e UE.jpg|thumb|A Itália é um dos membros fundadores da [[União Europeia]]]]
 
Os anos de chumbo culminaram com o assassinato do líder democrata-cristão [[Aldo Moro]] em 1978, um evento que afetou profundamente todo o país. Na década de 1980, pela primeira vez desde 1945, dois governos foram conduzidos por primeiros-ministros que não eram democratas-cristãos: um liberal ([[Giovanni Spadolini]]) e um socialista ([[Bettino Craxi]]), o Partido Democrata Cristão permaneceu, no entanto, como o principal partido do governo. Durante o governo Craxi, a economia recuperou e a Itália se tornou a quinta maior nação industrial do mundo, ganhando ingresso no [[G7]]. No entanto, como resultado de suas políticas de gastos, a [[dívida nacional]] italiana disparou durante a era Craxi, passando de 100% do [[produto interno bruto]] (PIB) pouco depois.<ref>{{citar web |url=https://www.economist.com/node/15212067 |titulo=Shameful honour |editor=[[The Economist]] |acessodata=12/6/2018 |data=7/1/2010}}</ref>
166 365

edições