Abrir menu principal

Alterações

Adicionar referência sobre ligação de parentesco de D. Garcia de Noronha com Afonso de Albuquerque
}}
[[Ficheiro:Escudo de Brasão da familia noronha, Portugal.gif|thumb|200px|[[Brasão de Armas]] da família Noronha.]]
'''Dom Garcia de Noronha''' ([[Lisboa]],[[1479]] — [[Cochim]], [[3 de abril]] de [[1540]]) foi o terceiro [[vice-rei]] e o décimo governador da [[Estado Português da Índia|Índia]] (1537), já no final da sua carreira e vida.
 
==Biografia==
[[Dom (título)|D.]] Garcia de Noronha era filho de D. [[Fernando de Noronha]] e de sua mulher Constança de Castro (irmã de [[Afonso de Albuquerque]]), neto paterno de D. [[Pedro de Noronha]], [[Arcebispo de Lisboa]], e de Branca Dias Perestrelo, única filha do primeiro casamento de [[Bartolomeu Perestrelo]] com Branca Dias.<ref name="SR">{{citar livro|autor=[[Manuel Abranches de Soveral]]|título=Sangue Real|editora=Edição do Autor ISBN 972-97430-1-0|ano=Porto, 1998|páginas=|id=}}</ref>
 
Antes foi [[capitão-mor do mar da Índia]], cargo imediatamente abaixo do de vice-rei, na altura este era exercido por seu tio materno, [[Afonso de Albuquerque]], com o qual esteve nas conquistas de [[Goa]], [[Ormuz]] e [[Calecute]] e cujo governo secundou.
Serviu no [[Norte de África]] e partiu a primeira vez para a Índia em [[1511]] como [[capitão-mor da armada]] desse ano, de seis naus. Nessa viagem, segundo o cronista Gaspar Correia, terá avistado a ilha de [[Santa Helena (ilha)|Santa Helena]] e os seus pilotos colocaram-na nos seus mapas. Esse acontecimento terá sido decisivo para transformar Santa Helena numa escala regular para as armadas que regressavam da Índia para Portugal, desde essa data até ao século XVII<ref>{{citar livro|título=The Portuguese in India and other studies, 1500-1700|ultimo=Disney|primeiro=A. R.|editora=Routledge|ano=2016|local=|página=217-219|páginas=|isbn=978-1138-49378-0|acessodata=9/6/2019}}</ref>.
 
EmChegou seguidaa Cochim em agosto de 1512, onde comoseu tio Afonso de Albuquerque logo o nomeou [[capitão-mor do mar]]Mar da Índia<ref>{{citar livro|título=Afonso de Albuquerque - Corte, notabilizouCruzada e Império|ultimo=Pelúcia|primeiro=Alexandra|editora=Círculo de Leitores|ano=2016|edicao=1ª edição|local=Lisboa|página=68, 236|páginas=|isbn=978-989-644-337-5|acessodata=27/07/2019}}</ref>. Notabilizou-se na conquista de [[Forte de São Tiago de Banastarim|Benastarim]], na expedição ao [[Mar Vermelho|Mar Roxo]] e nas negociações com o rei de [[Calecute]]. São de 1 de Outubro de [[1513]] os capítulos que fez D. Garcia de Noronha com o rei de Calecute, pelos poderes concedidos por Afonso de Albuquerque, capitão-mor e governador das Índias, para este mandar vender àqueles portos, coral, panos de seda e azougue.
 
Foi depois capitão-mor de Ormuz, em cuja conquista esteve e cuja fortaleza mandou construir. Em [[1516]] regressou a Portugal, onde permaneceu 22 anos, como conselheiro de D. Manuel I e senhor e alcaide-mor do Cartaxo. Esteve no casamento de D. Manuel I com D. Leonor e «''foi hum dos Fidalgos que lhe beijarao a mão''». Quando o rei de [[Marrocos]] cercou [[Safim]] com um exército de 90.000 homens, D. João III nomeou em 1534 D. Garcia de Noronha capitão-mor de armada que partiu para o Norte de África para combater a ameaça, o que conseguiu, obrigando o rei de Marrocos a levantar o cerco e ficando como capitão-mor e governador de Safim.
349

edições