Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho ,  30 julho
m
sem resumo de edição
A Apollo 15 usou o módulo de comando e serviço CSM-112, que recebeu o nome de ''Endeavour'' em homenagem ao [[HMS Endeavour|HMS ''Endeavour'']], enquanto o módulo lunar LM-10 foi nomeado ''Falcon'' em homenagem ao mascote da [[Academia da Força Aérea dos Estados Unidos|Academia da Força Aérea]]. Scott explicou que o nome ''Endeavour'' veio do fato de seu capitão, [[James Cook]], ter comandado a primeira viagem marítima puramente científica da história, e a Apollo 15 seria a primeira missão lunar com uma enorme ênfase em ciência.<ref> {{harvnb|Lindsay|2001|pp=301–302}} </ref> Um pequeno pedaço da madeira do navio de Cook foi levado para o espaço a bordo da nave,<ref> {{citar web|url=https://www.theguardian.com/books/2018/aug/25/endeavour-ship-captain-cook-peter-moore|título=Endeavour by Peter Moore review – the ship that changed the world|data=25 de agosto de 2018|autor=Scurr, Ruth|obra=[[The Guardian]]|acessodata=13 de março de 2019 }} </ref> enquanto o ''Falcon'' levou consigo duas penas de falcão para a superfície em reconhecimento ao serviço da tripulação na Força Aérea.<ref> {{harvnb|Irwin|Emerson|1973|p=85}} </ref><ref name=alsj3 > {{citar web|url=https://history.nasa.gov/alsj/a15/a15.clsout3.html|título=The Hammer and the Feather|data=1996|autor=Jones, Eric M.|obra=Apollo 15 Lunar Surface Journal|publicado=NASA|acessodata=13 de março de 2019 }} </ref>
 
Houve problemas com o compartimentoCompartimento de instrumentosInstrumentos científicosCientíficos do módulo. Alguns instrumentos demoraram para chegar, com os pesquisadores principais ou representantes dos contratantes da NASA requerendo mais tempo para testes ou pequenas modificações. Problemas mecânicos vieram do fato de muitos dos instrumentos terem sido projetados para operação no espaço, porém tinham de ser testados na Terra. Coisas como as lanças de 7,5 metros dos [[Espectrometria de massa|espectrômetros de massa]] e de raios gama só podiam ser testados com equipamentos que tentavam simular as condições espaciais.<ref> {{citar livro|urlcapitulo=https://www.hq.nasa.gov/office/pao/History/SP-4214/ch13-3.html|autor=Compton, William D.|ano=1989|capítulo=The Lunar Rover and New Experiments|título=Where No Man Has Gone Before: A History of Apollo Lunar Exploration Missions|local=Washington, D.C.|editora=NASA|oclc=1045558568|id=SP-4214|ref=harv }} </ref> No espaço durante a missão, várias vezes a lança do espectrômetro de massa não se retraiu completamente.<ref> {{harvnb|Centro de Espaçonaves Tripuladas|1971|p=171}} </ref><ref name=compton46 > {{citar livro|urlcapitulo=https://www.hq.nasa.gov/office/pao/History/SP-4214/ch13-4.html|autor=Compton, William D.|ano=1989|capítulo=To the Mountains of the Moon|título=Where No Man Has Gone Before: A History of Apollo Lunar Exploration Missions|local=Washington, D.C.|editora=NASA|oclc=1045558568|id=SP-4214|ref=harv }} </ref>
 
Os tanques de combustível e [[Comburente|oxidante]] do módulo lunar foram aumentados tanto no estágio de descida quanto no de subida, enquanto o motor do estágio de descida foi ampliado. Foram adicionadas baterias e [[Célula solar|células solares]] para aumentar a energia elétrica disponível. Tudo isto aumentou o peso total do módulo para dezesseis toneladas, por volta de 1,8 tonelada a mais do que os modelos anteriores.<ref name=ref17 > {{citar web|url=https://history.nasa.gov/alsj/a15/A15_PressKit.pdf|título=Apollo 15 Press Kit|obra=NASA|local=Washington, D.C.|data=15 de julho de 1971|acessodata=13 de março de 2019 }} </ref>
Os astronautas da Apollo 15 usaram [[Traje espacial|trajes espaciais]] redesenhados. Em todos os voos anteriores, incluindo os não lunares, o Comandante e Piloto do Módulo Lunar vestiram trajes cujo suporte de vida, resfriamento líquido e conexões de comunicação ficavam em colunas paralelas de três. Os novos trajes da Apollo 15 foram chamados de "A7LB" e tinham os conectores organizados em pares triangulares. A localização do zíper também mudou, deixando de ter a movimentação de cima para baixo, para agora começar no ombro direito e ir até o quadril esquerdo. Estas novas mudanças facilitaram os atos de colocar e tirar os trajes no espaço apertado do módulo lunar. Isto também abriu espaço para uma nova junta na cintura, o que permitiu que os astronautas se curvassem completamente e se sentassem no Veículo Explorador. Mochilas aprimoradas permitiram caminhadas espaciais mais longas.<ref name=ref17 /> Além disso, em todas as missões a partir da Apollo 13, o traje do comandante possuía uma listra vermelha nos braços, pernas e capacete.<ref> {{citar web|url=https://www.hq.nasa.gov/alsj/alsj-CDRStripes.html|título=Commander's Stripes|data=2005|autor=Jones, Eric M.|obra=Apollo 15 Lunar Surface Journal|publicado=NASA|acessodata=14 de março de 2019 }} </ref>
 
Worden usou um traje espacial semelhante àquele usado pelos astronautas da Apollo 14, porém modificado para fazer interface com os equipamentos da Apollo 15. Acessórios necessários apenas para as atividades extraveiculares na superfície lunar, como o resfriamento líquido, não foram incluídos no traje de Worden, já que a única atividade extraveicular que se esperava que realizasse era a recuperação dos cartuchos de filme do compartimentoCompartimento de instrumentosInstrumentos científicosCientíficos durante a jornada de volta para a Terra.<ref name=ref17 />
 
===Veículo Explorador Lunar===
 
===Sub-satélite===
A Apollo 15 também carregava o chamado Sub-satélite de Partículas e Campos, um pequeno satélite artificial que foi lançado na órbita lunar a partir do compartimentoCompartimento de instrumentosInstrumentos científicosCientíficos pouco antes de a missão iniciar sua viagem de volta para a Terra. Seus principais objetivos eram estudar o plasma, partículas e campo magnético do ambiente da Lua, além de facilitar o rastreamento da velocidade do satélite com alta precisão. Um dos requerimentos básicos para o Sub-satélite de Partículas e Campos era que ele fosse capaz de captar os dados dos campos e partículas em qualquer lugar ao redor da órbita lunar.<ref name=ref17 /> Além de medir os campos magnéticos, o satélite também possuía sensores para estudar as concentrações de massa locais.<ref> {{harvnb|Centro de Espaçonaves Tripuladas|1971|pp=37–39}} </ref> O sub-satélite orbitou a Lua e retornou seus dados para a Terra entre 4 de agosto de 1971 e janeiro de 1973, quando o suporte terrestre foi terminado após várias falhas eletrônicas. Acredita-se que ele caiu na Lua pouco tempo depois.<ref> {{citar web|url=https://nssdc.gsfc.nasa.gov/nmc/spacecraft/display.action?id=1971-063D|título=Apollo 15 Subsatellite|obra=NASA|acessodata=14 de março de 2019 }} </ref>
 
==Missão==
Worden realizou uma queima com o ''Endeavour'' após a desacoplamento com o ''Falcon'' em 30 de julho a fim de colocar sua nave em uma órbita mais alta.<ref name=alfj13 /> A missão basicamente se dividiu durante o período em que o módulo lunar esteve na superfície, com Worden e o módulo de comando e serviço recebendo seus próprios CAPCOM e equipe de apoio de voo.<ref name=alfj14 > {{citar web|url=https://history.nasa.gov/afj/ap15fj/13solo_ops1.html|título=Solo Orbital Operations - 1|data=1999|autor=Woods, W. David; O'Brien, Frank|obra=Apollo 15 Flight Journal|publicado=NASA|acessodata=15 de março de 2019 }} </ref>
 
Worden ficou ocupado com as diversas tarefas em órbita: fotografias da superfície e operação do compartimentoCompartimento de instrumentosInstrumentos científicosCientíficos.<ref name=alfj14 /> A porta do compartimento tinha sido descartada durante a injeção translunar. O compartimento preenchia espaços anteriormente não utilizados do módulo de serviço, contendo um espectrômetro de raios gama montado na extremidade de uma lança, um espectrômetro de raios X e um altímetro a laser, este último tendo parado de funcionar no meio da missão. Havia também duas câmeras fotográficas, uma câmera estelar e uma câmera métrica que, juntas, formavam uma câmera mapeadora, que por sua vez era complementada por uma câmera panorâmica, derivada de [[Corona (satélites)|tecnologia de espionagem]]. O altímetro e as câmeras permitiram determinar a data e hora exata em que cada foto foi tirada. Também estava presente um espectrômetro de partículas alfa, que poderia ser usado para detectar a presença de vulcanismo lunar, além de um espectrômetro de massa também na ponta de uma lança, na esperança de que não fosse contaminado pela nave. Essa lança deu vários problemas para Worden, que algumas vezes não conseguiu fazê-la retrair.<ref name=alfj8 />
 
[[Ficheiro:Apollo 15 Tsiolkovsky crater.jpg|thumb|240px|A cratera Tsiolkovski no lado oculto da lua, fotografada do ''Endeavour''.]]