Diferenças entre edições de "Lei do Maximum Général"

40 bytes adicionados ,  04h04min de 6 de agosto de 2019
marcada par reciclagem e esboço
m (Foram revertidas as edições de 186.241.67.150 (usando Huggle) (3.1.22))
(marcada par reciclagem e esboço)
{{reciclagem}}
{{esboço-históriafr}}
 
Lei do "Maximum Général", ou simplesmente Lei do Máximo (lei de 29/9/1793), foi uma lei criada na [[Convenção]], durante a [[Revolução Francesa]], pelo partido dos [[jacobino]]s com o intuito de tabelar os salários e preços dos bens comercializados, num esforço de controlar a inflação gerada pela emissão descontrolada da nova moeda revolucionária, o [[assignat]], e pelos altos juros e impostos. Sua aplicação gerou uma imediata reação burguesa de redução da produção de alimentos, devido à sua baixa lucratividade, culminando com um desabastecimento, carência de produtos e [[fome]]. A fome ocasionou um clima de tensão social que preocupou os jacobinos. O partido dos [[jacobino]]s, dentre as várias propostas de seus líderes, decidiu esperar o prejuízo burguês com o boicote. Contudo, na Convenção Nacional, cada líder defendeu sua proposta. [[Robespierre]] foi quem defendeu a proposta do grupo e levou [[Georges Jacques Danton|Danton]], um dos líderes que defendeu sua própria proposta, aos Tribunais Revolucionários, no qual foi julgado inimigo da revolução e condenado à morte na [[guilhotina]]. Foi uma das causas do [[Terror (Revolução Francesa)|Terror]], que levou milhares de pessoas a serem mortas. Assim, percebia-se que os jacobinos estavam dispostos a passar por cima de quem fosse para se manterem no poder, eliminando até mesmo próprios partidários jacobinos que, de aliados, passaram a ser considerados inimigos.
 
5 818

edições