Carmina Burana (Orff): diferenças entre revisões

43 bytes adicionados ,  10 de agosto de 2019
sem resumo de edição
'''Carmina Burana''' é uma [[cantata]] cénica composta por [[Carl Orff]] em 1935-1936 e estreada em [[8 de julho]] de [[1937]] na [[Alte Oper]] de [[Frankfurt]], sob direção de Bertil Wetzelsberger. O título completo, em latim, é "Carmina Burana: Cantiones profanæ, cantoribus et choris cantandæ, comitantibus instrumentis atque imaginibus magicis", que se pode traduzir como «Poemas cantados de Beuern: Cantos profanos, para cantores solistas e coros, com acompanhamento instrumental e imagens mágicas». A obra Carmina Burana constitui parte dos ''Trionfi'', uma trilogia musical que inclui ainda as cantatas ''[[Catulli Carmina]]'' (1943) e ''[[Trionfo di Afrodite]]'' (1953). O movimento mais célebre é o coro inicial e final [[O Fortuna]]. Os 24 textos foram selecionados da coletânea de manuscritos medievais homónima, os [[Carmina Burana]].
 
O libreto contém textos em [[latim]], [[alto alemão médio]] (''Mittelhochdeutsch'')<ref>Reconstruções da pronúncia dos textos em alto alemão médio usados nos Carmina Burana podem ser vistas em John Austin 1995 "Pronunciation of the Middle High German Sections of Carl Orff's 'Carmina Burana'" ''The Choral Journal'' 36.2:15–18 (em inglês), e em Guy A.J. Tops 2005 "De uitspraak van de middelhoogduitse teksten in Carl Orffs ''Carmina Burana''" ''Stemband'' 3.1:8–9 (em neerlandês). As duas obras têm transcrições fonéticas.</ref> e [[Língua occitana|provençal]] antigo.
 
A cantata é emoldurada por um símbolo da [[Antiguidade]] — a roda da fortuna, eternamente girando, trazendo alternadamente boa e má sorte. É uma [[parábola]] da vida humana exposta a constante mudança, mas não apresenta uma trama precisa.
Utilizador anónimo