Abrir menu principal

Alterações

correção ortográfica
Cumpre seu quarto [[mandato]] no [[Senado Federal do Brasil]] (1995–2003 / 2003–2011 / 2011–2019 / 2019–2027) como representante de seu [[estado]] natal, [[Alagoas]].<ref>{{citar web|url=http://www.renancalheiros.com.br/index.php/renan-calheiros/perfil-biografico|título=Perfil Biográfico - Senador Renan Calheiros|publicado=}}</ref> Foi [[Lista de presidentes do Senado Federal do Brasil|Presidente]] do Senado Federal do Brasil por três períodos: de 2005 até 2007, quando renunciou ao cargo após [[Renangate|denúncias de corrupção]]; de 2013 a 2015 e de 2015 a 2017. No âmbito político, foi absolvido em 2013 por votação de seus pares no Senado.<ref>{{citar web |url=http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,renan-foi-absolvido-com-48-votos-contra-cassacao,90502,0.htm|titulo=Estadão - NOTÍCIAS - Renan foi absolvido com 48 votos contra cassação |publicado=Estadão|data=4 de dezembro de 2007|acessodata=25 de março de 2013}}</ref>
 
Em 1º dezembro de 2016, por decisão do [[Supremo Tribunal Federal]] (STF), se tornou réu por [[peculato]].<ref name="peculato"/> No mesmo mês, o partido [[Rede Sustentabilidade]] (REDE) entrou com uma [[liminar]] que pedia o afastamento de Renan Calheiros da presidência do Senado. A ação impetrada pela Rede já temteve votos da maioria dos ministros do Supremo, eles entendendoentenderam que réus não podem estar na [[Linha de sucessão presidencial do Brasil|sucessão da Presidência da República]].<ref>{{citar web|url=http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2016/12/rede-pede-afastamento-de-renan-da-presidencia-do-senado-8613614.html|publicado=Zero Hora|data=4 de dezembro de 2016|acessodata=4 de dezembro de 2016|título=Rede pede afastamento de Renan da presidência do Senado}}</ref>
 
Em 5 de dezembro de 2016, o ministro do STF [[Marco Aurélio Mello]] decidiu, pela liminar, afastar Renan Calheiros do cargo da presidência do Senado. No lugar de Renan, assumiria o vice-presidente do Senado Federal Senador pelo PT do Acre [[Jorge Viana]],<ref>{{Citar web|url=http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=331246|titulo=Liminar afasta Renan Calheiros da Presidência do Senado|acessodata=5 de dezembro de 2016|obra=www.stf.jus.br}}</ref><ref name="afastado">{{citar web|url=http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2016/12/05/ministro-do-stf-manda-afastar-renan-do-senado.htm|publicado=Uol|data=5 de dezembro de 2016|acessodata=5 de dezembro de 2016|título=Ministro do STF afasta Renan do Senado|autor=Felipe Amorim}}</ref><ref>{{citar web|url=http://g1.globo.com/politica/noticia/ministro-do-stf-afasta-renan-da-presidencia-do-senado.ghtml|publicado=Globo.com|obra=G1|data=5 de dezembro de 2016|acessodata=5 de dezembro de 2016|título=Ministro do STF afasta Renan da presidência do Senado}}</ref> mas a mesa do Senado decidiu aguardar a decisão do Supremo.<ref>{{citar web|url=http://brasil.elpais.com/brasil/2016/12/07/politica/1481117684_223048.html|publicado=El Pais|acessodata=8 de dezembro de 2016|título=STF decide manter Renan Calheiros na presidência do Senado}}</ref><ref>{{citar web|url=http://g1.globo.com/politica/noticia/renan-senado-decide-nao-cumprir-liminar-e-aguardar-decisao-do-plenario-do-stf.ghtml|publicado=Globo.com|obra=G1|acessodata=8 de dezembro de 2016|título=Senado decide descumprir liminar para afastar Renan e aguardar plenário do STF|autor=Gustavo Garcia e Renan Ramalho}}</ref> Em 7 de dezembro de 2016, o STF decidiu por 6 votos a 3 manter Renan Calheiros no cargo de presidente do Senado, mas não podendo assumir a presidência da República na linha sucessória.<ref>{{citar web|url=http://g1.globo.com/politica/ao-vivo/cobertura-ao-vivo.html|publicado=Globo.com|obra=G1|data=7 de dezembro de 2016|acessodata=7 de dezembro de 2016|título=Maioria no STF decide manter Renan na presidência do Senado}}</ref>
381

edições