Diferenças entre edições de "Romanização do japonês"

22 bytes adicionados ,  06h47min de 30 de setembro de 2019
m
Correção de ligações inexistentes
m (Substituição de predefinições obsoletas)
m (Correção de ligações inexistentes)
A versão revisada do [[Sistema Hepburn|sistema de romanização Hepburn]] usa um [[macron]] para indicar algumas vogais longas, e um [[apóstrofo]] para indicar a separação de fonemas facilmente confundidos. Por exemplo, o nome じゅんいちろう, escrito com os caracteres kana ''ju''-''n''-''i''-''chi''-''ro''-''u'', romaniza-se ''Jun'ichirō'' usando o sistema Hepburn (revisto). Este sistema é vulgarmente usado no Japão por estudantes e acadêmicos estrangeiros.
 
A romanização segue por norma a fonética [[Língua inglesa|inglesa]] com as vogais [[Línguas Românicasromânicas|românicas]] e é o sistema de romanização mais usado hoje em dia, particularmente no mundo anglófono. No entanto, tem sido criticado pela sua distorção da fonética japonesa, que pode tornar mais difícil ensinar japonês aos estrangeiros.
 
=== Nihon-shiki ===
* Nomes japoneses que se estabeleceram com ortografias inglesas, como ''kudzu'' ou ''jiu jitsu'' ou palavras "emprestadas" como ''kyatto'' para ''cat'' ("[[gato]]") são por vezes escritas tal como são em inglês, sem ter em conta as regras da romanização.
* ''Jya'' para じゃ, que é ''ja'' em Hepburn e ''zya'' em Nihon-shiki e Kunrei-shiki, tal como ''jyu'' para じゅ e ''jyo'' para じょ. O ''y'' extra parece ser resultado da confusão entre as romanizações.
* ''Cchi'' para っち (Hepburn ''tchi'') e etc. Isto é ''wāpuro rōmaji'', mas é muitas vezes usado por razões estéticas ao usar [[diminutivosdiminutivo]]s (por exemplo, あきこ ''Akiko'' torna-se あっちゃん ''Acchan'' em vez de ''Atchan'').
* ''La'' para ら (Hepburn ''ra'') e etc. O som da consoante japonesa /r/ tem um som (IPA {{IPA|[ɽ]}}) (igual a "ca'''r'''a" ou "me'''r'''o", em português) que é próximo, mas não exactamente igual ao "r" e "l" ingleses. Estes sons são ambos transcritos para japonês usando o /r/ japonês. Exemplos disto inlcluem a [[boneca]] japonesa リカ, romanizada como ''Licca''.
* ''Na'' para んあ (Hepburn ''n'a'') e etc. Esta forma do japonês romanizado é usada em informação pública como sinais [[ferroviário]]s e [[rodoviário]]s no Japão.
Os [[antroponímia japonesa|nomes]] podem ser objeto de ainda mais variações, com ortografias dependendo da preferência individual. Por exemplo, o apelido do autor de [[mangá]] Yasuhiro Nightow seria normalmente escrito na romanização Hepburn como ''Naitō''.
 
Outras variantes vistas em nomes incluem a substituição do K pelo C, como no nome da celebridade [[Televisão|televisiva]] Ricaco, ou a remoção de [[Letra muda|vogais mudas]], como o [[cinema|realizador]] ''Macoto Tezka'', filho do autor de mangá [[Osamu Tezuka]] (note-se a remoção do "u").
 
=== Romanização para português ===
Em geral, a romanização do japonês para português não tem um padrão específico. Os nomes [[geográficoGeografia|geográficos]]s são normalmente adaptados à ortografia portuguesa, como "[[Tóquio]]" em vez de Tōkyō ou "[[Quioto]]" em vez de Kyōtō. Outros nomes adaptados têm vindo a perder o uso, como por exemplo ''Hiroxima'', ''Nagasáqui'' ou ''Osaca'' (hoje em dia [[Hiroshima]], [[Nagasaki]] e [[Osaka]] são muito mais frequentes). Quanto aos nomes de pessoas, a influência americana/inglesa faz com que a romanização Hepburn seja vulgarmente usada, como no nome do [[primeiro-ministro]], [[Junichiro Koizumi]] (note-se a ausência dos macrons/circunflexos e do apóstrofo). É de fato raro um nome ser transcrito diretamente do japonês para o português.
 
É curioso notar que as adaptações de [[mangá|manga]] do japonês para o [[idioma francês|francês]] (bastante comuns e utilizadas em [[Portugal]]) normalmente usam sistemas alternativos de romanização para facilitar a pronúncia aos que não estão familiarizados com os sistemas padrão, baseados na pronúncia inglesa. Assim, é vulgar encontrar ち (Hepburn "chi") escrito como "tchi", já que em francês (e em português) o som "ch" se lê como o inglês "sh". Da mesma forma, o uso dos circunflexos (em vez dos macrons) é predominante, e por vezes usa-se o acento grave nos "e" finais, para contrariar a tendência a esse "e" ser mudo (daí ver-se muitas vezes escrito "[[anime|animé]]", "[[sake|saké]]" e outros derivados).
Não existe uma forma de romanização universalmente aceita para algumas formas de kana. Particularmente, não existe uma forma de romanização para kana de tamanho normal combinados com as versões pequenas do kana vogal, 'ぁ', 'ぃ', 'ぅ', 'ぇ' e'ぉ', com as versões pequenas do kana ''y'', 'ゃ', 'ゅ', e'ょ', e com o kana ''sokuon'' ou pequeno ''tsu'' 'っ'. Embora estes sejam normalmente vistos como meras marcas fonéticas ou [[diacrítico]]s, eles também aparecem sozinhos, como por exemplo no final de certas frases ou nomes.
 
Também não existe uma forma comumente aceita para romanizar combinações vulgares como 'トゥ' do katakana ''to'' e o pequeno ''u'', usado para representar os sons da palavra inglesa ''"too"''. Este par é por vezes escrito como ''tu'', mas isto é muito provável de ser confundido com a romanização Nihon-shiki e Kunrei-shiki ''tu'' do kana ツ, romanizado como ''tsu'' no sistema Hepburn.
 
Em um computador ou editor de texto estes pequenos kana podem ser escritos de várias maneiras. Em alguns sistemas um "x" ou um "l" precedendo a romanização de um kana de tamanho normal gera a versão pequena do kana em questão. Ou seja, ''xtu'' resultaria em "っ" em um software da [[Microsoft]]. Entretanto, isto não é algo padronizado e estas formas estão restritas a sistemas de ''input'', não sendo utilizados para representar kana em japonês romanizado.
433

edições