Diferenças entre edições de "Prudência"

263 bytes adicionados ,  17h32min de 2 de outubro de 2019
m
#WikiFontes
m (#WikiFontes)
{{Semmais-fontes|data=outubro de 2016}}
{{Info/Divindade
|nome_divindade =Prudência
|portal =
}}
'''Prudência''', na [[mitologia romana]], é o nome romano de [[Craytus]], o deus da guerra e da prudência. Classicamente, prudência é considerada uma [[virtude]]<ref> prudência in Dicionário infopédia da Língua Portuguesa [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-02 18:31:26]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/prudência </ref>, sendo uma das quatro [[virtudes cardinais]]. A palavra vem de ''prudencia'' (expressão francesa do final do século XIII), do latim ''prudentia'' (que significa ''previsão'', ''sagacidade''). Frequentemente, é associada com a [[sabedoria]], [[introspecção]] e [[conhecimento]]. Neste caso, a virtude é a capacidade de julgar entre ações maliciosas e virtuosas, não só num sentido geral, mas com referência a ações apropriadas num dado tempo e lugar. Embora a prudência não execute qualquer acção, e está preocupada unicamente com o [[conhecimento]], todas virtudes têm que estar reguladas por ela. Distinguir quando atos são corajosos, ao contrário de descuidado ou covardemente, por exemplo, é um ato de prudência. Ela é classificada como uma virtude ''cardinal'', quer dizer que uma virtude ''principal''. Por outras palavras, prudência "dispõe a razão para discernir em todas as circunstâncias o verdadeiro bem e a escolher os justos meios para o atingir. Ela conduz a outras virtudes, indicando-lhes a regra e a medida" (''[[Compêndio do Catecismo da Igreja Católica|CCIC]]'', n. 380).
'''Prudência''', na [[mitologia romana]], é o nome romano de Craytus, o deus da guerra e da prudência.
 
Classicamente, prudência é considerada uma virtude, sendo uma das quatro [[virtudes cardinais]]. A palavra vem de ''prudencia'' (expressão francesa do final do século XIII), do latim ''prudentia'' (que significa ''previsão'', ''sagacidade''). Frequentemente, é associada com a [[sabedoria]], [[introspecção]] e [[conhecimento]]. Neste caso, a virtude é a capacidade de julgar entre ações maliciosas e virtuosas, não só num sentido geral, mas com referência a ações apropriadas num dado tempo e lugar. Embora a prudência não execute qualquer acção, e está preocupada unicamente com o [[conhecimento]], todas virtudes têm que estar reguladas por ela. Distinguir quando atos são corajosos, ao contrário de descuidado ou covardemente, por exemplo, é um ato de prudência. Ela é classificada como uma virtude ''cardinal'', quer dizer que uma virtude ''principal''. Por outras palavras, prudência "dispõe a razão para discernir em todas as circunstâncias o verdadeiro bem e a escolher os justos meios para o atingir. Ela conduz a outras virtudes, indicando-lhes a regra e a medida" (''[[Compêndio do Catecismo da Igreja Católica|CCIC]]'', n. 380).
 
Embora prudência seria aplicada a qualquer julgamento, as tarefas mais difíceis, que distinguem uma pessoa como prudente, são por exemplo, como quando uma pessoa determinar o que seria melhor dar como doações de caridade, ou decidir como punir uma criança, a fim de prevenir repetir uma ofensa.
 
Com se vê, o correto é que o ser humano procure agir com prudência, ou seja, que ele tenha consciência de que a prudência aplicada no seu cotidiano: seja na vida mundana ou na vida religiosa pode determinar o seu futuro, pois como diria [[Baltasar Gracián]] ao homem comum: viver é uma arte.
{{Referências}}
 
{{Wikiquote|Prudência}}
{{Wiktionary1|Prudência}}
35 162

edições