Concreto: diferenças entre revisões

11 bytes adicionados ,  11h20min de 3 de outubro de 2019
Ue modifiquei o ano sobre a pesquisa do concreto pois estava errada
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 2001:8a0:5dc6:4d01:950b:ac47:61ba:2bda, com Reversão e avisos)
(Ue modifiquei o ano sobre a pesquisa do concreto pois estava errada)
Contrariando o que é comumente difundido, a adição de agregados de maiores dimensões para compor o concreto não tem a finalidade, apenas, de diminuir o custo do seu volume unitário. As razões, além da redução do custo, são também os ganhos significativos relacionados à sua funcionalidade e vida útil, uma vez que tais agregados garantem menos retração na cura (podendo ser 10 vezes menor que a retração apresentada pela pasta de cimento pura), evitando assim fissurações, e garantindo menor fluência (também podendo chegar a ser 10 vezes menor que a fluência apresentada pela pasta de cimento pura).<ref>{{Citar livro|título=TECNOLOGIA DO CONCRETO|último=Brooks|primeiro=Neville|editora=Bookman|ano=2010|local=|páginas=|acessodata=}}</ref>
 
Historicamente, os romanos foram os primeiros a usar uma espécie de concreto para assentar seus tijolos cerâmicos maciços. Eles utilizavam como cimento pozolana natural e cal. Embora o primeiro uso é muito antigo, o cimento e concreto ficaram esquecidos por conta da ruralização da Europa e idade média. O material só veio a ser novamente desenvolvido e pesquisado no [[século XIX|século XI.]].
 
O concreto simples possui uma razoável resistência a compressão (esmagamento), entretanto uma baixa resistência a tração (cerca de 10% do valor da compressão). Como na maioria das estruturas é comum se encontrar os dois tipos de esforços, o uso do concreto se dá normalmente junto com um outro material (na maioria das vezes [[aço]] carbono).<ref name=":1">{{Citar livro|título=Tecnologia do Concreto Estrutural|último=FUSCO|primeiro=Péricles Brasiliense|editora=PINI|ano=2008|local=São Paulo|páginas=|acessodata=}}</ref>
Utilizador anónimo