Diferenças entre edições de "Caso Evandro"

133 bytes adicionados ,  16h44min de 5 de outubro de 2019
{{Quote|"''Houve tortura. Pessoas das quais os policiais militares suspeitavam foram sequestradas, levadas sem mandado de prisão e torturadas (…) Beatriz e Celina foram seviciadas até dizerem que mataram Evandro. Outro acusado, o pai de santo Osvaldo Marcineiro, não tinha mais costas de tanto levar porrada. As costas dele ficaram negras. Era um hematoma só. Eu vi.''"|Delegado e diretor do Departamento de Crimes contra o Patrimônio, Luiz Carlos Oliveira, da polícia no Paraná.''"<ref name="IstoÉ/26/01/2016"/>}}
 
Um dos responsáveis pela tortura foi o coronel da reserva Valdir Copetti Neves que disse à [[IstoÉ]]: "''Por que perguntar de tortura e circunstâncias de prisão somente para mim? Por que não se pergunta também ao [[Ministério Público]] e à [[Polícia Federal]] que estavam na investigação?''" Existem suspeitas de que o corpo enterrado no Cemitério Central de Guaratuba não é o do menino Evandro Ramos Caetano. O Ministério Público negou por dezoito vezes a exumação do corpo. O delegado Luiz Carlos Oliveira diz ter "Certeza absoluta de que não é o corpo (…) Durante as investigações eu disse: pago do meu bolso as despesas de exumação. Ninguém quis me ouvir." Foram feitos três exames de [[ADN]]. Dois deram "inconclusivo". O zelador do cemitério, Luiz Ferreira também diz que não está enterrado no local qual o MP diz estar. Segundo o advogado Adel El Tasse, a condenação Beatriz e Celina era para jogar uma "cortina de fumaça nas atrocidades cometidas".<ref name="IstoÉ/26/01/2016"/>
 
{{Referências}}