Diferenças entre edições de "Fascismo"

4 bytes removidos ,  22h37min de 8 de outubro de 2019
tirei reenvio errado
m (→‎Alegada igualdade social: linkagem associal)
(tirei reenvio errado)
A posição de direita política no movimento fascista italiano no início de 1920 levou à criação de facções internas. A "esquerda fascista" incluiu Michele Bianchi, [[Giuseppe Bottai]], Angelo Oliviero Olivetti, Sergio Panunzio e Edmondo Rossoni, que estavam comprometidos com o avanço do sindicalismo nacional como um substituto para o liberalismo parlamentar a fim de modernizar a economia e avançar os interesses dos trabalhadores e do povo.<ref name="sgp112">Payne, Stanley G. ''A History of Fascism, 1914–1945''. (Oxon, England, UK: Routledge, 2001) p. 112. {{en}}</ref>
 
A "direita fascista" incluiu membros do paramilitar ''Squadristi'' e ex-membros da ''Associazione Nazionalista Italiana (ANI)''.<ref name=sgp112/> Os ''squadristi'' queriam estabelecer o fascismo como uma ditadura completa, enquanto os ex-membros ANI, incluindo [[Alfredo Rocco]], procuravam um estado corporativista autoritário para substituir o Estado liberal na Itália, mantendo as elites existentes. No entanto, após acomodar a direita política, surgiu um grupo de fascistas monarquistas, que procuraram usar o fascismo para criar uma [[monarquia absoluta]] sob o rei [[Vítor Emanuel III da Itália]].<ref name=sgp112/>
 
Depois que Vítor Emanuel III forçou Mussolini a renunciar como chefe de governo e o colocou na prisão, em 1943, Mussolini foi resgatado por forças alemãs e então passou a depender da Alemanha para ter apoio. Mussolini e os demais fascistas leais fundaram a [[República Social Italiana]], com Mussolini como [[chefe de Estado]]. Mussolini procurou radicalizar o fascismo italiano, declarando que o Estado fascista havia sido derrubado porque o fascismo italiano tinha sido subvertido pelos conservadores e a [[burguesia]] italianos. Em seguida, o novo governo fascista propôs a criação de conselhos de trabalhadores e participação nos lucros da indústria, no entanto a autoridade alemã que efetivamente controlava o território da República Social (norte da Itália), neste ponto, ignorou estas medidas e não procurou aplicá-las.<ref name="ballbellamy1">Terence Ball, Richard Bellamy. The Cambridge History of Twentieth-Century Political Thought. Pp. 133.</ref>
242

edições