Sistema de posicionamento global: diferenças entre revisões

m (Foram revertidas as edições de 2001:1284:F01C:FA5D:41E:645B:4FD9:CD8 para a última revisão de Chronus, de 11h49min de 16 de junho de 2019 (UTC))
Etiqueta: Reversão
Etiquetas: Editor Visual Expressão problemática
[[Imagem:Navstar.jpg|direita|thumb|Mais de 50 satélites como este [[NAVSTAR]] já foram lançados desde 1979.]]
[[Imagem:GPS roof antenna dsc06160.jpg|thumb|Antena de telhado para GPS]]
O '''sistema de posicionamento global''', mais conhecido pela sigla '''GPS''' (em [[Língua inglesa|inglês]] ''global positioning system''), é um [[sistema de navegação por satélite]] que fornece a um aparelho receptor móvel a sua posição, assim como o horário, sob quaisquer condições atmosféricas, a qualquer momento e em qualquer lugar na Terra; desde que o receptor se encontre no campo de visão de três satélites GPS (quatro ou mais para precisão maior). Encontram-se em funcionamento dois desses sistemas: o GPS americano e o [[GLONASS]] (versão russa do GPS). Existem também dois outros sistemas em implementação: o [[Galileo]] da [[União Europeia]] e o [[Compass]] [[China|chinês]]. O sistema americano é administrado pelo Governo dos [[Estados Unidos]] e operado pelo [[Departamento de Defesa dos Estados Unidos|Departamento de Defesa americano]]. A princípio, o seu uso era exclusivamente militar, estando mais recentemente disponível para uso civil gratuito. No entanto, acredita-se que, em um contexto de guerra, sua função civil seria revogada para que o dispositivo volte a ser um artfício militar. O que comprometeria a funcionalidade do GPS para o cotidiano de pessoas comuns, pois o sistema de posicionamento global, além de ser utilizado na aviação geral e comercial e na navegação marítima, também é utilizado por diversas pessoas para deslocamento nos bairros e cidades e, principalmente, para viagens.
 
 
Inclusive, com um [[sistema de navegação por satélite]] integrando um GPS, é possível encontrar o caminho para um determinado local e saber a velocidade e direção do seu deslocamento. Atualmente, o sistema está sendo muito utilizado em automóveis com um sistema de mapas. Existem diversos tipos de GPS, de diversas marcas com  soluções "tudo em um", como os externos que são ligados por cabo ou ainda por bluetooth e celulares modernos ([[Smartphone|smartphones]]), que possuem o GPS integrado e acessível através de seus próprios aplicativos.
Warwick é um monstro que assombra os becos cinzentos de Zaun. Transformado por mórbidos experimentos, seu corpo é enxertado com um intricado sistema de câmaras e bombas, um maquinário que preenche suas veias com uma ira alquímica. À espreita nas sombras, ele caça os criminosos que aterrorizam o submundo da cidade. Warwick fica enfurecido quando sente o cheiro de sangue. Ninguém que o derrama consegue escapar.
 
Embora muitos considerem Warwick apenas uma fera, por trás de sua fúria há a mente de um homem; um gângster que abdicou de sua lâmina e adotou um novo nome para ter uma vida melhor. Mas por mais que ele tentasse seguir adiante, ele nunca conseguiu escapar dos pecados de seu passado.
 
As memórias daquela época surgem momentaneamente para Warwick, mas logo são inevitavelmente perdidas e substituídas pelos ecos dos dias que passou amarrado a uma mesa no laboratório de Singed, com o rosto do insano cientista debruçado sobre ele.
 
Envolto em uma nuvem de dor, Warwick não se lembrava de como havia caído nas mãos de Singed... e mal conseguia se lembrar dos tempos que precediam aquele sofrimento. O cientista o retalhou pacientemente, instalando bombas e mangueiras para injetar substâncias químicas em suas veias, buscando o que um alquimista sempre busca: a transmutação.
 
Singed revelaria a verdadeira natureza de sua cobaia; uma fera mortífera sob a carapuça de um "bom homem".
 
As substâncias injetadas nas veias de Warwick aceleravam a cicatrização e permitiam que Singed pudesse, de forma lenta e gradual, transfigurar aquele homem. Quando sua mão foi decepada durante uma das experiências, Singed a reconectou com poderosos aprimoramentos de garras pneumáticas, deixando Warwick ainda mais perto de seu real potencial.
 
Uma câmara química foi instalada nas costas de Warwick e integrada ao seu sistema nervoso central. Sempre que ele sentia ira ou ódio, ela injetava a fúria líquida em suas veias, despertando completamente a fera contida.
 
Ele teve que suportar tudo; cada corte do bisturi do insano cientista. A dor, assegurou Singed, era necessária. Ela se mostraria o “grande catalisador" de sua transformação. Embora os químicos houvessem permitido que o corpo de Warwick cicatrizasse a maior parte do dano físico, seu psicológico ficou destroçado pelo interminável sofrimento.
 
Warwick tentava se lembrar de qualquer memória do passado... Mas tudo o que via era sangue. Foi quando ele escutou os gritos de uma garotinha. Ela gritava algo que ele não entendia. Parecia um nome.
 
Ele já havia esquecido o próprio nome. E pensava que era melhor assim.
 
Logo, a dor se sobrepôs a todos os outros pensamentos. O sangue era tudo que restava.
 
Embora seu corpo e sua mente estivessem dilacerados após semanas na mesa de cirurgia, Warwick resistia obstinadamente à química que o transmutava. Toxinas, e não lágrimas, escorriam de seus olhos. Ele colocou para fora bolos de catarro cáustico que estavam acumulados em seu peito, fazendo pequenas crateras no chão do laboratório. Preso ao aço gélido da mesa, Warwick se contorceu de agonia por horas a fio - até que, finalmente, seu corpo cedeu.
 
Após a morte inoportuna de sua cobaia, Singed descartou o corpo em uma cova nas profundezas do Sumidouro de Zaun e passou a se dedicar a seu próximo experimento.
 
Mas a morte se revelou o verdadeiro catalisador da transformação de Warwick. Enquanto seu corpo esfriava no topo de uma pilha de defuntos, as substâncias químicas finalmente fizeram efeito. A câmara em suas costas começou a bombear.
 
Seu corpo se contorcia descontroladamente, os ossos estalavam e se deformavam, dentes cresceram, os tendões se romperam e depois cicatrizaram com um suave brilho alquímico, e a carne morta foi substituída por algo novo e poderoso. Quando seu coração começou a bater novamente, o homem que Warwick fora e a vida que vivera já não existiam mais.
 
Ele acordou faminto. Tudo doía. Só uma coisa importava.
 
Ele precisava de sangue.
 
Primeiro, foi o sangue de um catador do esgoto que estava próximo, se decompondo na pilha da cova. Depois foi uma sacerdotisa da Gloriosa Evolução, que viera em busca de um membro do seu rebanho. Depois foi um aprendiz piltovense que resolvera pegar um atalho, um mercador que fugia de uma gangue, um traficante de entorpecentes, um tabelião, um delinquente químico...
 
Ele montou acampamento em um lugar não muito longe do local que incomodava sua mente animal. Lá, ele seguia com sua chacina, sem se importar com quem caía em suas garras. Desde que houvesse sangue entre seus dentes cerrados, ele não sentia nada além de um borrão vermelho na consciência, pois a fome em suas entranhas se sobrepunha a qualquer preocupação com suas vítimas.
 
Porém, mesmo deixando-se entregar ao seu lado bestial, flashes do passado começaram a atormentá-lo. Ele viu um homem barbado refletido nos olhos de um mendigo enquanto rasgava sua garganta. O homem do reflexo era sombrio, porém familiar; tinha cicatrizes nos braços. Às vezes, enquanto saciava sua fome em becos escuros, o brilho das facas o lembravam de uma velha lâmina coberta de sangue. O sangue passava da lâmina para suas mãos. E de suas mãos, para tudo que ele tocava. Às vezes, ele se lembrava da garotinha novamente.
 
E ainda havia sangue.
 
Ele percebeu que o sangue sempre estivera lá, durante toda sua vida, e não havia nada que ele pudesse fazer para eliminá-lo. Ele havia deixado tantas marcas que, mesmo que não se lembrasse de seu passado, a cidade se lembraria. Quando olhava nos olhos dos criminosos de Zaun — chefões de gangues, assassinos e ladrões — ele via a si mesmo. A câmara em suas costas enchia seu corpo de ódio. Suas garras saltavam de seus dedos.
 
Ele caçava.
 
Não mais satisfeito com a matança indiscriminada, Warwick agora persegue aqueles que já têm as mãos sujas de sangue. Assim como ele tinha no dia em que foi arrastado para a porta de Singed.
 
Ele ainda se pergunta se realmente queria isso. Ele não se lembra dos detalhes, mas se lembra do suficiente. O suficiente para saber que Singed estava certo todo o tempo; o bom homem sempre fora uma mentira, até que o desastre o desmascarou, revelando a verdade.
 
Ele é Warwick. Ele é um assassino.
 
== E há tantos assassinos a serem caçados. ==
 
== Descrição técnica ==
Hoje em dia, em dois países os aparelhos receptores de GPS são proibidos: a [[Coreia do Norte]] e a [[Síria]]. O [[Egito]] suspendeu a proibição em abril de 2009.{{Carece de fontes}}
 
== TécnicasTécnica de posicionamento ==
 
*[[Posicionamento por Ponto Simples]]
*[[DGPS]]
*[[Real Time Kinematic]] (Cinemático em Tempo Real)
Utilizador anónimo