Movimento operário: diferenças entre revisões

Sem alteração do tamanho ,  25 de outubro de 2019
m
Foram revertidas as edições de 45.167.39.7 para a última revisão de 2804:D47:512D:6F00:11B0:1DC9:4DDF:2BE3, de 18h54min de 23 de setembro de 2019 (UTC)
m (Foram revertidas as edições de 45.167.39.7 para a última revisão de 2804:D47:512D:6F00:11B0:1DC9:4DDF:2BE3, de 18h54min de 23 de setembro de 2019 (UTC))
Etiqueta: Reversão
De [[1838]] em diante, o movimento cartista espalhou-se por toda a Inglaterra, ganhando a adesão maciça dos trabalhadores e ampliando a pauta de reivindicações nitidamente operárias: limitação da jornada de trabalho, abolição da Lei dos Pobres e fim das casas operárias.
 
Entretanto, os dirigentes cartistas se dividiram quanto ao método a ser utilizado para alcançar seus objetivos. Alguns achavam que a Carta deveria ser conquistada em aliança com a burguesia e unicamente através de meios pacíficos, chamado de (''Socialismo Científico por Karl Marx''). Outros, influenciados por [[Karl Marx]] e [[Engels]], defendiam a luta armada, ou seja, diziam que não há um meio pacífico para isso. Essa divisão seria a principal causa da derrota do movimento cartista. Apesar disso, graças à influência desse movimento, os operários conseguiram uma série de vitórias como a redução da jornada de trabalho para dez horas, a proteção ao trabalho de mulheres e crianças, a reforma do código penal e a regulamentação das associaçõesYTHYU745HYUassociações políticas.
 
Essas reformas abrangiam toda a vida social, consolidando a ordem burguesa. Os sindicatos foram fortalecidos, a liberdade de opinião foi regulamentada e o sistema de cooperativas defendido.
222 163

edições