Diferenças entre edições de "Crise do encilhamento"

5 bytes removidos ,  00h35min de 11 de novembro de 2019
→‎O termo: Mesmo não deve ser isso como pronome.
(→‎O termo: Mesmo não deve ser isso como pronome.)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel Edição móvel avançada
 
== O termo ==
O termo "encilhamento" foi inspirado no procedimento adotado no [[hipismo]] de arrear (equipar com arreios) o cavalo, preparando-o para a corrida. O termo foi utilizado para dar nome ao [[Especulação financeira|movimento especulativo]] devido à sua analogia com a crença de tentar se aproveitar, a qualquer custo, de oportunidades "únicas" de enriquecimento quando as mesmaselas se apresentam. Esta analogia é reforçada no ditado popular "cavalo encilhado não passa duas vezes".<ref>[http://educacao.uol.com.br/historia-brasil/encilhamento-politica-economica-tentou-impulsionar-a-industrializacao.jhtm | Artigo - ''Encilhamento; História do Brasil''], publicado no [[UOL]] em 5 de janeiro de 2013</ref><ref>''O Encilhamento'', Artigo de Maria Bárbara Levy - ECONOMIA BRASILEIRA: UMA VISÃO HISTÓRICA - Editora Campus - Rio de Janeiro, 1980 - Neuhaus, Paulo - Coordenador - pgs. 191, 192, 196, 197, 198, 199, 203, 204,205,207,208, 217 e 218 - ISBN 85-7001-003-6</ref> O uso da palavra ''encilhamento'' como apelido da situação econômica na praça do Rio de Janeiro à época, foi feito pela primeira vez em ''Retrospecto Commercial'', no ''[[Jornal do Commercio]]'', em 1890. Nesse jornal, o termo por ser considerado pejorativo, só era usado em matéria paga, mas outros periódicos passaram a repeti-lo como [[gíria]] para denominar a febre financeira posterior a 1888.<ref>Ibidem, Levy 1980.</ref>
 
==Origens do Encilhamento==
217

edições