Diferenças entre edições de "Piotr Ilitch Tchaikovski"

3 bytes adicionados ,  06h23min de 26 de novembro de 2019
m
sem resumo de edição
m (Protegeu "Piotr Ilitch Tchaikovski": Artigo destacado na página principal ([Editar=Permitir apenas utilizadores autoconfirmados] (expira a 12h16min de 2 de dezembro de 2019 (UTC)) [Mover=Permitir apenas utilizadores autoconfirmados] (expira a 12h16min de 2 de dezembro de 2019 (UTC))))
m
Desde pequeno, Tchaikovski passou a receber aulas de piano em casa, e seus pais compraram um [[orquestrião]], um tipo de órgão que podia imitar elaborados efeitos orquestrais e executava peças de [[Wolfgang Amadeus Mozart|Wolfgang Mozart]], [[Gioachino Rossini]], [[Vincenzo Bellini|Vicenzo Bellini]] e [[Gaetano Donizetti]].{{Sfn|Poznansky|1998|p=6}} Em 1844, aos quatro anos, ele realizou sua primeira tentativa de composição, uma canção chamada ''Nossa Mamãe em Petersburgo'', escrita juntamente com sua mãe.{{Sfn|Poznansky|1998|p=6}} Seus pais, inicialmente encorajando seu talento por razões práticas e estéticas, no final de 1845 contrataram uma tutora chamada Maria Pilchikova.{{Sfn|Poznansky|1998|p=6}} Precoce, dentro de três anos sua habilidade em ler partituras seria comparável à de sua professora.{{Sfn|Brown|1978|p=31}} Em 1848, quando da mudança de sua família para São Petersburgo, Tchaikovski e seus irmãos foram matriculados em uma escola privada, onde ele continuou a receber lições de piano até 1849.{{Sfn|Poznansky|1998|p=6}}
 
Contudo, em 1850 os pais de Tchaikovski decidiram enviaenviá-lo para a Escola Imperial de Jurisprudência. Ilia Petrovitch e Aleksandra Andreievna haviam se formado em institutos de São Petersburgo e pensavam que, na Escola de Jurisprudência, que servia principalmente à pequena nobreza, o jovem Piotr receberia uma educação que o prepararia para uma carreira como funcionário público.{{Sfn|Wiley|2009|p=8}} Naquela época, independentemente do talento, as únicas carreiras musicais disponíveis na Rússia - exceto para a aristocracia afluente - eram como instrutor em um [[Conservatório (música)|conservatório]] ou como [[instrumentista]] em um dos teatros imperiais. Ambas opções eram percebidas como destinadas aos níveis mais baixos da escala social, sendo exercidas por indivíduos que gozavam de direitos semelhantes aos dos camponeses.{{Sfn|Maes|2002|p=33}} Além disso, as motivações dos pais de Tchaikovski podem ter sido fundadas em razões mais imediatas, pois a renda de Ilia Tchaikovski vinha se tornando cada vez mais incerta. Como consequência, é possível que eles desejassem ver o filho tornar-se independente o mais rapidamente possível.{{Sfn|Wiley|2009|p=8}} Como a idade mínima para aceitação na Escola Imperial de Jurisprudência era doze anos, Tchaikovski teve de frequentar por dois anos a Escola Preparatória da Escola Imperial de Jurisprudência, a 1.300 quilômetros de sua família.{{Sfn|Holden|1995|p=14}}{{Sfn|Warrack|1973|página=26}} Uma vez transcorridos esses dois anos, Tchaikovski foi transferido para a Escola Imperial de Jurisprudência, onde realizaria um curso de sete anos de estudos.{{Sfn|Holden|1995|p=20}}
 
A separação precoce de Tchaikovski de sua mãe causou um trauma emocional que durou o resto de sua vida, e que foi intensificado pela sua morte de cólera em 1854, quando ele tinha catorze anos.{{Sfn|Holden|1995|p=15}}{{Sfn|Poznansky|1991|p=11-12}}{{Nota de rodapé|Sua morte o afetou de tal maneira, que ele só informou Fanny Dürbach dois anos depois.{{Sfn|Brown|1978|p=47}} Mais de vinte e cinco anos depois de sua perda, Tchaikovski escreveu para sua patrona, Nadejda von Mekk, que "cada momento daquele dia aterrador é tão vívido para mim como se fosse ontem".{{Sfn|Holden|1995|p=23}}|grupo=nota}} A perda de sua mãe levou-o a fazer sua primeira composição séria, uma valsa em sua memória, e, deprimido, ele apenas informou Fanny Dürbach da morte de Aleksandra Andreievna transcorridos dois anos.{{Sfn|Holden|1995|p=23}} Ilia Petrovitch, que também contraíra cólera, assim que se recuperou mandou o filho de volta à escola, na esperança de que os estudos ocupassem a mente do menino.{{Sfn|Holden|1995|p=23}} Piotr Tchaikovski compensou seu isolamento estabelecendo amizades que durariam o resto de sua vida, notadamente com os seus colegas Aleksei Apukhtin e Vladimir Gerard.{{Sfn|Holden|1995|p=23-24}}{{Sfn|Poznansky|1991|p=32-37}}{{Sfn|Warrack|1973|página=30}} A música, embora não fosse uma prioridade na Escola de Jurisprudência, fazia parte do seu currículo e também ajudou Tchaikovski a ligar-se aos seus colegas. Eles freqüentavam regularmente a ópera,{{Sfn|Holden|1995|p=24}}{{Sfn|Poznansky|1991|p=26}} e Tchaikovski improvisava no [[harmônio]] da escola, brincando com temas que ele e seus colegas haviam aprendido nas aulas de [[canto coral]].{{Sfn|Holden|1995|p=25}} Tchaikovski também continuou seus estudos de piano com Franz Becker, um fabricante de instrumentos que ocasionalmente visitava a escola; no entanto, segundo o musicólogo David Brown, os resultados foram "insignificantes".{{Sfn|Brown|1978|p=43}}
A primeira ópera de Tchaikovski a sobreviver intacta, ''[[Oprítchnik]]'', estreou em 12 de abril de 1874.{{Sfn|Poznansky|1998|p=18}} Durante a sua composição, ele perdeu o libreto semi-finalizado que Ostrovski lhe entregara, e, constrangido demais para pedir outra cópia, decidiu reescreve-lo, modelando sua técnica dramática na de [[Eugène Scribe]]. Estreada a obra, ela experimentou algum sucesso de público,{{Sfn|Poznansky|1998|p=18}} mas a crítica a recebeu de maneira claramente negativa. César Cui, em particular, descreveu-a como "vazia de ideias".{{Sfn|Poznansky|1998|p=18}} Mussorgski, em uma carta para para Vladimir Stasov, desaprovou a ópera e considerou que ela buscava excessivamente agradar o público. No entanto, seu sucesso junto ao público perdurou, e a ópera ''Oprítchnik'' continua a ser realizada de tempos em tempos na Rússia.{{Sfn|Taruskin|1992a|p=665}}
 
Outras obras deste período incluem as [[Variações em um tema rococó para violoncelo e orquestra (Tchaikovsky)|Variações em um tema rococó]], as sinfonias [[Sinfonia n.º 3 (Tchaikovsky)|''n.º 3'']] e [[Sinfonia n.º 4 (Tchaikovsky)|''n.º 4'']], a ópera [[Yevgeny Onegin|''Ievgueni Oneguin'']], o balé ''[[O Lago dos Cisnes]]''. A última das primeiras óperas de Tchaikovski, ''[[Vakula, o ferreiro]]'', foi composta na segunda metade de 1874.{{Sfn|Poznansky|1998|p=18}} O libreto, baseado em um conto de [[Nikolai Gogol]], deveria ter sido musicado por Aleksandr Serov, mas, com a sua morte, a grã-duquesa Helena Pavlona e mais tarde a SMR organizaram uma competição em sua homenagem, com a garantia de que composição vencedora seria executada no [[Teatro Mariinski|Teatro Imperial Mariinski]].{{Sfn|Poznansky|1998|p=18}} Tchaikovski foi declarado vencedor, e a ópera estreiouestreou em 1876, desfrutando de uma recepção morna da crítica.{{Sfn|Holden|2001|p=940}} Após a morte de Tchaikovski, Rimski-Korsakov escreveu uma ópera baseada na mesma história de Gogol.{{Sfn|Maes|2002|p=171}}
 
=== Casamento e sexualidade ===
=== Anos no estrangeiro ===
[[Ficheiro:Nadezhda von Meck.jpeg|alt=|esquerda|miniaturadaimagem|246x246px|[[Nadejda von Mekk]], patrona e confidente de Tchaikovski de 1877 a 1890.]]
Tchaikovski permaneceu no exterior por um ano após a desintegração de seu casamento. Sua família continuou a apoiaapoiá-lo durante esta crise e ao longo de sua vida,{{Sfn|Wiley|2001|p=147}} e ele também foi auxiliado por [[Nadejda von Mekk]], a viúva de um magnata da ferrovia, que tornara-se sua apoiadora financeira não muito antes do casamento. Ela se transformaria em uma importante amiga e apoiadora emocional do compositor,{{Sfn|Holden|1995|p=159; 231–232}} e seria sua [[Mecenato|mecenas]] pelos próximos 13 anos, o que lhe permitiria concentrar-se exclusivamente em suas composições.{{Sfn|Brown|2007|p=171-172}}
 
Durante esse tempo, ele completou a ópera ''Ievgueni Oneguin'', orquestrou a sua [[Sinfonia n.º 4 (Tchaikovsky)|''Sinfonia n.º 4'']] e compôs um [[Concerto para violino e orquestra (Tchaikovsky)|''Concerto para Violino e Orquestra'']].{{Sfn|Wiley|2009|p=159; 170; 193}} Ele retornou brevemente ao Conservatório de Moscou, no outono de 1879,{{Sfn|Brown|1982|p=297}}'''{{Nota de rodapé|Desde o início da crise conjugal do compositor, Rubinstein supunha que Tchaikovski poderia partir, e estava preparado para isso {{Sfn|Wiley|2001|p=189}}. No entanto, sua intromissão no relacionamento de Tchaikovski com Nadejda von Mekk pode ter contribuído para a partida do compositor. As ações de Rubinstein, que azedaram suas relações com Tchaikovski e von Mekk, incluíam implorar a von Mekk em pessoa para que terminasse com o subsídio de Tchaikovski para o bem do próprio compositor.{{Sfn|Brown|1982|p=250}}{{Sfn|Wiley|2001|p=188-189}} As ações de Rubinstein, por sua vez, foram estimuladas pela retirada de Tchaikovski da delegação russa para a Feira Mundial de Paris de 1878, posição que Rubinstein havia buscado garantir para o compositor.{{Sfn|Brown|1982|p=249-250}}{{Sfn|Wiley|2001|p=180; 180-189}} Rubinstein havia sido contratado para realizar quatro concertos lá, e no primeiro apresentou o Primeiro Concerto para Piano de Tchaikovski.{{Sfn|Wiley|2001|p=190}}|grupo=nota}}''' e, durante os anos seguintes, assegurado pela renda regular de von Mekk, viajou incessantemente pela Europa e pela Rússia rural, principalmente sozinho e evitando contatos sociais sempre que possível.{{Sfn|Brown|2007|p=219}} Durante esse tempo, a reputação estrangeira de Tchaikovski cresceu, e uma reavaliação positiva de sua música também ocorreu na Rússia, graças em parte ao apelo do romancista russo [[Fiódor Dostoiévski]] por "unidade universal" com o Ocidente, em 1880. Antes do apelo de Dostoiévski, a música de Tchaikovski era considerada "excessivamente dependente do Ocidente", mas a mensagem do escritor se espalhou pela Rússia e esse estigma em relação à música de Tchaikovski evaporou-se.{{Sfn|Volkov|2011|p=126}} Ele foi aclamado de maneira sem precedentes e até mesmo atraiu seguidores dentre os jovens intelectuais de São Petersburgo, como [[Aleksandr Benois]], [[Leon Bakst]] e [[Serguei Diaguilev]].{{Sfn|Volkov|2011|p=122-123}}
| width3 = 220
| caption3 = Composições de Tchaikovski encontraram duradoura popularidade junto ao público. De cima para baixo, montagens de ''[[O Lago dos Cisnes]]'' do ''Kansas City Ballet'' (2016), da Ópera Real Sueca (2008) e do Teatro Alexandrinski em São Petersburgo (2008).
}}A recepção da crítica à música de Tchaikovski também foi heterogênea, mas melhorou ao longo do tempo. Mesmo depois de 1880, críticos dentro da Rússia o consideravam suspeito por não ser suficientemente representativo da cultura nacional, e achavam que os críticos da [[Europa Ocidental]] o louvavam exatamente por esse motivo.{{Sfn|Botstein|1998|p=99}} De acordo com o musicólogo e maestro Leon Botstein, esse ponto de vista pode ter sido ligeiramente correto, pois um número de críticos alemães da época afirmava que Tchaikovski sentia-se particularmente à vontade fora do âmbito da música russa.{{Sfn|Botstein|1998|p=100}} Dos críticos estrangeiros que não aprovavam a sua música, [[Eduard Hanslick]] criticou o ''Concerto para Violino'' como uma composição musical "cujo fedor pode-se ouvir"{{Sfn|Steinberg|1998|p=487}} e William Forster Abtrop escreveu sobre a ''Sinfonia n.º 5'', em sua coluna no jornal ''Boston Evening Transcript'', que "a peroração furiosa soa como uma horda de demônios lutando em uma torrente de conhaque, a música cada vez mais bêbada. Pandemônio, delirium tremens, alucinação e, acima de tudo, terrível barulho!".{{Sfn|Steinberg|1995|p=631}}
 
A divisão entre os críticos russos e ocidentais permaneceu estendeu-se pela maior parte do século XX, mas por uma razão diferente. De acordo com Brown e Wiley, a visão predominante dos críticos ocidentais era de que as qualidades da música de Tchaikovski que atraíam o público - suas emoções fortes, objetividade, eloquência e orquestração vívida - juntas levavam à superficialidade composicional.{{Sfn|Wiley|2001|p=169}}{{Sfn|Brown|1980|p=628}} O uso da música de Tchaikovski nas artes populares e cinematográficas, segundo Brown, diminuiu ainda mais o seu valor diante da crítica.{{Sfn|Brown|1980|p=628}} Além disso, a música de Tchaikovski exigia engajamento ativo do ouvinte - como Botstein expressa, sua música "falava à vida interior imaginativa do ouvinte, independentemente da sua nacionalidade" - e críticos conservadores podem ter sentido que tais demonstrações emotivas "atacam as fronteiras da apreciação estética convencional - a recepção culta da arte como um ato de discernimento formalista - e a educada apreciação da arte como um ato de diversão".{{Sfn|Botstein|1998|p=101}}
487

edições