Diferenças entre edições de "Psicologia"

1 123 bytes removidos ,  13h24min de 2 de dezembro de 2019
Desfeita a edição 56863434 de 200.17.86.103. Psicologia antiga já é abordada no artigo próprio "História da Psicologia". Conteúdo sem referências e não relevante na seção.
(Desfeita a edição 56863434 de 200.17.86.103. Psicologia antiga já é abordada no artigo próprio "História da Psicologia". Conteúdo sem referências e não relevante na seção.)
Etiqueta: Desfazer
=== Perspectivas históricas ===
"A psicologia possui um longo passado, mas uma história curta".<ref>"Die Psychologie besitzt eine lange Vergangenheit aber nur eine kurze Geschichte". Citado por Zimbardo & Gerrig (2004), p. 10.</ref> Com essa frase descreveu [[Hermann Ebbinghaus]], um dos primeiros psicólogos experimentais, a situação da psicologia - tanto em [[1908]], quando ele a escreveu, como hoje: desde a Antiguidade pensadores, filósofos e teólogos de várias regiões e culturas dedicaram-se a questões relativas à natureza humana - a percepção, a consciência, a loucura. Apesar de teorias "psicológicas" fazerem parte de muitas tradições orientais, a psicologia enquanto ciência tem suas primeiras raízes nos filósofos gregos, mas só se separou da [[filosofia]] no final do [[século XIX]].
 
Na Grécia Antiga procurava-se a cura para doenças físicas através da magia, orações, feitiços e até mesmo cirurgias. O primeiro médico a fazer observações objetivas com o seu próprio conhecimento sobre o corpo humano foi Alcméon de Crotona, e isso aconteceu por volta do século V a.C., ele organizou uma escola para substituir a medicina sacerdotal para a medicina racional. Alcméon acreditava que saúde e doença estavam em equilíbrio ou desiquilíbrio dos sistemas corporais.
 
O sucessor de Alcméon foi Hipócrates, que iniciou na medicina sacerdotal mas acabou substituindo a mesma por uma medicina racional. Seu trabalho na medicina baseava-se na teoria dos quatros humores, na qual o homem era descrito como um todo composto por quatro partes independentes que eram: o sangue, a fleuma (chamada também de linfa), a bílis amarela e a bílis negra, cada uma dessas quatro partes estariam ligadas a um órgão particular: o coração, o cérebro, o fígado e o baço. A saúde seria o equilíbrio dos quatro humores. Essa medicina provou o desempenho do cérebro no organismo e a sua importância.
 
O primeiro laboratório psicológico foi fundado pelo [[fisiologia|fisiólogo]] alemão [[Wilhelm Wundt]] em [[1879]] tendo publicado seu livro "Principles of Physiological Psychology" em [[Leipzig]], na [[Alemanha]]. Seu interesse se havia transferido do funcionamento do corpo humano para os processos mais elementares de percepção e a velocidade dos processos mentais mais simples. O seu laboratório formou a primeira geração de psicólogos. Alunos de Wundt propagaram a nova ciência e fundaram vários laboratórios similares pela Europa e os Estados Unidos. [[Edward Titchener]] foi um importante divulgador do trabalho de Wundt nos [[Estados Unidos]]. Mas uma outra perspectiva se delineava: o médico e filósofo americano [[William James]] propôs em seu livro "''The Principles of Psychology'' (1890)" - para muitos a obra mais significativa da literatura psicológica - uma nova abordagem mais centrada na função da mente humana do que na sua estrutura. Nessa época era a psicologia já uma ciência estabelecida e até 1900 já contava com mais de 40 laboratórios na América do Norte<ref name="Zimbardo"/>
1 800

edições