Diferenças entre edições de "Ocupação alemã de Luxemburgo durante a Segunda Guerra Mundial"

judeus do luxemburgo
(→‎A Ocupação: 3.0 paragraf)
(judeus do luxemburgo)
No início da Segunda Guerra Mundial, em Setembro de 1939, Luxemburgo declarou-se neutro,<ref name=":1">{{Citar web|titulo=Luxembourg 1940-1945|url=https://web.archive.org/web/20110926143806/http://www.mnhm.lu/pageshtml/aroundluxembourg.php|data=2011-09-26|publicado=National Museum of Military History}}</ref> principalmente na esperança de que isso fosse suficiente para impedir uma nova ocupação alemã. As forças armadas tinham sido aumentadas para um máximo de 268 gendarmes e 425 soldados de uma companhia de voluntários<ref>{{Citar web|titulo=Le Corps des Gendarmes et Volontaires - Historique - Lëtzebuerger Arméi|url=https://web.archive.org/web/20110914222238/http://www.armee.lu/historique/corps_gendarmes_volontaires.php|obra=web.archive.org|data=2011-09-14|acessodata=2019-11-26}}</ref> e na fronteira com a Alemanha foi criada a "Linha Schuster", um conjunto de bloqueios de estradas, em betão com portas de aço, para proteger as principais passagens fronteiriças; todas estas medidas visavam, acima de tudo, tranquilizar a opinião pública interna, fortemente preocupada com a política agressiva da Alemanha<ref name=":1">{{Citar web|titulo=Luxembourg 1940-1945|url=https://web.archive.org/web/20110926143806/http://www.mnhm.lu/pageshtml/aroundluxembourg.php|data=2011-09-26|publicado=National Museum of Military History}}</ref>. A nível militar, estas forças do Luxemburgo - mínimas, devido ás restrições do [[Tratado de Londres de 1867]] - só poderiam abrandar um eventual invasor.
 
== A Invasão<ref name="Dostert">{{citar web|url = http://www.zug-der-erinnerung.eu/dostert.html|título= Luxemburg unter deutscher Besatzung 1940-45: Die Bevölkerung eines kleinen Landes zwischen Kollaboration und Widerstand|último = Dostert|primeiro = Paul|website = Zug der Erinnerung|língua= alemão}}</ref>==
== A Invasão ==
As portas de aço da Linha Schuster foram fechadas em 10 de maio de 1940 às 03:15, após relatos de movimento de tropas alemãs na fronteira. {{sfn|Horne|1969|p=258-264}} A família reall foi evacuada de sua residência em [[Colmar-Berg]] para o palácio Grand Ducal em [[Luxemburgo (cidade)|Luxemburgo]]. Cerca de 30 minutos depois, ao amanhecer, vários aviões alemães foram avistados sobre a capital do Luxemburgo, na direção da Bélgica.{{sfn|Government of Luxembourg|1942|p=37}}
 
Em 10 de outubro de 1941, foi realizado um censo da população, em que cerca de 98% dos recenseados declararam a nacionalidade luxemburguesa, recusando a cidadania alemã e provocando represálias da [[Gestapo]].<ref name=":1">{{Citar web|titulo=Luxembourg 1940-1945|url=https://web.archive.org/web/20110926143806/http://www.mnhm.lu/pageshtml/aroundluxembourg.php|data=2011-09-26|publicado=National Museum of Military History}}</ref>
 
Em 30 de Agosto de 1942, os ocupantes anunciaram que todos os jovens luxemburgueses nascidos entre 1920 e 1927 seriam obrigatóriamente incorporados na Wehrmacht, para combater os Aliados.<ref name=":3">{{citar web|url=https://web.archive.org/web/20070610114800/http://www.cna.public.lu/1_FILM/EnSavoirPlus/dossier_heim_ins_reich/historique/index.html#greve|titulo=HEIM INS REICH -La 2e guerre mondiale au Luxembourg - quelques points de repère|data=10 de Junho de 2007|publicado=CNA - Centre National de l'Audiovisuel (Arquivado em WebArchive)}}</ref> A este anúncio seguiu-se uma greve geral - uma raridade em territórios sob ocupação nazi - violentamente reprimida. Cerca de 20 cidadãos considerados responsáveis foram fuzilados.<ref name=":3" />
 
=== Judeus do Luxemburgo ===
No início da Segunda Guerra Mundial havia cerca de 3 500 judeus a viver no Luxemburgo: comunidades judaicas estavam presentes no país desde o século XIII, mas a maior parte da população era constituída por judeus da Europa Oriental que tinham fugido para o Luxemburgo nas primeiras décadas do século XIX, incluindo cerca de 1 000 judeus alemães que tinham fugido da Alemanha no início dos anos trinta.<ref name=":4">{{Citar web|titulo=The Destruction of the Jews of Luxembourg - The German Occupation of Europe|url=http://www.holocaustresearchproject.org/nazioccupation/luxembourg.html|obra=www.holocaustresearchproject.org|acessodata=2019-12-05|data=|publicado=|ultimo=|primeiro=}}<br /></ref>
 
Durante o período de ocupação, foram confiscaçados bens pertencentes a famílias judaicas, mas inicialmente não foram adoptadas regras restritivas específicas para os judeus; as autoridades alemãs encorajaram a emigração e, entre Agosto de 1940 e Outubro de 1941, cerca de 2.500 judeus residentes no Luxemburgo deixaram o país, emigrando principalmente para a [[França de Vichy]] ou [[Portugal]] <ref name=":4" /> . A 5 de Setembro de 1940, Gustav Simon ordenou a aplicação das leis de Nuremberga no território, e as restrições para a população judaica tornaram-se progressivamente mais severas: foi imposta a obrigação de usar a estrela amarela nas roupas, o saque dos seus bens e dinheiro aumentou, foi-lhes proibido o acesso a locais públicos e muitos perderam os seus empregos.<ref name=":4" /><ref name="Dostert">{{citar web|url = http://www.zug-der-erinnerung.eu/dostert.html|título= Luxemburg unter deutscher Besatzung 1940-45: Die Bevölkerung eines kleinen Landes zwischen Kollaboration und Widerstand|último = Dostert|primeiro = Paul|website = Zug der Erinnerung|língua= alemão}}</ref>
 
No início de Outubro de 1941 havia cerca de 750 judeus no país, e a partir de 16 de Outubro, de 674 destes foram gradualmente reunidos e encerrados no campo de trânsito de Funfbrunnen, de onde seriam deportados para o [[Gueto de Łódź|gueto de Lodz]] e para o campo de concentração de [[Theresienstadt]]<ref name=":4" />; a partir daqui os judeus do Luxemburgo foram enviados para o campo de extermínio de [[Sobibor]] e para o campo de concentração de [[Majdanek]] e [[Bergen-Belsen]]. O último grupo de 11 deportados foi enviado diretamente para o campo de concentração de [[Auschwitz]] em Junho de 1942.<ref>{{Citar web|titulo=Luxembourg|url=https://encyclopedia.ushmm.org/content/en/article/luxembourg|obra=encyclopedia.ushmm.org|acessodata=2019-12-05|lingua=en}}</ref>
 
Em 17 de junho de 1943, Gustav Simon declarou que Luxemburgo era um território "limpo de judeus". As grandes sinagogas das cidades de Luxemburgo e Esch-sur-Alzette foram completamente demolidas, enquanto as de Ettelbruck e Mondorf-les-Bains foram seriamente danificadas. Dos 674 luxemburgueses deportados para os campos de extermínio, apenas 36 sobreviveram até serem libertados <ref name=":4" /> . Também a pequena comunidade cigana foi vítima da perseguição alemã: cerca de 200 Roma foram deportados e mortos durante o período da Segunda Guerra Mundial .<ref>{{citar livro|título=Gypsies Under the Swastika|ultimo=Kenrick|primeiro=Donald (e outro)|editora=University of Hertfordshire Press|ano=2009|páginas=66}}</ref><ref>{{Citar web|titulo=Downplaying the Porrajmos:The Trend to Minimize the Romani Holocaust|url=https://www.webcitation.org/5knwjmRoN?url=http://www.geocities.com/~Patrin/lewy.htm|obra=|acessodata=2019-12-05|data=|publicado=Patrin Web Journal (Arq. em WebCite)|ultimo=Hancock|primeiro=Ian}}</ref>
 
== Ver também ==
2 278

edições