Grau académico: diferenças entre revisões

35 bytes adicionados ,  15h37min de 10 de janeiro de 2020
sem resumo de edição
(Removendo "Diploma_Carta_de_Curso_Grau_de_Licenciado.JPG", por ter sido apagado no Commons por Srittau: per c:Commons:Deletion requests/Files uploaded by Bmpm)
[[Imagem:Birrete doctoral.jpg|thumb|right|450px|Ato da concessão do grau de doutor, com a imposição do barrete doutoral, na [[Universidade Complutense de Madrid]], durante o {{séc|XVII}}]]
Um {{PEPB|grau académico|grau acadêmico}} é um título conferido normalmente por uma [[instituição de ensino superior]] em reconhecimento oficial pela conclusão com sucesso de todos os requisitos de um curso, de um ciclo ou de uma etapa de estudos superiores. A graduação é o ato de receber um '''grau académico'''.
 
O ato de receber um grau académico é designado "[[graduação]]".
 
==Origem e perspectiva global==
Numa universidade, a formação de um doutorando era realizada de uma forma equivalente ao treino que um membro de [[corporações de ofício|corporação de ofícios]] tinha que realizar para obter o grau profissional de [[mestre]] (latim: ''magister'', significando "[[professor]]") no seu ofício. O termo "mestre" passou assim também a ser usado na universidade como equivalente ao de "doutor". O uso do grau de mestre tornou-se numa matéria de usos e costumes em algumas universidades, não sendo usado em outras. Contudo, nas universidades que o usavam, o grau de mestre acabou por se tornar normalmente num grau de qualificação inferior ao de doutor.<ref name="Ruegg"/><ref name="Verger1"/><ref name="Verger2"/>
 
Nas universidades medievais europeias, os candidatos, que completavam três ou quatro anos nos estudos dos textos prescritos do ''[[trívio|trivium]]'' ([[gramática]], [[retórica]] e [[lógica]]) e do ''[[quadrívio|quadrivium]]'' ([[matemática]], [[geometria]], [[astronomia]] e [[música]]) - coletivamente conhecidos como as "[[artes liberais]]" - e que fossem aprovados nos exames feitos pelo seu mestre, eram admitidos ao gruagrau de bacharel (latim: ''baccalaureus'') em artes. O termo "bacharel" referia-se inicialmente a um [[escudeiro]] ou aprendiz de [[cavalaria medieval|cavaleiro]]. Estudos mais avançados - numa das [[faculdade]]s de [[direito civil|leis]], [[direito canónico|cânones]], [[medicina]] ou [[teologia]] - levariam à obtenção de uma licenciatura, a qual dava direito à licença para ensinar uma das matérias das artes liberais.<ref name="Ruegg"/><ref name="Verger1"/><ref name="Verger2"/>
 
Inicialmente, os graus de doutor eram concedidos em teologia (''divinitatis doctor'' ou D.D.), em [[filosofia]] (''philosophiae doctor'', D.Phil. ou Ph.D.) e em medicina (''medicinae doctor'', M.D. ou D.M.), refletindo a separação histórica dos estudos universitários naqueles três campos. Com o passar do tempo, o grau de doutor em teologia foi-se tornando cada vez menos comum. Pelo contrário, o grau de doutor em filosofia tornou-se no mais generalizado, com o termo "filosofia" a englobar tudo o que é hoje classificado como [[ciência]]s e [[humanidades]]. No final do {{séc|XII}}, a [[Universidade de Bolonha]] - considerada a mais antiga da Europa - introduziu também o grau de doutor em [[direito civil]].<ref name="Ruegg"/><ref name="Verger1"/><ref name="Verger2"/>
A Universidade de Paris utilizava o termo "mestre" para designar os seus graduados. Esta prática foi também seguida pelas universidades de [[Universidade de Oxford|Oxford]], [[Universidade de Cambridge|Cambridge]] e [[Universidade de St Andrews|Saint Andrews]], tornando-se depois a norma no [[anglofonia|mundo anglo-saxónico]]. Outras universidades, contudo, preferiam o termo "doutor". A designação dos graus acabou, posteriormente, por ficar ligada às matérias estudadas. Os letrados das faculdades de artes liberais ficaram conhecidos como "mestres em artes" (M.A.), enquanto que os das faculdades de teologia, medicina e [[direito]] ficaram conhecidos como "doutores". Como o estudo das artes liberais constituía um pré-requisito para o estudo da teologia, medicina e direito, o grau de doutor assumiu um estatuto superior ao do grau de mestre. Isto deu origem à moderna hierarquia, na qual o grau de doutor - que, sob a atual forma de grau obtido com base em pesquisas e dissertações, teve origem nas universidades alemãs dos séculos XVIII e XIX - corresponde a um nível mais avançado de estudos que o grau de mestre.<ref name="Ruegg"/><ref name="Verger1"/><ref name="Verger2"/>
 
Atualmente, nos sistemas educativos da maioria dos países do mundo, o ensino superior está dividido em três ciclos de estudos, com a conclusão de cada um deles a corresponder à obtenção de um determinado grau académico. Internacionalmente, consagrou-se o sistema em que existem os graus de bacharel, mestre e doutor, correspondentes, respetivamente, ao primeiro, segundo e terceiro ciclos do ensino superior. Muitos países, em que este sistema antes não vigorava, adoptaram-no na sequência do [[Declaração de Bolonha|Processo de Bolonha]]. Contudo, diversos países mantiveram designações alternativas, sobretudo do grau correspondente ao primeiro ciclo de estudos superiores que se pode designar "licenciatura", "láurea", "diploma" ou "graduação". Para além dos graus concedidos nos ciclos de estudos superiores, alguns países dispõem de um grau concedido aqueles que se encontram nas condições de aceder ao ensino superior, como é o caso dodos grau[[bacharelato]]s francês de (''baccalauréat'') e espanhol ([[bacharelato]]''bachillerato'').<ref name=Bologna>[http://www.ond.vlaanderen.be/hogeronderwijs/bologna Bologna Secretariat, Bruxelas, 2007-2010]</ref>
 
No passado, os graus eram concedidos diretamente por um monarca ou por uma autoridade eclesiástica. Contudo, hoje em dia, são concedidos sobretudo por instituições de ensino superior, legalmente autorizadas para tal pelos [[estado]]s. Para lá dos graus oficiais atribuídos na sequência da conclusão de estudos, as instituições de ensino também podem atribuir [[honoris causa|graus honorários]] em reconhecimento pela carreira profissional de um indivíduo ou pela sua contribuição para a sociedade. O mais comum destes graus é o de doutor ''[[honoris causa]]''. A titularidade de um grau académico, na maioria dos países, dá o direito ao uso de um determinado traje e insígnias correspondentes ao grau.<ref name="Ruegg"/><ref name="Verger1"/><ref name="Verger2"/>
 
==Graduação e''versus'' pós-graduação==
Na maioria dos sistemas de ensino superior, é frequente agrupar os graus académicos em dois níveis, referidos genericamente como "[[graduação]]" e "[[pós-graduação]]" na maioria dos países e como "subgraduação" (''undergraduate'') e "graduação" (''graduate'') nos países anglo-saxónicos.
 
GenericamenteGeneralmente, consideram-se de graduação os graus académicos necessários ao exercício de uma profissão que obrigue à habilitação com um curso superior. Já a pós-graduação inclui os graus obtidos depois da conclusão de estudos avançados e da obtenção de uma proeficiênciaproficiência para lá doda que seria necessárionecessária para o simples exercício profissional.
 
Esta distinção tem mostrado algumas ambiguidades na sua aplicação e varia conforme o caso. Em praticamente todos os casos, os graus obtidos com a conclusão do primeiro e do terceiro ciclo de estudos superiores, são considerados, respetivamente, de graduação e de pós-graduação. Já o grau obtido com a conclusão do segundo ciclo pode ser incluído num ou noutro nível, conforme o país e conforme o nível de formação académica exigido para o exercício de determinadas profissões.
 
==Graus em vários países e regiões <ref>{{citar web |url=http://vestibular.brasilescola.uol.com.br/estudar-no-exterior/as-siglas-mundo-academico-internacional.htm |titulo=As siglas do mundo acadêmico internacional |author=Bruna Bellani ( "Brasil Escola > Estudar no Exterior" ) |acessodata=9 de maio de 2016 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20160506232900/http://vestibular.brasilescola.uol.com.br/estudar-no-exterior/as-siglas-mundo-academico-internacional.htm |arquivodata=2016-05-06 |urlmorta=no }}</ref>==
 
 
===Alemanha===
Tradicionalmente, na [[Alemanha]], os estudantes obtinham a graduação ao fim de quatro a seis anos de estudos superiores, com o grau de ''Magister Artim'' (MA) em [[ciências sociais]], humanidades, [[linguística]] e [[arte]]s ou com um ''Diplom'' em [[ciências naturais]], [[economia]], [[gestão de empresas]], [[ciência política|ciências políticas]], [[sociologia]] e [[engenharia]]. Estes graus eram os primeiros e ao mesmo tempo os mais altos antes do doutoramento, antes da sua gradual substituição por um sistema de graus de inspiração anglo-saxónica. O ''Magister'' e o ''Diplom'' alemães - ambos obrigando à realização de uma tese final - são currentementecorrentemente equiparados ao mestrado (''master'') dos países que seguem o sistema anglo-saxónico. A equiparação é, contudo, controversa, com algumas universidades dos EUA a darem-lhes equivalência apenas ao ''bachelor'' (bacharelato).
 
Não sendo considerados graus académicos, na Alemanha existem também os ''Staatsexamen'' (exames de Estado), cuja realização com sucesso é condição para que os futuros profissionais de determinados setores (incluindo médicos, dentistas, professores, advogados, juízes, promotores públicos e farmacêuticos) fiquem habilitados com uma licença do Estado para exercerem aquelas profissões. O primeiro destes exames é realizado depois da habilitação com o ''Magister'' ou com o ''Diplom'', sendo considerado como estando ao nível de um mestrado. Depois de passarempassar o primeiro ''Staatsexamen'', alguns dos profissionais (como os professores e os juristas) ainda têm que realizar um estágio profissional de dois anos, antes de realizaremrealizar um segundo exame final.
 
Desde 1999 e na sequência do Processo de Bolonha, os tradicionais graus de ''Magister'' e ''Diplom'' foram gradualmente substituídos pelo sistema de ''Bakkalaureus'' (bacharelato) seguido de ''Master'' (mestrado).
Utilizador anónimo