Diferenças entre edições de "Rio Zambeze"

2 bytes adicionados ,  05h51min de 31 de janeiro de 2020
m
(→‎História da exploração: Texto copiado e traduzido do inglês não tem fontes.)
O primeiro europeu a visitar o interior do rio Zambeze foi o degredado português António Fernandes em 1511 e novamente em 1513, com o objectivo de informar sobre as condições comerciais e as actividades do interior da África Central. O relatório final destas explorações revelou a importância dos portos do Zambeze superior para o sistema comercial local, em particular para o comércio de ouro da África Oriental.{{carece de fontes}}
 
A primeira exploração do Zambeze superior foi feita por David Livingstone em sua exploração de Bechuanalândia entre 1851 e 1853. Dois ou três anos mais tarde desceu o Zambeze até à sua foz e no curso desta viagem descobriu as quedas de Victoria. Entre 1858e1858 e 1860, acompanhado por John Kirk, Livingstone subiuosubiu o rio pela boca do Kongone até às quedas, e alcançou o lago Niassa.{{carece de fontes}}
 
Durante os próximos 35 anos, muito pouca exploração do rio ocorreu. O explorador português Serpa Pinto examinou alguns dos afluentes ocidentais do rio e fez medições das Cataratas Vitória em 1878. Em 1884 o missionário dos irmãos de Plymouth Frederick Stanley Arnot viajou entre os divisores de águas do Zambeze e do Congo, e identificou a fonte do Zambeze. Ele considerou que Kalene Hill, um local alto e frio era um lugar particularmente adequado para uma missão. Arnot foi acompanhado pelo comerciante português e oficial do exército António da Silva Porto. Em 1889 o canal de Chinde a norte da foz principal do rio foi descoberto. Duas expedições lideradas pelo Major A. St Hill Gibbons em 1895 a 1896 e 1898 a 1900 continuaram o trabalho de exploração iniciado por Livingstone na bacia superior e curso central do rio.{{carece de fontes}}