Diferenças entre edições de "Joseph Nicéphore Niépce"

m
traduzindo nome/parâmetro, ajustes gerais, rm duplicados nas citações, outros ajustes
(+ Pyréolophore)
Etiquetas: Inserção de predefinição obsoleta editor de código 2017
m (traduzindo nome/parâmetro, ajustes gerais, rm duplicados nas citações, outros ajustes)
|morte_local=[[Saint-Loup-de-Varennes]], [[França]]
}}
'''Joseph Nicéphore Niépce''' ([[Chalon-sur-Saône]], [[7 de março]] de [[1765]] — [[Saint-Loup-de-Varennes]], [[5 de julho]] de [[1833]]) foi um inventor [[França|francês]] responsável por uma das primeiras [[fotografia]]s.<ref>{{Citar livro|autor=Baatz, Willfried |título=Photography: An Illustrated Historical Overview|subtítulo= |idioma= |edição= |local=Nova Iorque |editora=Barron’s |ano=1997 |páginas=16 |volumes= |isbn=0-7641-0243-5}}</ref> Dentre outras invenções suas está o [[Pyréolophore]], o primeiro [[motor de combustão interna]], que ele concebeu, criou e desenvolveu com seu irmão [[Claude Niépce]].<ref>{{Citecitar web |url=http://www.photo-museum.org/ |titletítulo=Nicéphore Niépce House Museum |website=Nicéphore Niépce House Museum}}</ref>
 
Niépce começou seus experimentos fotográficos em [[1793]], mas as imagens desapareciam rapidamente. Ele conseguiu imagens que demoraram a desaparecer em [[1824]] e o primeiro exemplo de uma imagem permanente ainda existente foi tirada em [[1826]]. Ele chamava o processo de [[heliografia]] e demorava oito horas para gravar uma imagem.<ref>{{citar web |url=http://news.bbc.co.uk/1/hi/world/europe/1885093.stm|título=World's oldest photo sold to library |acessodata=5 de julho de 2012 |autor= |coautores= |data=21 de março de 2002 |ano= |mes= |formato= |obra= |publicado=BBC News |páginas= |língua= |língua2=en |língua3= |lang= |citação=The image of an engraving depicting a man leading a horse was made in 1825 by Nicephore Niepce, who invented a technique known as heliogravure.}}</ref>
 
== A heliografia de Niépce ==
Em 1793, enquanto servia como oficial do exército francês, Niépce tenta obter imagens gravadas quimicamente com a câmara escura, durante uma temporada em Cagliari. Aos 40 anos, Niépce retirou-se do [[exército]] francês para se dedicar a inventos técnicos, graças à [[fortuna]] que sua família possuía. Nesta época, a litografia era muito popular na França, e como Niépce não tinha habilidade para o desenho, tentou obter através da câmera escura uma imagem permanente sobre o material litográfico de imprensa. Recobriu um papel com cloreto de prata e expôs durante várias horas na câmera escura, obtendo uma fraca imagem parcialmente fixadas com [[ácido nítrico]]. Como essas imagens eram em negativo e Niépce pelo contrário, queria imagens positivas que pudessem ser utilizadas como placa de impressão, determinou-se a realizar novas tentativas.
[[Ficheiro:View from the Window at Le Gras, Joseph Nicéphore Niépce.jpg|thumb|205px|left|Foto mais antiga tirada por Niépce, por volta de [[1826]].]]
 
Após alguns anos, Joseph recobriu uma placa de [[estanho]] com [[betume]] branco da [[Judeia]] que tinha a propriedade de se endurecer quando atingido pela [[luz]]. Nas partes não afetadas, o betume era retirado com uma solução de essência de [[alfazema]]. Em 1826, expondo uma dessas placas durante aproximadamente 8 horas na sua [[câmera]] escura fabricada pelo ótico parisiense Chevalier, conseguiu uma imagem do quintal de sua casa. Apesar desta imagem não conter meios tons e não servir para a litografia, todas as autoridades na matéria a consideram como "a primeira fotografia permanente do mundo". Esse processo foi batizado por Niépce como heliografia, gravura com a luz solar.<ref name="How">[http://www.madehow.com/inventorbios/69/Joseph-Nic-phore-Niepce.html Made How - biography of Joseph Nicéphore Niépce] Página visitada em 05 de julho de 2012.</ref>
 
Em [[1827]], Niépce foi a [[Jardins Botânicos Reais de Kew|Kew]], perto de [[Londres]], visitar Claude, levando consigo várias heliografias. Lá conheceu [[Francis Bauer]], pintor [[botânica|botânico]] que de pronto reconheceu a importância do invento. Aconselhado a informar ao Rei Jorge IV e à Royal Society sobre o trabalho, Niépce, cauteloso, não descreve o processo completo, levando a Royal Society a não reconhecer o invento. De volta para a França, deixa com Bauer suas heliografias do Cardeal d'Amboise e da primeira fotografia de 1826.
 
Em [[1829]] substitui as placas de [[metal]] revestidas de [[prata]] por [[estanho]], e escurece as sombras com vapor de [[iodo]]. Este processo foi detalhado no contrato de sociedade com [[Daguerre]], que com estas informações pode descobrir em [[1831]] a sensibilidade da prata iodizada à luz. Niépce morreu em 1833 deixando sua obra nas mãos de [[Daguerre]].