Genolino Amado: diferenças entre revisões

6 bytes removidos ,  9 de março de 2020
m
pequenos ajustes
m (v1.43b - Corrigido usando WP:PCW (Argumentos duplicados em chamadas de predefinições))
m (pequenos ajustes)
 
Em 1928 ocupou a função de Chefe da Censura em São Paulo, interrompendo a produção das suas crônicas, até quando perdeu o cargo em função da [[Revolução de 1930]]. Junto ao jornalismo nos [[Diários Associados]], trabalhou como radialista nas principais emissoras da capital paulista, como a [[Rádio Record]], levado por [[César Ladeira]]. Ladeira foi, ainda, o responsável por sua mudança para o Rio de Janeiro, em 1933, onde alcançou grande sucesso como radialista, desta feita em nível nacional.
 
No Rio, Genolino também exerce o magistério, quando da reforma geral do ensino promovida na então capital do país pelo educador [[Anísio Teixeira]], sendo mais tarde um dos mestres que participaram da criação do primeiro curso de jornalismo, na então [[Faculdade Nacional de Filosofia e Letras]]. Nesta época escrevia para o amigo Ladeira as chamadas "''Crônicas da Cidade Maravilhosa''", cujo título inspirou o compositor [[André Filho]] a compor a [[marcha]] [[carnaval]]esca [[Cidade Maravilhosa]], e que iam ao ar pela [[Rádio Mayrink Veiga]].
 
Apresentou, ainda, o Biblioteca no Ar, que foi duas vezes premiado como o melhor programa cultural das emissoras brasileiras. Liderou a audiência, também, quando se transferiu para a [[Rádio Nacional]], apresentando o programa Crônica da Cidade.
===Bibliografia===
{{div col|colunas=3}}
*''Vozes do Mundo'', ensaios (1937);
*''Um Olhar sobre a Vida'', ensaios (1937);
*''Os Inocentes do Leblon'', crônicas (1946);
*''O Pássaro Ferido'', crônicas (1948);
*''Avatar'', teatro (1948);
*''Dona do Mundo'', comédia (1948).
*''O Reino Perdido'', memórias (1971);
*''Um Menino sergipano'', memórias (1977).
{{div col end}}
 
==[[Imagem:Lorbeerkranz.png|30px]] Academia Brasileira de Letras==
[[FileImagem:Posse do escritor Genolino Amado como membro da Academia Brasileira de Letras..tif|thumb|Em 1973.]]
Foi eleito a 9 de agosto de 1973 para ocupar a cadeira 32 da [[Academia Brasileira de Letras|Academia]], cujo fundador foi [[Carlos de Laet]], e que tem por patrono [[Manuel de Araújo Porto-Alegre]], como seu quinto ocupante, sendo recebido em 14 de novembro deste mesmo ano por [[Hermes Lima]], seu ex-colega de faculdade.