Baía da Babitonga: diferenças entre revisões

2 bytes adicionados ,  17h39min de 9 de março de 2020
Adicionei duas vírgulas em uma frase no 2º parágrafo.
(Mencionei a cidade de Itapoá, que não constava no registro anterior e coloquei letra maiúscula no início de umas duas palavras que estavam em minúsculo.)
(Adicionei duas vírgulas em uma frase no 2º parágrafo.)
A '''Baía da Babitonga''' ou somente '''Baía Babitonga''' é uma [[baía]] do [[litoral]] [[brasil]]eiro. Esta baía está situada na [[foz]] do [[rio Palmital]], entre as cidades de [[Joinville]], [[Itapoá]] e a [[ilha]] de [[São Francisco do Sul]].
 
A baía Babitonga já era habitada há mais de 3.000 anos por caçadores e coletores sambaquianos, os homens do [[sambaqui]]. No século XV e XVI se registra a ocupação da baía por grupos [[tupi-guarani]], denominados [[carijós]], que há algumas centenas de anos antes se sobrepuseram culturalmente àqueles grupamentos sambaquianos ancestrais. Os carijós, por sua vez, não resistiram à dominação europeia com o início da ocupação portuguesa do litoral sul do Brasil. Sucumbiram pela escravização, guerras, por doenças e mesmo pela aculturação, desaparecendo como cultura autóctone antes do século XVII.
 
Na [[Margem (geografia)|margem]] norte da baía está a localidade de [[Saí]] (antigamente "Sahí") que em 1842 foi palco de uma experiências sociais pioneiras no mundo - o [[Falanstério do Saí]] - organizado pelo Dr. [[Benoit Jules Mure]] que se baseava nas doutrinas de [[Charles Fourier]] e que contava com colonizadores [[franceses]].
Utilizador anónimo