Diferenças entre edições de "Individualismo"

9 bytes removidos ,  23h27min de 8 de abril de 2020
m
Foram revertidas as edições de 186.194.31.138 para a última revisão de Douglasboavista, de 16h55min de 13 de janeiro de 2020 (UTC)
m (Foram revertidas as edições de 186.194.31.138 para a última revisão de Douglasboavista, de 16h55min de 13 de janeiro de 2020 (UTC))
Etiqueta: Reversão
Nas sociedades contemporâneas, uma vez que o indivíduo se constitui na relação com o outro e em função de várias experiências e [[papel|papéis]] sociais, participando de vários mundos, a sua [[personalidade]] não é um monólito: o indivíduo não é ''um'' mas ''muitos'', em função de suas circunstâncias. Uma primeira dificuldade do individualismo seria, portanto, a de definir o indivíduo, destacando-o da esfera do coletivo - que, de certa forma, o constitui e lhe dá sentido.<ref>[http://www.cpdoc.fgv.br/revista/arq/316.pdf Gilberto Velho. Entrevista. CPDOC-FGV.]</ref>
 
== História ==
Na [[Idade Média]], o indivíduo é visto somente como parte do coletivo, não destacável do todo social. Em [[Santo Agostinho]], o ser humano é social por natureza ou essência, e individual por corrupção originária (''De civitate Dei'' XII 28). A sua salvação como indivíduo é inseparável do destino dos seus semelhantes, e, por isso, há uma naturalidade na esfera do social e do político, que é o próprio indicador da humanização.<ref>CARVALHO, Mário S. de [http://saavedrafajardo.um.es/WEB/archivos/Coimbra/27/Coimbra27-02.pdf Sobre as origens dos paradigmas modernos do universalismo e do individualismo.]</ref>
 
[[Averróis]] considerava a sociedade como o melhor instrumento para a perfeição do indivíduo: ''"É impossível alcançar a perfeição humana integral se não se manifestarem as diferenças individuais existentes nas pessoas concretas de um povo a cujas distintas disposições naturais correspondem as diferenças das suas respectivas perfeições. Se cada sujeito concreto estivesse preparado potencialmente para todas as perfeições humanas a natureza teria feito algo em vão."''<ref>AVERROES, ''Exposición de la República de Platón'' 1, 3, trad. M. Cruz Hernandez 6-7.</ref>
Assim, o individualismo remonta ao [[contrato social]] e às origens do pensamento democrático, com [[Hobbes]], [[Locke]] e [[Jean-Jacques Rousseau|Rousseau]] e a rejeição do poder político legitimado pelo direito de dinástico herança ou pela vontade divina. Consolida-se assim a concepção de indivíduo como um ser uno, livre e responsável por seus próprios atos - o [[cidadão]] moderno, célula mínima do Estado democrático, que lhe garante contratualmente direitos e deveres.
 
Alguns autores, destacam no entanto o individualismo moral e político presente na [[Reforma luterana]] como a marca distintiva da [[modernidade]] - considerando a Reforma como até mais importante, neste sentido, do que o [[contratualismo]].e um conceito politico moral e social.
 
Posteriormente, o [[Romantismo]] também será fundamental na constituição do individualismo moderno, que tanto reúne traços iluministas quanto românticos. Segundo [[Simmel]]<ref>SIMMEL, G. (1957). ''Freedom and the individual.'' In: LEVINE, D.(ed.). ''On Individuality and Social Forms: Selected Writings.'' Chicago: The University of Chicago Press, 1971.</ref> há duas revoluções individualistas na história do [[Ocidente]], que resultam em dois tipos de individualismo: a primeira revolução individualista teria sido uma revolução quantitativa ou numérica (de ''singleness''), fruto do iluminismo, visando o homem em sua universalidade, o que corresponde à concepção do indivíduo como um cidadão livre e autônomo, destacado do todo social. A instauração do individualismo de ''singleness'' tem como marco a Revolução Francesa, quando se consolidam os ideais de igualdade, liberdade e fraternidade. Já a segunda revolução individualista, promovida por meio do ideário romântico do [[século XIX]], corresponde, segundo o autor, ao individualismo de ''uniqueness'', e diz respeito à dimensão de excepcionalidade e singularidade do indivíduo moderno. ''O que importava agora não era mais ser um indivíduo livre como tal, mas sim ser um indivíduo singular e insubstituível''<ref>[http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-11382004000100011&lng=pt&nrm= GARCIA, Claudia Amorim e COUTINHO, Luciana Gageiro. Os novos rumos do individualismo e o desamparo do sujeito contemporâneo. Psyche (Sao Paulo), jun. 2004, vol.8, no.13, p.125-140. ISSN 1415-1138.]</ref>
 
== O Anarquismo individualista ==
{{Artigo principal|Anarquismo individualista}}
O [[anarquismo individualista]] é a proposta de associação libertária que remonta aos escritos de [[Pierre-Joseph Proudhon]] e [[Max Stirner]], como forma de assegurar as necessidades individuais através de uniões livres de cidadãos.
214 200

edições