Diferenças entre edições de "Carta de Pero Vaz de Caminha"

422 bytes adicionados ,  02h30min de 14 de abril de 2020
m
Foram revertidas as edições de 177.51.157.122 para a última revisão de Mr. Fulano, de 02h29min de 14 de abril de 2020 (UTC)
(uma parte que nao tinha um contexto para o texto)
m (Foram revertidas as edições de 177.51.157.122 para a última revisão de Mr. Fulano, de 02h29min de 14 de abril de 2020 (UTC))
Etiqueta: Reversão
{{Mais notas|data=novembro de 2019}}
[[Ficheiro:Reading of the letter of Caminha.jpg|thumb|direita|[[Pero Vaz de Caminha]] lê para o comandante [[Pedro Álvares Cabral]], o Frei [[Henrique de Coimbra]] e o mestre João a carta que será enviada ao rei [[Manuel I de Portugal|D. Manuel I]].]]
A '''Carta de Pero Vaz de Caminha''' é o documento no qual [[Pero Vaz de Caminha]] registrou as suas impressões sobre a terra que posteriormente viria a ser chamada de [[Brasil]]. É o primeiro documento escrito da [[história do Brasil]]. Costuma ser erroneamente considerado o marco inicial da obra poética escrita no país, porém, para ser obra literária, precisaria ter características irreais, já que a Carta é um documento histórico que descreve a realidade do território vista aos olhos de um escrivão..
 
Escrivão da frota de [[Pedro Álvares Cabral]], Caminha enviou a carta para o rei [[Manuel I de Portugal|D. Manuel I]] (1469-1521) para comunicar-lhe o descobrimento das novas terras. Datada de [[Porto Seguro]] (no litoral da atual Bahia de acordo com [[Francisco Adolfo de Varnhagen]]), no dia [[1 de maio]] de [[1500]], foi levada a Portugal por [[Gaspar de Lemos]], comandante do navio de mantimentos da frota.
 
A carta conservou-se inédita por mais de dois séculos no [[Arquivo Nacional da Torre do Tombo]], em Lisboa. Foi descoberta, em [[1773]] por [[José de Seabra da Silva]] e publicada pelo historiador [[Manuel Aires de Casal]] na sua ''[[Corografia Brasílica]]'' ([[1817]]).
33 026

edições