Diferenças entre edições de "Courtney Love"

adicionei fontes
(corrigido referências invalidas)
(adicionei fontes)
Influenciado por no wave e noise rock, o primeiro álbum do Hole, ''[[Pretty on the Inside]]'', foi lançado em agosto de 1991 na gravadora Caroline Records, e foi produzido por [[Kim Gordon]], do [[Sonic Youth]], com a assistência de [[Don Fleming (músico)|Don Fleming]], da banda [[Gumball]]. O álbum recebeu críticas positivas <ref name="real">{{citar livro |titulo=Courtney Love: The Real Story |ultimo=Brite |primeiro=Poppie Z |ano=1998 |página=117 |editora=Touchstone |isbn=0-684-84800-7}}</ref> e foi nomeado um dos melhores álbuns do ano pela revista ''Spin''.<ref>{{citar periódico |jornal=SPIN |data=dezembro de 1991 |titulo=20 Best Albums of the Year |acessadoem= |língua=inglês |numero= |editora= |paginas=122 |autor=Spencer, Lauren}}</ref> Para promover o álbum, a banda fez uma turnê com [[Mudhoney]] e abriu shows nos Estados Unidos para [[Smashing Pumpkins]] em lugares como Whisky A Go Go e CBGB.
 
No fim de 1991, começou a namorar [[Kurt Cobain]] e engravidou. Em 1992, Hole gravou os singles ''Beautiful Son'' e ''Over the Edge'', um cover da banda [[Wipers]].
 
Hole gravou seu segundo álbum, ''[[Live Through This]]'', em outubro de 1993 em Atlanta, Georgia. A banda tinha novos membros: a baixista [[Kristen Pfaff]] e a baterista Patty Schemel. ''Live Through This'' foi lançado na gravadora DCG em abril de 1994, em um trágico momento: apenas quatro dias após Kurt Cobain ter sido encontrado morto. Em junho, Kristen Pfaff morreu de uma overdose de heroína.<ref name="vh1" /> Love então precisava de outra baixista, e [[Billy Corgan]] indicou uma amiga, a canadense [[Melissa Auf der Maur]], que se juntou à banda. Nos meses anteriores, Love era raramente vista em público, tendo passado maior parte do tempo em sua casa em Seattle, ou então visitando um templo budista de Nova York.
Courteney Love já praticou diversas religiões, incluindo catolicismo, episcopalismo e religiões da nova era, mas afirmou que a crença budista é a que tem sido o caminho mais transcendental pra ela. Ela pratica o [[daimoku]], mantra de sua religião, que é o [[Budismo de Nitiren]], desde [[1989]], mas não era uma praticante fiel no início, tendo enfrentado muitos problemas pessoais mesmo com a prática, ppis não estava desafiando seu carma negativo, como o budismo prega. Ela revela que só encontrou paz de espírito ao recitar este mantra, e que após entender seu carma, o que levou muitos anos, passou a dedicar-se verdadeiramente de corpo e alma ao budismo de nichiren, e conseguiu se libertar completamente de seus vícios e dificuldades emocionais e materiais ao praticar daimoku diariamente. Atualmente está participando ativamente de projetos culturais e de caridade budistas, fazendo parte da Soka Gakkai International, conhecida por [[BSGI]], que é uma organização cultural do budismo de Nichiren Daishonin.
 
Love é [[Partido Democrata (Estados Unidos)|democrata]].<ref>Love, Courtney. Interview with David Letterman promoting Celebrity Skin. CBS Broadcasting. 1999-05-20.</ref> Em 2000, ela deu um discurso em uma marcha organizada por mães para defender leis mais rígidas de controle de armas nos Estados Unidos, se referindo às leis do país como "bárbaras", e solicitando o registro rigoroso de armas, licenciamento e uma meticulosa avaliação dos registros de saúde legais e mentais de proprietários de armas, mencionando como exemplo a morte de seu marido, dizendo: "minha filha sente falta do pai. Eu sinto falta do meu amigo".
 
Love é conhecida por sua constante defesa dos [[direitos LGBT]],<ref>"1997 VH1 Fashion Awards". 1997-10-28. VH1. "I think that great personal style is being true to yourself and speaking your mind, which, since I'm up here, I'm going to do. I feel that keeping gay people in the closet with our attitudes and our actions is cruel, and it's tacky, and most of all, it's boring. I think that we really need to respect each other and ourselves, and respect who we are and what we are, and not be afraid to be what we are, whether we're gay, or straight, or insane [...] It's 1997, and respecting each other's sexuality is about the coolest thing I can think of."</ref><ref>{{cita web|url=http://www.grrlplanet.com/courtney-love-gay-marriage-butt-plug/|obra=Grrl Planet|título=Courtney Love supports you, in a kind of scary way|data=17 de Novembro de 2008|acessodata=18 de Janeiro de 2011|urlarchivo=https://web.archive.org/web/20110711131717/http://www.grrlplanet.com/courtney-love-gay-marriage-butt-plug/|arquivodata=11 de julho de 2011}}</ref> e é [[Feminismo|feminista]].<ref name="peoplevscourtney">{{cita web|url=http://www.salon.com/life/feature/2006/11/06/courtney_scrapbook/print.html|obra=Salon|título=The people vs. Courtney Love|autor=Levy, Lisa|fecha=6 de Novembro de 2006|acessodata=10 de Janeiro de 2011}}</ref><ref>{{cita libro|título=Third Wave Agenda: Being Feminist, Doing Feminism|autor=Heywood, Leslie; Drake, Jennifer|editorial=University of Minnesota Press}}</ref>
Love é conhecida por sua constante defesa dos direitos LGBT, e é feminista.
 
== Discografia ==
1 077

edições