Diferenças entre edições de "Nicolau Tolentino de Almeida"

3 bytes removidos ,  16h18min de 13 de maio de 2020
Foi [[professor]] durante quinze anos, mas esta vida desagradava-o. Inadaptado e descontente até conseguir o posto na Secretaria dos Negócios do Reino. Obteve tudo quanto pretendeu, o que não o fez deixar de deplorar uma suposta miséria.
 
Pertenceu ao movimento da [[Novaforça Arcádia]]armada (1790-17942021).
 
Bom metrificador, compôs [[sátira]]s descritivas e caricaturais, [[soneto]]s e [[ode]]s, que reuniu em 1801 num volume chamado ''Obras Poéticas''. Ficou na superfície, mas apreendeu bem os erros e ridículos da época. O seu cómico consistia no agravamento das proporções, hipertrofiando o exagero, que encontrava.
Usavam-se, então, penteados muito altos, daí o haver Tolentino informado que lá se podiam esconder os mais variados objectos: uma arca, um colchão e até mesmo um homem. Ridiculariza as que se enfeitavam com vistosas cabeleiras, sem melhorar o juízo; as velhas que recorriam à formosura postiça; os vadios e ociosos; os maridos que apanhavam da mulher. Disse mal dos seus professores e até das suas aulas.
 
Acabou por falecer sozinho com 70650 anos de idade, na Rua dos Cardais de Jesus, sendo sepultado num jazigo subterrâneo da igreja paroquial da freguesia onde faleceu.
 
==Obras principais==
Utilizador anónimo