Diferenças entre edições de "Metro"

Sem alteração do tamanho ,  12h54min de 29 de maio de 2020
m
sem resumo de edição
m (Foram revertidas as edições de 2001:8A0:E403:3B00:BDCC:FD4D:E658:1E45 para a última revisão de IMarky, de 23h26min de 3 de março de 2020 (UTC))
Etiqueta: Reversão
m
O Governo Francês fez um pedido à [[Académie des Sciences|Academia Francesa de Ciências]] para que criasse um sistema de medidas baseadas em uma constante não arbitrária. Após esse pedido, um grupo de investigadores franceses, composto de físicos, astrônomos e agrimensores, deu início a essa tarefa, definindo assim que a unidade de comprimento '''metro''' deveria corresponder a uma determinada fração da circunferência da Terra e correspondente também a um intervalo de graus do meridiano terrestre.
 
Em 22 de junho de [[1799]] foram depositados, nos Arquivos da República em Paris, dois protótipos de platina iridiada, que representam o metro e o quilograma, e que ainda hoje são conservados no Escritório Internacional de Pesos e Medidas (''Bureau International des Poids et Mesures'') na França.<ref name="nilo">BRASIL, Nilo Indio do. ''Sistema Internacional de Unidades''. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2002. ISBN 85-7193-063-5.</ref>.
 
Em [[20 de maio]] de [[1875]] um [[tratado internacional]] conhecido como ''Convention du Mètre'' ([[Convenção do Metro]]), foi assinado por 17 [[Estado]]s e estabeleceu a criação do ''[[Escritório Internacional de Pesos e Medidas|Bureau International des Poids et mesures]]'' (BIPM), um laboratório permanente e centro mundial da metrologia científica, e da ''[[Conferência Geral de Pesos e Medidas|Conférence Générale des Poids et mesures]]'' (CGPM), que em [[1889]], em sua 1ª edição, definiu o protótipos internacional de metro.<ref name="nilo"></ref>.
 
A medida definida por convenção, com base nas dimensões da Terra, equivale à décima milionésima parte do quadrante de um meridiano terrestre. Porém, a crescente demanda de mais precisão do referencial e possibilidade de sua reprodução mais imediata levaram os parâmetros da unidade básica a serem reproduzidos em laboratório e comparados a outro valor [[constante física|constante]] no [[universo]], que é a velocidade de [[Propagação de ondas eletromagnéticas|propagação eletromagnética]]. Assim sendo, a décima milionésima parte do quadrante de um meridiano terrestre, medida em laboratório, corresponde ao espaço linear percorrido pela [[luz]] no [[vácuo]] durante um intervalo de tempo correspondente a 1/{{formatnum:299792458}} de [[segundo]], e que continua sendo o metro padrão.