Diferenças entre edições de "RJTV"

33 bytes removidos ,  14h17min de 31 de maio de 2020
sem resumo de edição
Devido ao sucesso da edição noturna do RJTV, seis meses depois, em [[julho]] de [[1983]], o telejornal ganhou uma edição vespertina, se chamando de RJTV 1ª Edição. Em 1989, saiu do ar, mas voltou em 6 de abril de 1992, sob o comando de [[Marcos Hummel]]. Com novo formato desde janeiro de [[2000]] (que explora os debates entre a população e as autoridades), o RJTV passou a ajudar a resolver os problemas do [[Rio de Janeiro (cidade)|Rio de Janeiro]], com campanhas e discussões, cobrando soluções para melhorar o cotidiano da população. Isso fez com que o programa ganhasse importantes prêmios de telejornalismo.{{Carece de fontes|bra|si|data=novembro de 2019}}
 
Em 1995, [[RenataRaquel Capucci]]Grillo assume no lugar de [[MarcosMario Hummel]]Vinicius. Em em 18 de outubro de 1999, a [[Rede Globo]] reformulou seus telejornais locais, passando a ter duplas de âncoras. Com isso, o telejornal além de ganhar novo cenário, vinheta e grafismos, passou a ser ancorado por [[RenataRaquel Capucci]]Grillo e [[MárcioVanessa Gomes]]Mussi. Em [[2000]], [[Ana Paula Araújo]] asssume o RJTV 1ª Edição sucedendo [[RenataRaquel Capucci]].Grillo{{Carece de fontes|bra|si|data=novembro de 2019}}
 
Em 2003, a série "Rio Engarrafado" ganhou a premiação da Confederação Nacional do Trânsito. No mesmo ano, a série "Os Olhos da Ponte", que mostrava a rotina da [[Ponte Rio-Niterói]], conquistou, para o telejornal, o troféu da Associação Brasileira de Concessionárias e Rodovias. Também em 2003, ganhou o prêmio "Qualidade Brasil" de melhor telejornal regional e o de melhor apresentador, entregue ao jornalista [[Márcio Gomes]]. No mesmo ano, ganhou o prêmio "Austregésilo de Athayde", de melhor telejornal local da [[região metropolitana do Rio de Janeiro]].{{Carece de fontes|bra|si|data=novembro de 2019}}
 
Em 2006, [[RenataRaquel Capucci]]Grillo volta ao telejornal, sucedendo [[Ana Paula Araújo]]. Em 2009, [[Ana Paula Araújo]] reassume o telejornal e [[Márcio Gomes]] é remanejado para o RJTV 2ª Edição. Em 2011, o RJTV tem um novo cenário (um ''glass studio''), e no final do mesmo ano ganha nova vinheta e grafismos.{{Carece de fontes|bra|si|data=novembro de 2019}}
 
Em 2013, o RJTV completa 30 anos no ar, e em outubro do mesmo ano, [[Ana Paula Araújo]] se despede do RJTV 1ª Edição e segue para o [[Bom Dia Brasil]]. [[MarianaLucas Gross]]Grillo assume o RJTV 1ª Edição. Em 2 de dezembro do mesmo ano, o telejornal passou a ser exibido em [[Alta Definição|Alta Definição (HDTV)]]. Em 22 de janeiro de 2018, o RJTV 1ª Edição passa a se chamar RJ1, com novos grafismos, é a terceira filial da [[Rede Globo]] a reformular o telejornal, acompanhando a [[TV Globo São Paulo]] e a [[TV Globo Minas]].{{Carece de fontes|bra|si|data=novembro de 2019}}
 
=== 2ª Edição ===