Diferenças entre edições de "Henrique I da Germânia"

3 277 bytes adicionados ,  02h53min de 17 de junho de 2020
sem resumo de edição
m
Etiqueta: Inserção de predefinição obsoleta
{{Sem-notas|data=novembro de 2017}}
{{Info/Nobre
| imagem = Die deutschen Kaiser Heinrich I.jpg
| nome = Henrique I
| título = [[Lista_de_monarcas_da_Alemanha#Reino_da_Germ.C3.A2nia_.28919-1806.29|Rei dos Germanos]]
| reinado = 912-936912—936
| esposa = Hatheburg
| predecessor = [[Conrado I da Germânia|Conrado I]]
| mãe = Hedwiga
}}
'''Henrique I da Germânia, o Passarinheiro''' ({{lang-de|''Heinrich der Finkler''}} ou ''Heinrich der Vogler'', {{lang-la|''Henricius Auceps''}}; {{dni|lang=br|||876|si}} — [[Quedlimburgo]], [[Memleben]], [[Sachsen]], {{morte|lang=br|2|7|936}}) foi [[duque da Saxônia]] a partir de 912 e [[Lista de monarcas da Alemanha|rei]] dos [[germanos]] de 919 até a sua morte, em 936. PrimeiroComo o primeiro monarca não [[Francos|franco]] da [[Frância Oriental]], ele estabeleceu a [[dinastia otoniana]] de reis e [[Imperador Romano-Germânico|imperadores]] germanos,e ele é geralmente considerado o fundador edo primeiro[[Reino reida doGermânia|Estado impériomedieval alemão]]. medieval,Um até então conhecido comoávido [[Frância OrientalCaça|caçador]]., Recebeuele oganhou epítetoa alcunha de "passarinheiroo Passarinheiro" porquepois teriasupostamente recebidoele aestava notíciaconsertando dasuas suaredes ascensãode aoobservação tronode nopássaros momentoquando emos que[[Contínuo|mensageiros]] consertavachegaram aspara suasinformá-lo redesque deele apanharseria pássarosrei.<ref Sucedeuname="thoughtco">{{citar web|URL=https://www.thoughtco.com/henry-lhei-of-germany-1788988|título=Henry noI tronoof seuGermany: filhoHenry [[Otãothe IFowler|publicado=ThoughtCo.com|acessodata=16 dode Sacrojunho Império Romano-Germânico]].de 2020}}</ref>
 
Ele nasceu na linhagem de [[Dinastia otoniana|Liudolfing]] de duques saxões. Seu pai, [[Otão I da Saxônia]], faleceu em 912 e Henrique logo o sucedeu. Como novo duque, ele lançou uma rebelião contra o rei da Frância Oriental, [[Conrado I da Germânia]], sobre os direitos sobre as terras do Ducado de [[Turíngia]]. Os dois se reconciliaram em 915 e em seu leito de morte, em 918, Conrado recomendou Henrique para sucede-lo como rei, considerando-o como o único que seria capaz de manter o reino unido em face de divisões internas e agressões externas, como de tribos [[magiares]].<ref name="thoughtco" />
 
Henrique foi eleito e coroado [[Lista de monarcas da Alemanha|rei]] da [[Reino da Germânia|Germânia]] em 919. Ele então derrotou duques rebeldes da [[Arnulfo, Duque da Baviera|Baviera]] e [[Burcardo II da Suábia|Suábia]], consolidando seu governo. Através da guerra e de um casamento dinástico, Henrique adquiriu a [[Reino da Lotaríngia|Lotaríngia]] como [[vassalo]] em 925. Ao contrário dos seus predecessores [[Dinastia carolíngia|carolíngios]], Henrique não buscou criar uma monarquia centralizada, governando através de um sistema federado de [[Ducado raiz|ducados tribais]] autônomos. O rei construiu um sistema de [[Fortaleza (arquitetura militar)|fortificações]] pelo império e formou uma tropa de [[cavalaria pesada]] para combater as incursões [[magiares]] em 933, mais decisivamente na Batalha de Merseburgo, encerrando os ataques húngaras após 21 anos e fomentando, no processo, o senso de nação na Alemanha. Henrique buscou sedimentar a hegemonia alemã na Europa ao derrotar os eslavos em 929 na Batalha de Lenzen, nas margens do [[Rio Elba]], e depois submetendo [[Venceslau I]] ao invadir o [[Ducado da Boêmia]], no mesmo ano, e depois conquistou os reinos [[dinamarqueses]] na região de [[Ducado de Schleswig|Schleswig]], em 934. O status hegemônico de Henrique ao norte dos alpes foi reconhecido pelos reis [[Raul de França|Raul de Frância Ocidental]] e [[Rodolfo II da Borgonha]], com os dois aceitando uma condição de subordinação como aliados em 935. Henrique planejou uma expedição contra [[Roma]] para ser coroado imperador pelo [[papa]], mas ele faleceu antes de começar o planejamento. Em vida, Henrique evitou o colapso da autoridade real, como havia acontecido na [[Frância Ocidental]], e deixou um reino poderoso para seu sucessor, [[Otão I do Sacro Império Romano-Germânico|Otão I]]. Ele foi sepultado na [[Abadia de Quedlimburgo]], que tinha sido estabelecida por sua esposa, [[Matilde de Ringelheim|Matilde]], em sua honra.<ref>{{cite book |chapter=Germany: Henry I and Otto the Great |first=Austen Lane |last=Poole |page=179-203|editor-last1=Gwatkin |editor-first1=H. M. |editor-last2=Whitney |editor-first2=J. P. |editor-last3=Tanner |editor-first3=J.R. |editor-last4=Previte-Orton |editor-first4=C.W. |title=The Cambridge Medieval History |volume=III |publisher=Cambridge University Press |year=1926 }}</ref>
 
== Relações familiares ==
*Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira - 50 vols. Vários, Editorial Enciclopédia, Lisboa, vol. 13-página 65.
{{Refend}}
 
{{referências}}
 
{{Monarcas germânicos}}
{{esboço-rei}}