Pizzagate: diferenças entre revisões

256 bytes adicionados ,  19 de junho de 2020
m
ajustes de referencias
m (ajustes de referencias)
m (ajustes de referencias)
Em 30 de outubro de 2016, uma conta no Twitter ligada a supremacistas brancos espalhou que a polícia de Nova York teria descoberto uma rede de pedolofia mantida por membros do Partido Democrata. Nos dias seguintes, a versão se espalhou por sites de notícias falsas, muitos ligados ao então candidato e opositor de Hillary, Donald Trump.<ref name="Superinteressante">{{Citar jornal|url=https://super.abril.com.br/mundo-estranho/pizzagate-o-escandalo-de-fake-news-que-abalou-a-campanha-de-hillary/|titulo= "Pizzagate: o escândalo de fake news que abalou a campanha de Hillary"}}</ref>
=== Difusão em redes sociais ===
Dias antes da eleições presidenciais, sites de notícias falsas davam grande destaque à suposta descoberta. A notícia também se espalhou pelo Reddit e outros portais. Personalidades como o jogador de basquete Andrew Bogut<ref name="USA Today">{{Citar jornal|url=https://www.usatoday.com/story/sports/ftw/2016/12/07/andrew-bogut-believed-the-pizzagate-fake-news-story-which-makes-us-really-sad/95086624/|titulo= "Andrew Bogut pushed the Pizzagate conspiracy"|idioma= EN}}</ref> e o criador de Minecraft Markus Persson<ref name="Portal BOL">{{Citar jornal|url=https://www.bol.uol.com.br/noticias/2017/08/31/criador-de-minecraft-defende-teorias-da-conspiracao-malucas-no-twitter.htm|titulo= "Criador de "Minecraft" defende teorias da conspiração malucas no Twitter"}}</ref> estão entre as pessoas que compartilharam a teoria da conspiração. Análises indicavam que uma quantidade desproporcional de twits partiam de países com República Checa, Chipre e Vietnã, além da participação de bots.<ref name="Superinteressante">{{Citar jornal|url=https://super.abril.com.br/mundo-estranho/pizzagate-o-escandalo-de-fake-news-que-abalou-a-campanha-de-hillary/|titulo= "Pizzagate: o escândalo de fake news que abalou a campanha de Hillary"}}</ref>
=== Repercussão na imprensa turca ===
A impressa pró-governo da Turquia repercutiu a teoria da conspiração retirando as informações diretamente das redes sociais. Analistas escreveram que os boatos foram impulsionados internamente como meio de desviar a atenção das acusações de abuso infantil ocorrido naquele mesmo ano no país.