Diferenças entre edições de "Antônio João de Orléans e Bragança"

Remove fonte falseada e o respectivo trecho que supostamente fundamentava. O documento citado não faz qualquer referência ao assunto.
m (Remove menção à inexistente, e mesmo de jure, disputada, linha sucessória ao extinto trono brasileiro. Outras pequenas correções. Desde 1891 no existem títulos nobiliárquicos e direitos dinásticos no direito brasileiro.)
(Remove fonte falseada e o respectivo trecho que supostamente fundamentava. O documento citado não faz qualquer referência ao assunto.)
É o sétimo filho e sexto varão de [[Pedro Henrique de Orléans e Bragança]] (1909-1981), [[chefe da Casa Imperial do Brasil]], e de [[Maria Isabel da Baviera]] (1914–2011). Seus padrinhos foram o arquiduque Jorge da Áustria (1905–1952) e a tia materna, princesa Eleonora da Baviera (1918–2009). Antônio João é bisneto da princesa [[Isabel do Brasil|Isabel]], a última princesa imperial do Brasil, e do príncipe da casa imperial consorte [[Gastão de Orléans, conde d'Eu|Gastão de Orléans, Conde d'Eu]], e trineto do imperador [[Pedro II do Brasil]] e de [[Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias|Teresa Cristina das Duas Sicílias]],
 
É herdeiro imediato dos direitos dos irmãos [[Bertrand de Orléans e Bragança]] e [[Luís Gastão de Orléans e Bragança]], atual postulante à chefia da casa imperial brasileira. É também o trigésimo quinto na [[Linha de sucessão ao trono francês (orleanista)|linha de sucessão ao trono francês]], pela declaração de Bruxelas, que recolocou os descendentes do [[Gastão de Orléans, Conde d'Eu|Conde d'Eu]] na linha sucessória do trono francês, dando-lhes o título de Príncipe de Orléans e Bragança<ref>{{Citar periódico|ultimo=Aebischer|primeiro=Paul|data=1954-12-30|titulo=Le <em>Calix</em> de Frontin et sa descendance espagnole|url=http://dx.doi.org/10.3989/rfe.1954.v38.i1/4.1086|jornal=Revista de Filología Española|volume=38|numero=1/4|paginas=240–246|doi=10.3989/rfe.1954.v38.i1/4.1086|issn=1988-8538}}</ref>.
 
== Formação ==