Diferenças entre edições de "História da escravidão"

→‎Alemanha: mais dados, acertos
(→‎Alemanha: mais dados, acertos)
[[Ficheiro:Bundesarchiv_Bild_183-E10855,_Polen,_Juden_zur_Zwangsarbeit_befohlen.jpg|ligação=https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Bundesarchiv_Bild_183-E10855,_Polen,_Juden_zur_Zwangsarbeit_befohlen.jpg|miniaturadaimagem|[[História dos judeus na Polônia|Judeus poloneses]] são enfileirados por soldados alemães para fazer trabalho forçado, setembro de 1939, [[Ocupação da Polónia (1939-1945)|Polônia ocupada pelos nazistas]]]]
[[Ficheiro:Bundesarchiv_Bild_101I-185-0112-12,_Belgrad,_Erfassung_von_Juden.jpg|ligação=https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Bundesarchiv_Bild_101I-185-0112-12,_Belgrad,_Erfassung_von_Juden.jpg|miniaturadaimagem|Registro de [[judeus]] pelos nazistas para trabalho forçado, 1941]]
Durante a [[Segunda Guerra Mundial|Segunda Guerra Mundial,]] a [[Alemanha Nazista]] operou várias categorias de ''[[ Arbeitslager|Arbeitslager]]'' (Campos de Trabalho) para diferentes categorias de reclusos. O maior número deles deteve civis [[Polacos|poloneses]] e [[judeus]] sequestrados à força nos países ocupados (ver [[Łapanka]]) para fornecer trabalho na indústria de guerra alemã, reparar ferrovias e pontes bombardeadas ou trabalhar em fazendas agrícolas. Em 1944, 20% de todos os trabalhadores eram estrangeiros, seja civis ou [[Prisioneiro de guerra|prisioneiros de guerra]].<ref>{{Citar periódico|ultimo=Herbert|primeiro=Ulrich|data=2000|ano=2000|titulo=Forced Laborers in the Third Reich: An Overview (Part One)|url=http://www.nathaninc.com/sites/default/files/Pub%20PDFs/Forced%20Labor%20Under%20the%20Third%20Reich,%20Part%20One.pdf|jornal=International Labor and Working-Class History|volume=58|doi=10.1017/S0147547900003677|arquivourl=https://web.archive.org/web/20130509054212/http://www.nathaninc.com/sites/default/files/Pub%20PDFs/Forced%20Labor%20Under%20the%20Third%20Reich,%20Part%20One.pdf|arquivodata=9 de maio de 2013|acessodata=}} (offprint)</ref><ref>[http://avalon.law.yale.edu/imt/chap_10.asp Yale Law School Avalon Project] retrieved 8 January 2011</ref><ref>{{Citar enciclopédia|url=https://www.jewishvirtuallibrary.org/jsource/Holocaust/germancos.html|enciclopédia=[[Jewish Virtual Library]]}}</ref><ref>[http://www.ushmm.org/wlc/en/article.php?ModuleId=10005180 United States Holocaust Museum] retrieved 8 January 2011</ref>
 
Isso não é classificado como escravidão propriamente dita, conforme definida no primeiro parágrafo, ou seja, a escravidão sob esta definição não inclui outros sistemas de trabalho forçado, como trabalho forçado histórico de prisioneiros, campos de trabalho ou outras formas de [[Trabalho escravo contemporâneo|trabalho não livre]], nas quais os trabalhadores não são legalmente considerados propriedade. A escravidão normalmente requer uma escassez de mão de obra e um excesso de terra para ser viável.
 
O uso do trabalho forçado na Alemanha Nazista e em toda a Europa ocupada pelos alemães, durante a [[Segunda Guerra Mundial]], ocorreu numa escala sem precedentes.<ref>Ulrich Herbert, ''Hitler's Foreign Workers: Enforced Foreign Labour in Germany under the Third Reich'' (1997)</ref> Foi uma parte vital da exploração econômica alemã dos territórios conquistados e contribuiu para o extermínio em massa de populações na Europa ocupada pelos nazis.<ref name=BeyerSchneider>{{citar livro|autor =John C. Beyer |autor2 =Stephen A. Schneider |título=Forced Labour under Third Reich |publicado=Nathan Associates }} [http://www.nathaninc.com/sites/default/files/Pub%20PDFs/Forced%20Labor%20Under%20the%20Third%20Reich%2C%20Part%20One.pdf Part1] {{Webarchive|url=https://web.archive.org/web/20150824092603/http://www.nathaninc.com/sites/default/files/Pub%20PDFs/Forced%20Labor%20Under%20the%20Third%20Reich,%20Part%20One.pdf |date=2015-08-24 }} and [http://www.nathaninc.com/sites/default/files/Pub%20PDFs/Forced%20Labor%20Under%20the%20Third%20Reich%2C%20Part%20Two.pdf Part 2] {{Webarchive|url=https://web.archive.org/web/20170403025028/http://www.nathaninc.com/sites/default/files/Pub%20PDFs/Forced%20Labor%20Under%20the%20Third%20Reich%2C%20Part%20Two.pdf |date=2017-04-03 }}.</ref> Muitos trabalhadores morreram como resultado de suas condições de vida - excesso de trrabalho, maus tratos, desnutrição e tortura<ref name="Łuczak">{{citar livro|url=https://books.google.com/books?id=Y5M8AAAAIAAJ&q=Ziemie+wcielone+%C5%82%C4%85cznie |título=Polityka ludnościowa i ekonomiczna hitlerowskich Niemiec w okupowanej Polsce |publicado=Wydawnictwo Poznańskie |local-publicação=Poznań |ano=1979 |acessodata=11 de outubro de 2013 |autor =[[Czesław Łuczak]] |páginas=136– |títulotrad=Civilian and economic policy of Nazi Germany in occupied Poland |isbn=832100010X |citação=''Also in:'' [http://www.polishresistance-ak.org/30%20Artykul.htm Eksploatacja ekonomiczna ziem polskich] (Economic exploitation of Poland's territory) by Dr. Andrzej Chmielarz, ''Polish Resistance in WW2'', Eseje-Artykuły.}}</ref> foram as principais causas de morte. Eles se tornaram-se também vítimas civis de bombardeamentos. Contando as mortes e a rotatividade, cerca de 15 milhões de homens e mulheres foram forçados a trabalhar num qualquer local durante a guerra.<ref>Panikos Panayi, "Exploitation, Criminality, Resistance. The Everyday Life of Foreign Workers and Prisoners of War in the German Town of Osnabrück, 1939–49," ''Journal of Contemporary History'' Vol. 40, No. 3 (Jul., 2005), pp. 483–502 [https://www.jstor.org/stable/30036339 in JSTOR]</ref> A derrota da Alemanha nazista em 1945 libertou aproximadamente 11 milhões de estrangeiros , a maioria dos quais eram trabalhadores forçados e prisioneiros de guerra. Em tempos de guerra, as forças alemãs haviam trazido para o Reich 6,5 milhões de civis, além de prisioneiros de guerra soviéticos para trabalho forçado nas fábricas.<ref name=BeyerSchneider /> Ao todo, no fim da guerra, 5,2 milhões de trabalhadores estrangeiros e prisioneiros de guerra foram repatriados para a União Soviética, 1,6 milhão para a Polônia, 1,5 milhão para a França e 900.000 para a Itália, além de 300.000 a 400.000 cada para a Iugoslávia, Tchecoslováquia, Holanda, Hungria e Bélgica.<ref>William I. Hitchcock, ''The Bitter Road to Freedom: The Human Cost of Allied Victory in World War II Europe'' (2008), pp 250–56</ref>
==== Poderes Aliados ====
{{VT|Trabalho forçado dos alemães após a Segunda Guerra Mundial|l1=}}
2 815

edições