Diferenças entre edições de "Escravismo e Islã"

m
erro emendado
(4.0 parafgrafo)
Etiquetas: Editor Visual Inserção do elemento "nowiki", possivelmente errônea
m (erro emendado)
[[Imagem:Slaves Zadib Yemen 13th century BNF Paris.jpg|miniatura|250px|direita| Mercado de escravos árabe no I̟émen (gravura do século XIII)]] A '''escravatura no mundo muçulmano''' desenvolveu-se a partir das práticas esclavagistas da Arábia pré-islâmica <ref>{{Citar web|titulo=Internet History Sourcebooks Project|url=https://sourcebooks.fordham.edu/med/lewis1.asp|obra=sourcebooks.fordham.edu|acessodata=2020-06-25}}</ref>, e foi por vezes radicalmente diferente, dependendo de factores sócio-políticos, tais como o comércio árabe de escravos.
 
Ao longo da história islâmica, os escravos desempenharam vários papéis sociais e económicos, desde poderosos [[emir|emires]]<nowiki/>es a trabalhadores manuais duramente tratados. No início da história muçulmana foram utilizados na agricultura, mas este modo foi abandonado após o tratamento cruel levar a revoltas destrutivas de escravos, sendo a mais notável a [[Rebelião Zanje|Rebelião Zanj]] de 869-883<ref>{{citar livro|título=Islam and the Abolition of Slavery|ultimo=Clarence-Smith|primeiro=William G.|editora=Hurst & Company|ano=2006|local=|página=|páginas=2-5}}</ref>.
 
Os escravos eram amplamente empregados na irrigação, mineração e criação de animais, mas os usos mais comuns eram como soldados, guardas, trabalhadores domésticos, e concubinas. Muitos governadores dependiam de escravos militares, frequentemente em enormes exércitos permanentes, e escravos na administração a tal ponto que os escravos se encontravam por vezes em posição de tomar o poder.
2 800

edições