Diferenças entre edições de "Maria Quitéria"

NINGUÉM (decente) chama por esses nomes inseridos... Removendo vandalismo.
(NINGUÉM (decente) chama por esses nomes inseridos... Removendo vandalismo.)
|ocupação = [[militar]]
}}
'''Maria Quitéria de Jesus''' (''também conhecida como '''Dona Maria de Jesus''' ou '''Maria Quitéria de Jesus Medeiros'''''{{Nota de rodapé|'''Medeiros''', como erroneamente colocam em seu nome, era o sobrenome de seu cunhado que ela adotara como disfarce para se alistar nas tropas. Seus pais foram: Gonçalo Alves de Almeida e Quitéria Maria de Jesus, não havendo ali nada que justifique o sobrenome.<ref name=bahia>{{citar livro|título=História da Bahia |autor=Luís Henrique Dias Tavares |editora=Unesp/Edufba |ano=2001 |páginas=542 |isbn=8523202390 }}</ref>}}) ([[Feira de Santana]], [[1792]]<ref name=":7">{{citar livro|título=Maria Quitéria|ultimo=REIS JÚNIOR|primeiro=Pereira|editora=Ministério da Educação e Cultura|ano=1953|local=Rio de Janeiro|página=66|páginas=}}</ref> ([[Salvador (Bahia)|Salvador]], [[21 de agosto]] de [[1853]]) foi uma combatente [[Bahia|baiana]] da [[Guerra da independência do Brasil|Guerra da Independência do Brasil]]. Desde 1996, é a [[Patrono|patrona]] do [[Quadro Complementar de Oficiais]] do [[Exército Brasileiro]]<ref>[http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/DNN/Anterior%20a%202000/1996/Dnn4174.htm Presidência da República do Brasil decreta ''Maria Quitéria de Jesus patronesse do Quadro Complementar de Oficiais do Exército Brasileiro''.] Presidência da República; Casa Civil; Subchefia para Assuntos Jurídicos. Acesso em 15/02/2010.</ref> e, desde 2018, integra o ''Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria.<ref name=":3" />''
 
Em 1821, fugiu da fazenda em que morava com a família e, sob a identidade masculina, alistou-se no Batalhão de Voluntários do Príncipe, também conhecido como [[Batalhão dos Periquitos]], que estava estacionado na Vila de Cachoeira.<ref name=":8">{{citar livro|título=Journal of a Voyage to Brazil and residence there during parts of the years 1821, 1822, 1823|ultimo=GRAHAM|primeiro=Maria|editora=Longman, Hurst, Rees, Orme, Brown and Green; J. Murray|ano=1824|local=Londres|página=302|páginas=}}</ref> Atuou no [[Artilharia|regimento de artilharia]] e foi alçada a 1ª cadete pelo general [[Pedro Labatut]].<ref>{{citar periódico|ultimo=|primeiro=|data=30 de agosto de 1823|titulo=Bahia|url=http://bndigital.bn.br/acervo-digital/imperio-brasil-diario-governo/706752|jornal=Diario do Governo|acessodata=27 de março de 2020.}}</ref> Após a guerra, foi condecorada com a [[Imperial Ordem do Cruzeiro]] pelo imperador [[Dom Pedro I|Pedro I do Brasil]], que também lhe concedeu um soldo vitalício de [[alferes]].<ref>{{citar livro|título=Maria Quitéria|ultimo=REIS JÚNIOR|primeiro=Pereira|editora=Ministério de Educação e Cultura|ano=1953|local=Rio de Janeiro|página=|páginas=56-57}}</ref>