Diferenças entre edições de "Independência de Portugal"

m (Foram revertidas as edições de 161.230.52.212 para a última revisão de RodsTR, de 21h41min de 6 de junho de 2020 (UTC))
Etiqueta: Reversão
Deste condado, nasceria o [[reino de Portugal]]. D. Henrique governou no sentido de conseguir uma completa autonomia para o seu condado e deixou uma terra portucalense muito mais livre do que aquela que recebera.<ref name=":0" /> Aquando a morte de D. Henrique ([[1112]]), sucede-lhe a viúva deste, D. Teresa, no governo do condado durante a menoridade do seu filho [[Afonso I de Portugal|Afonso Henriques de Borgonha]]. Inicialmente, o pensamento de D. Teresa foi idêntico ao do seu marido: fortalecer a vida portucalense, conseguir a independência para o condado. D. Teresa começou ([[1121]]) a intitular-se [[rainha]], mas os muitos conflitos [[diplomacia|diplomáticos]] e a influência que concedeu a alguns nobres galegos (principalmente a [[Fernão Peres]]) na gerência dos negócios públicos prejudicou o seu esforço de tal maneira a que D. Teresa foi obrigada a abdicar das suas pretensões e mudar de [[política]].<ref name=":1">{{citar livro|título=História de Portugal|ultimo=Saraiva|primeiro=José|editora=Publicações Europa-América|ano=1993|local=Mem Martins|páginas=|acessodata=}}</ref>
 
Aos dezasseisdezesseis anos de idade ([[1125]]), o jovem Afonso Henriques, com o apoio da nobreza portuguesa da época, arma-se a si próprio [[cavaleiro]] – segundo o costume dos reis – tornando-se assim guerreiro independente. A posição de favoritismo em relação aos nobres galegos e a indiferença para com os fidalgos e eclesiásticos portucalenses por parte de sua mãe, D. Teresa, originou a revolta destes, sob chefia do seu filho, D. Afonso Henriques.<ref name=":1" />
 
A luta entre D. Afonso Henriques e sua mãe desenrola-se, até que a [[24 de Junho]] de [[1128]] se trava a [[batalha de São Mamede]] (em [[Guimarães]]) e D. Teresa é expulsa da terra que dirigira durante 15 anos. Uma vez vencida, D. Afonso Henriques toma conta do condado, declarando-o reino independente, dado que ele era neto de Afonso VI, Imperador de toda a Hispânia, passando a assinar todos os documentos oficiais não como [[conde]], mas sim como [[rei]].
Utilizador anónimo