Diferenças entre edições de "Política do Bahrein"

197 bytes adicionados ,  20h34min de 6 de julho de 2020
m
Foram revertidas as edições de 45.184.141.191 para a última revisão de Stego, de 00h24min de 25 de junho de 2019 (UTC)
(Correção de erro.)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
m (Foram revertidas as edições de 45.184.141.191 para a última revisão de Stego, de 00h24min de 25 de junho de 2019 (UTC))
Etiqueta: Reversão
 
[[Imagem:Coat of arms of Bahrain.svg|250px|right|thumb|Brasão de armas do Bahrein.]]
<!--{{Política do Bahrein}} está toda vermelha-->
O [[Bahrein]] é uma [[monarquia]] presidencialabsolutista com um [[primeiro-ministro]] e um gabinete integralmente apontados pelo Monarca.
 
O actual primeiro-ministro (que se mantém no cargo desde [[1971]]), bem como a totalidade do seu gabinete, são da família real.
 
Este estado tem órgãos bicamerais compostos por um ''conselho consultivo'' (quarenta membros apontados pelo monarca) e um ''''conselho'''' ''dos representantes'' (quarenta deputados eleitos que têm uma legislatura de quatro anos), na teoria estes dois ''conselhos'' dever-se-iam equilibrar um ao outro, mas na prática o primeiro tem completa ascendência sobre o segundo e o ''''conselho'''' ''dos representantes'' tem apenas poderes limitados de propor legislação sendo que esta na sua grande maioria é chumbada pelo ''''conselho'''' ''consultivo'', gerando algumas tensões entre a maioria da população que se opõe à monarquia governante e a minoria que a apoia.
 
A religião da maioria é muçulmana, professada nas variantes ''[[xiita]]'' e ''[[sunita]]''. A maior parte da população é composta por árabes sunitas, que constituem a classe dominante ligada à dinastia que governa o país, enquanto que os ''xiitas'' em geral descendem da população persa que ocupou a ilha no passado.
Essas tensões levaram a algumas revoltas, violentamente reprimidas pelos monarcas, por parte dos ''[[xiita]]s'' que são quase metade da população deste pequeno [[sultanato]], que é governado por uma dinastia ''[[sunita]]''.
 
Este facto demonstra-se na actual representação parlamentar do ''concelho dos representantes'' que se realizou em Fevereiro de [[2007]], emmesmo umcom todas as restrições democráticas que os partidos da oposição detêm num país governado por uma [[monarquia presidencialabsolutista]], a oposição (composta pelos dezassete que compõem a bancada ''[[xiita]]'' representadas pelo partido ''al Wifaq'' oposicionista tradicional e mais um aliado independente ''[[sunita]]'') têm dezoito representantes e a casa governante só pode contar com apenas sete representantes (os quatro ''[[sunita]]s'' do partido ''al Mustaqbal'' que é moderado e pró monarquia e os três independentes ''[[sunita]]s'').
 
Os restantes divididos entre oito representantes do partido ''al Asala'' (''[[sunita]]s'' [[salafismo| salafitas]] ou seja tradicionalistas) e os sete do partido ''al Minbar'' (que é o ramo no Bahrein da [[Irmandade Muçulmana]]) embora não demonstrando oposição à casa reinante também não demonstram apoio, prosseguindo agendas próprias, os primeiros são críticos da abertura ao ocidente e das corrupções sociais promovidas pelos ocidentais bem como se opõem a quaisquer negócios e alianças comerciais com estes e os segundos promovem a sua agenda muito própria que não podemos considerar próxima das politicas pró-ocidentais dos governantes do [[Bahrein]].