Diferenças entre edições de "Palácio da Alvorada"

3 bytes removidos ,  13h14min de 10 de julho de 2020
m
Desfeita(s) uma ou mais edições de 151.21.87.67, com Reversão e avisos
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 151.21.87.67, com Reversão e avisos)
 
}}
Em 2017, o ex-presidente [[Michel Temer]] fez uma reforma no palácio que custou 24.015,68 reais e incluiu a instalação de uma tela de proteção no segundo andar, pinturas e a renovação de armários. Segundo um interlocutor do IPHAN, a tela não fere o tombamento do prédio. O filho de Temer com [[Marcela Temer|Marcela]] foi a primeira criança a morar no local desde o governo [[João Goulart]], de 1961 a 1964. No entanto, apenas sete dias (de 17 a 24 de fevereiro) depois de morar no Palácio da Alvorada, Temer desistiu da [[residência oficial]] e retornou ao [[Palácio do Jaburu]], onde já estava desde 2011, quando assumiu a vice-presidência da República. Desde que se mudou para o Alvorada, o presidente mostrava incômodo com o novo endereço. O argumento para a demora da mudança foi o mesmo que motivou a desistência de ficar no novo palácio: o Alvorada era "grande demais" e não tinha "cara de casa".<ref>{{citar web |url=http://oglobo.globo.com/brasil/michel-temer-desiste-de-morar-no-palacio-da-alvorada-20996351 |titulo=Michel Temer desiste de morar no Palácio da Alvorada |publicado=[[O Globo]] |data=1 de março de 2017 |acessodata=23 de março de 2017}}</ref>
 
== Arquitetura ==
19 937

edições