Diferenças entre edições de "Origem da água na Terra"

114 bytes removidos ,  13h10min de 12 de julho de 2020
fixes
(Desfeita a edição 58696461 de 2804:D47:6518:9D00:11F0:EDA3:8B71:AFD7)
Etiqueta: Desfazer
(fixes)
As moléculas de água teriam escapado mais facilmente da gravidade da Terra quando ela era menos [[massa]] durante sua formação. Espera-se que o hidrogênio e o hélio vazem continuamente da atmosfera, mas a falta de gases mais densos na atmosfera moderna sugere que algo desastroso aconteceu na atmosfera primitiva.
 
Teoriza-se que parte do planeta jovem tenha sido interrompida pelo impacto da [gigante hipótese de impacto que criou a Lua], que deveria ter causado o derretimento de uma ou duas grandes áreas. A composição atual não corresponde à fusão completa e é difícil derreter completamente e misturar grandes massas rochosas.<ref>{{cite web|url=http://solarsystem.nasa.gov/scitech/display.cfm?ST_ID=446 |title=Solar System Exploration: Science & Technology: Science Features: View Feature |publisher=Solarsystem.nasa.gov |date=2004-04-26 |accessdate=2009-08-20}}</ref>
 
No entanto, uma boa fração do material deveria ter sido vaporizada por esse impacto, criando uma atmosfera de vapor de rocha ao redor do jovem planeta. O vapor de rocha teria condensado dentro de dois mil anos, deixando para trás voláteis quentes que provavelmente resultaram em uma atmosfera pesada de dióxido de carbono com hidrogênio e vapor de água. Os oceanos de água líquida existiam apesar da temperatura da superfície de 230 ° C por causa da pressão atmosférica da atmosfera pesada de CO 2. À medida que o resfriamento continuava, a dissolução na água do oceano removeu a maior parte do CO 2 da atmosfera, mas os níveis oscilavam descontroladamente à medida que apareciam novas superfícies e ciclos de manto.<ref>{{cite web|author=N. H. Sleep*,†, K. Zahnle‡, and P. S. Neuhoff§ |url=http://www.pnas.org/cgi/content/full/98/7/3666 |title=Inaugural Article: Initiation of clement surface conditions on the earliest Earth - Sleep et al. 98 (7): 3666 - Proceedings of the National Academy of Sciences |publisher=Pnas.org |date= |accessdate=2009-08-20}}</ref>
Estudo de zircão descobriram que a água líquida deve ter existido há tanto tempo quanto 4,4 [[Ga (unidade) | Ga]], logo após a formação da Terra.<ref>{{cite web|url=http://wwwrses.anu.edu.au/admin/index.php?p=harrison |title=ANU - Research School of Earth Sciences - ANU College of Science - Harrison |publisher=Ses.anu.edu.au |date= |accessdate=2009-08-20}}</ref><ref>{{cite web|url=http://info.anu.edu.au/mac/Media/Media_Releases/_2005/_November/_181105harrisoncontinents.asp |title=ANU - OVC - MEDIA - MEDIA RELEASES - 2005 - NOVEMBER - 181105HARRISONCONTINENTS |publisher=Info.anu.edu.au |date= |accessdate=2009-08-20}}</ref><ref>{{cite web|url=http://www.geology.wisc.edu/%7Evalley/zircons/cool_early/cool_early_home.html |title=A Cool Early Earth |publisher=Geology.wisc.edu |date= |accessdate=2009-08-20}}</ref>
 
De fato, estudos recentes de zircões (no outono de 2008) encontrados na rocha hadeana australiana contêm minerais que apontam para a existência de placas tectônicas já em 4 bilhões de anos atrás. Se isso for verdade, as crenças anteriores sobre o período [Hadean | Hadean[Hadeano]] estão longe de estar corretas. Ou seja, em vez de uma superfície quente e derretida e uma atmosfera cheia de dióxido de carbono, a superfície da Terra seria muito parecida com a de hoje. A ação das placas tectônicas retém grandes quantidades de dióxido de carbono, eliminando os efeitos de estufa e levando a uma temperatura superficial muito mais baixa e à formação de rochas sólidas, e possivelmente até à vida.<ref>{{cite news| url=http://www.nytimes.com/2008/12/02/science/02eart.html?8dpc | work=The New York Times | title=A New Picture of the Early Earth | first=Kenneth | last=Chang | date=2008-12-02 | accessdate=2010-05-20}}</ref>
Isso requer a presença de uma atmosfera. A teoria da [Cool Cool Earth] abrange uma faixa de cerca de 4,4 Ga a 4,0 Ga.
 
De fato, estudos recentes de zircões (no outono de 2008) encontrados na rocha hadeana australiana contêm minerais que apontam para a existência de placas tectônicas já em 4 bilhões de anos atrás. Se isso for verdade, as crenças anteriores sobre o período [Hadean | Hadean]] estão longe de estar corretas. Ou seja, em vez de uma superfície quente e derretida e uma atmosfera cheia de dióxido de carbono, a superfície da Terra seria muito parecida com a de hoje. A ação das placas tectônicas retém grandes quantidades de dióxido de carbono, eliminando os efeitos de estufa e levando a uma temperatura superficial muito mais baixa e à formação de rochas sólidas, e possivelmente até à vida.<ref>{{cite news| url=http://www.nytimes.com/2008/12/02/science/02eart.html?8dpc | work=The New York Times | title=A New Picture of the Early Earth | first=Kenneth | last=Chang | date=2008-12-02 | accessdate=2010-05-20}}</ref>
 
== Fontes extraterrestres ==
Que a água da Terra se originou puramente de cometas é implausível, como resultado de medições das razões isotópicas de hidrogênio nos três cometas [[Cometa Halley's Comet | Halley]], [[Cometa Hyakutake|Hyakutake]] e [[Hale-Bopp]] pelos pesquisadores como [[David Jewitt]], pois, de acordo com esta pesquisa, a proporção de [[deutério]] para [[hidrogênio-1 | protium]] (razão D / H) dos cometas é aproximadamente o dobro da água oceânica. No entanto, não está claro se esses cometas são representativos daqueles do Cinturão de Kuiper. De acordo com A. Morbidelli<ref>A. Morbidelli et al. [[Meteoritics & Planetary Science]] 35, 2000, S. 1309–1329</ref> a maior parte da água de hoje vem de protoplanetas formados no cinturão de asteróides externos que mergulharam em direção à Terra, conforme indicado pelas proporções D / H em condritos ricos em carbono. A água em condritos ricos em carbono aponta para uma proporção D / H semelhante à da água oceânica. No entanto, mecanismos foram propostos<ref>H. Genda, M. Ikoma, Origin of the Ocean on the Earth: Early Evolution of Water D/H in a Hydrogen-rich Atmosphere. Accessible at http://arxiv.org/abs/0709.2025</ref> sugerir que a proporção D / H da água oceânica pode ter aumentado significativamente ao longo da história da Terra. Essa proposta é consistente com a possibilidade de que uma quantidade significativa de água na Terra já estivesse presente durante a evolução inicial do planeta.
 
{{Referencias}}