Diferenças entre edições de "Movimento de Pau de Colher"

→‎Os "fanáticos" do Pau de Colher: remoção manual de conteúdo apócrifo
(→‎Os "fanáticos" do Pau de Colher: remoção manual de conteúdo apócrifo)
 
Severino então realiza peregrinações proféticas a Pau de Colher, dizendo-se ele próprio ser o Espírito Santo e manifestando transes extáticos; recomenda que os fiéis efetuem romarias até o Caldeirão, onde se estabelecera o beato Lourenço, a fim de combaterem o anti-Cristo.<ref name=pl/> Ali tem grande aceitação por parte de Senhorinho, um dos proprietários da fazenda Pau de Colher que, quando o beato se foi, passa a reunir-se com outros aos domingos, ocasião em que procedia à leitura da Bíblia e da [[Missão Abreviada]].<ref name=gil/>
 
Viviam os "fanáticos" de Pau de Colher um modo de vida que chocava a população urbana, alvo principal da imprensa ao compor o quadro do lugar: vestiam-se de preto em sinal de luto pela morte do Padre Cícero,<ref name=gil>{{citar web|URL=http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/download/11135/8166 |título=Memórias de e sobre Pau de Colher: como os sujeitos se lembram |autor=Gilmário Moreira Brito|data=novembro de 1998 |publicado=Proj. História PUC |acessodata=12/11/2013}}</ref>abandonavam suas casas, plantações e criatórios; passavam a viver então em "latadas"{{nota de rodapé|Trempe de paus com uma cobertura simples de marmelo, sem qualquer parede.}}, comendo apenas feijão na água e sal, e rezando todo o dia para alcançarem a salvação - num claro confronto com a ordem social que então se construía.<ref name=la/>De acordo com o relato de Daniel do Nascimento (Casa Nova, BA - 1927 / Rio de Janeiro, RJ - 2019), na época uma das crianças sobreviventes ao massacre, <ref>"''Meu pai tinha por volta de 300 cabeças de gado, cavalos, cabras, umas três roças.(...)Fomos persuadidos pela história de que o mundo ia se acabar e que tínhamos de nos concentrar para rezar, como se fosse uma seita. Mas ninguém era orientado a doar a terra nem a brigar por ela. As pessoas se alimentavam, buscando o que cada um conservava ainda nos seus estoques. Quando acabava, eram mandadas umas às casas das outras para pegar rações e suprir a necessidade local. Eu era muito pequeno e não conseguia (...) entender as razões políticas que levaram a esse massacre. Não dá pra entender. Eu só sei que se houve alguma coisa errada por parte das pessoas que eles chamam de fanáticos, houve uma atitude muito pior com respeito a orientação dos policiais para conterem algum excesso naquela comunidade."
 
===Ritualística ===
[[Ficheiro:Pau de Colher 1938 recorte jornal.png|miniaturadaimagem|direita|Jornal da época: "Quando o fuzil e a metralhadora realizam a obra do professor e do livro".]]