Diferenças entre edições de "Psiquê"

55 bytes removidos ,  22h29min de 22 de julho de 2020
m
Foram revertidas as edições de 190.180.177.170 para a última revisão de Kaylak9, de 21h11min de 19 de maio de 2020 (UTC)
(Representação)
m (Foram revertidas as edições de 190.180.177.170 para a última revisão de Kaylak9, de 21h11min de 19 de maio de 2020 (UTC))
Etiqueta: Reversão
Após muito pranto, mas sem ousar contrariar a vontade de [[Apolo]], a jovem Psiquê foi levada ao alto de um rochedo e deixada à própria sorte, até adormecer e ser conduzida pelo vento [[Zéfiro]] a um palácio magnifico, que daquele dia em diante seria seu.
 
Lá chegando a linda princesa não encontrou ninguém, mas tudo era suntuoso e, quando sentiu fome, um lauto banquete estava servido. À noite, uma voz suave a chamava e, levada por Eros, se entregou a ele e conheceu as delícias do Amor, nas mãos do próprio deus do amor...[[Ficheiro:Psycheabduct.jpg|thumb|esquerda|''Psiquê resgatada por [[Eros]]''<br><small>[[William-Adolphe Bouguereau]]</small>]]
 
[[Ficheiro:Cupidon et Psyché.jpg|thumb|esquerda|Psiquê e [[Eros]]<br><small>[[Jacques-Louis David]]</small>]]
Os dias se passavam, e ela não se entediava, tantos prazeres tinha: acreditava estar casada com um monstro, pois Eros não lhe aparecia e, quando estavam juntos, ficava invisível. Ele não podia revelar sua identidade pois, assim, sua mãe descobriria que não cumprira suas ordens - e apesar disto, Psiquê amava o esposo, que a fizera prometer-lhe jamais tentaria descobrir seu rosto.
 
Passado um tempo, a bela jovem sentiu saudade de suas irmãs e, implorando ao marido que permitisse que elas fossem trazidas a seu encontro. Eros resistiu e, ante sua insistência, advertiu-a para a alma invejosa das mulheres.
As duas irmãs foram, enfim, levadas. A princípio mostraram-se apiedadas do triste destino da sua irmã, mas vendo-a feliz, num palácio muito maior e mais luxuoso que o delas, foram sendo tomadas pela inveja. Constataram, então, que a irmã nunca tinha visto a face do marido. Disseram ter ouvido falar que ela havia se casado com uma monstruosa serpente que a estava alimentando para depois devorá-la, então sugeriram-lhe que, à noite, quando este adormecesse, tomasse de uma lâmpada e uma faca: com uma iluminaria o seu rosto; com a outra, se fosse mesmo um monstro, o mataria.
 
As duas irmãs foram, enfim, levadas. A princípio mostraram-se apiedadas do triste destino da sua irmã, mas vendo-a feliz, num palácio muito maior e mais luxuoso que o delas, foram sendo tomadas pela inveja. Constataram, então, que a irmã nunca tinha visto a face do marido. Disseram ter ouvido falar que ela havia se casado com uma monstruosa serpente que a estava alimentando para depois devorá-la, então sugeriram-lhe que, à noite, quando este adormecesse, tomasse de uma lâmpada e uma faca: com uma iluminaria o seu rosto; com a outra, se fosse mesmo um monstro, o mataria.
 
Psiquê resistiu os conselhos das irmãs o quanto pôde, mas o efeito das palavras e a curiosidade da jovem tornaram-se fortes. Pôs em execução o plano que elas lhe haviam dito: Após perceber que seu marido entregara-se ao sono, levantou-se tomando uma lâmpada e uma faca, e dirigiu a luz ao rosto de seu esposo, com intenção de matá-lo.
 
[[Ficheiro:Devries-mercurio&psique5b.jpg|right|thumb|''[[Mercúrio (mitologia)|Mercúrio]] carregando Psiquê, com o vaso de Perséfone, para o Olimpo.'' <br><small> Bronze de [[Adriaen de Vries]], [[Museu do Louvre]].</small>]]
Quando ela vê o belo jovem de rosto corado e cabelos loiros, espantada e admirada, desastradamente deixa pingar uma gota de azeite quente sobre o ombro dele. Eros acorda - o lugar onde caiu o óleo fervente de imediato se transforma numa chaga: o Amor está ferido.
 
 
== A Busca pelo Amor ==
[[Ficheiro:Psyche before the Throne of Venus by Henrietta Rae.jpg|alt=|miniaturadaimagem|350x350px|''Psiquê ante o trono de Vênus''. Pintura de [[Henrietta Rae]].]]
Psiquê vaga pelo mundo, desesperada, até que resolve consultar-se num templo de Afrodite. A deusa, já cientificada de que fora enganada, e mantendo Eros sob seus cuidados, decide impor à pobre alma uma série de tarefas, esperando que delas nunca se desincumbisse, ou que tanto se desgastasse que perdesse a beleza.
 
=== Os quatro trabalhos de Psiquê ===
[[Ficheiro:Psycheabduct.jpg|thumb|esquerda|''Psiquê resgatada por [[Eros]]''<br><small>[[William-Adolphe Bouguereau]]</small>]]
* Os grãos: A princesa foi colocada num quarto onde uma montanha de grãos de diversos tipos tinha sido misturada. Psiquê devia separá-los, conforme cada espécie, no espaço de uma noite. A jovem começou a trabalhar, mas, mal fizera alguns montículos e adormecera extenuada. Durante seu sono, surgem milhares de formigas que, grão a grão, os separam do monte e os reúnem consoante sua categoria. Ao acordar, Psiquê constata que a tarefa fora cumprida dentro do prazo.