Diferenças entre edições de "São João Marcos"

Até o [[século XIX]] teve o nome de '''São João Marcos do Príncipe''' e o município era constituído das paróquias de São João Marcos (sede da Vila) e Nossa Senhora da Conceição de Passa Três.
 
Diversas epidemias de [[malária]] dizimaram parte considerável da população local após o declínio da lavoura cafeeira e, juntamente com a instalação, no início do século XX, das usinas hidrelétricas de Fontes, e com a formação do lago da [[Represa de Ribeirão das Lajes]], pertencente à companhia canadense [[Light S.A.|The Rio de Janeiro Tramway, Light and Power]], contribuíram para sua decadência. Em 1943, a população restante foi deslocada para municípios vizinhos como [[Rio Claro (Rio de Janeiro)]] (que era seu distrito), [[Mangaratiba]], [[Itaguaí]] e [[Piraí]], sendo que as águas da represa nunca cobriram a maior parte da antiga cidade.
 
Foi tombada em 1939 e destombada em 1940, por decreto de Getúlio Vargas, que desapropriou as terras da cidade. A matriz foi o último prédio da cidade, haja vista ninguém querer fazer a explosão, pois a população acreditava que destruir uma igreja seria um pecado, ao que um comerciante teria se habilitado a fazer a explosão, sendo utilizados vinte quilos de dinamite.