Étienne Geoffroy Saint-Hilaire: diferenças entre revisões

Referência
(Resgatando 1 fontes e marcando 0 como inativas.) #IABot (v2.0)
(Referência)
Após desistir da [[sacerdote|carreira eclesiástica]], estudou ciências naturais e graduou-se em direito, quando então conheceu o famoso naturalista [[Louis Daubenton]], que o convenceu a estudar medicina e a dedicar-se à pesquisa científica. Nomeado para a cátedra de Zoologia no Museu de História Natural (1793), publicou Histoire des Makis, ou singes de Madagascar (1798), em que expressou pela primeira vez suas ideias sobre a unidade da composição orgânica.
 
Ao contrário do naturalista francês [[Georges Cuvier]], seu contemporâneo, o qual defendia que as espécies animais não haviam mudado desde a criação, ele acreditava na mutação das espécies, antecipando-se na teoria, às famosas teorias de [[Charles Darwin]] e [[Alfred Russel Wallace]]. Integrou a comissão científica de Napoleão ao Egito (1798), onde coletou grande número de espécimes e fundou o Instituto do Cairo. De volta a Paris, foi eleito membro da Academia de Ciências, que mais tarde passou a presidir. Nomeado catedrático de zoologia da Sorbonne (1809) passou a se dedicar aos estudos de anatomia comparada, porém acometido de cegueira, teve que abandonar suas atividades científicas, acadêmicas e administrativas (1840) pouco antes de sua morte, em Paris. Sua obra principal, ''Philosophie anatomique'' (1818-1822) gerou uma intensa polêmica com Cuvier. Como alguns de seus conceitos, no entanto, vêm sendo comprovados pela ciência moderna, é considerado o fundador da Embriologia.
 
Seu filho, [[Isidore Geoffroy Saint-Hilaire]], foi um [[zoólogo]] de renome.
8

edições