Diferenças entre edições de "Saiga"

Sem alteração do tamanho ,  06h10min de 15 de agosto de 2020
sem resumo de edição
| mapa_legenda = distribuição da saiga
}}
'''Saiga''' (''Saiga tatarica'') é uma [[espécie]] de [[antílope]] [[Espécie em perigo crítico|em perigo crítico]] que originalmente habitava uma vasta área da zona de [[estepe]]s da [[Eurásia]], do sopé das montanhas dos [[Cárpatos]], além de regiões do [[Cáucaso]], da [[DzungariaZungária]] e da [[Mongólia]]. Eles também viveram na região da [[Beríngia]], entre a [[Ásia]] e a [[América do Norte]], durante o [[Pleistoceno]].
 
== Características ==
== Distribuição ==
[[Imagem:Saiga Fight 3 (6383860215).jpg|thumb|esquerda|Dois saigas durante uma luta]]
Durante o [[último período glacial]], a presença da espécie saiga abrangia os territórios das [[Ilhas Britânicas]], da [[Ásia Central]], do [[Estreito de Bering]], no [[Alasca]], e de [[Yukon]] e dos [[Territórios do Noroeste]], no [[Canadá]]. Na era clássica eles aparentemente eram considerados um animal característico da região da [[Cítia]], a julgar pela descrição do historiador [[Estrabão]] de um animal chamado "Kolos" e que tinha o tamanho que variava "entre o de um [[veado]] e de um [[bode]]" e que ele acreditava que bebia pelo nariz. No início do século XVIII, o saiga ainda estava distribuído nas margens do [[Mar Negro]], no sopé das montanhas dos [[Cárpatos]], no extremo norte do [[Cáucaso]], na [[DzungariaZungária]] e na [[Mongólia]].<ref>{{citar web|último = Strabo |título= Book VII, Chapter 4, Paragraph 8|url=http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Roman/Texts/Strabo/7D*.html#4.7.9|obra= Geography|acessodata= 19 de dezembro de 2012|data=25 de setembro de 2012}}</ref>
 
Depois de um rápido declínio na década de 1920, em que eles foram quase completamente exterminados, os saigas conseguiram se recuperar. Em 1950, dois milhões deles ainda eram encontrados nas estepes da [[União Soviética]]. Sua população diminuiu drasticamente após o [[colapso da URSS]] devido à caça descontrolada e à procura de [[chifre]]s para uso na medicina chinesa. Alguns grupos de conservação, como o [[World Wildlife Fund]], chegaram inclusive a incentivar a caça desta espécie, visto que seu chifre era visto como uma alternativa para o do [[rinoceronte]].<ref name="EllisNTB">{{citar livro|último = Ellis|primeiro = Richard|autorlink = Richard Ellis (biologist) |título= No Turning Back: The Life and Death of Animal Species|publicado= Harper Perennial |ano= 2004|local= New York| isbn =0-06-055804-0|página= 210 |url=http://books.google.ca/books?id=_ekrqLJOypQC&pg=PA210 |acessodata=19 de dezembro de 2012}}</ref>