Diferenças entre edições de "Cucumbi carnavalesco"

2 447 bytes removidos ,  23h25min de 31 de agosto de 2020
m
Desfeita(s) uma ou mais edições de Eric Brasil (divulgação), com Reversão e avisos
m (Inclusão de referência, correção de afirmações, inclusão de citações cruzadas.)
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de Eric Brasil (divulgação), com Reversão e avisos)
Etiqueta: Reversão manual
 
{{Sem fontes|data=junho de 2019}}
'''Cucumbi carnavalesco''' eram grupos compostos por foliões socialmente reconhecidos como negros. Desde a segunda metade do [[século XIX]] já se nota a presença, nas ruas do [[Rio de Janeiro (estado)|Rio de Janeiro]], de grupos de [[cucumbi]] durante os dias de [[carnaval]]. Necessitados de autorização policial para desfilar, esses grupos, compostos basicamente de negros, se aproveitavam da liberalidade característica do período carnavalesco para conseguirem as autorizações necessárias para suas apresentações.
'''Cucumbi carnavalesco''' eram grupos compostos por foliões socialmente reconhecidos como negros que ganham destaque na imprensa carioca na década de 1880. O termo foi utilizado por [[Eric Brasil]] para diferenciar esses grupos dos [[Cucumbi|Cucumbis]] do período colonial,<ref>{{Citar periódico |titulo=Cucumbis Carnavalescos: Áfricas, carnaval e abolição (Rio de Janeiro, década de 1880) |url=http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0002-05912014000100009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt |jornal=Afro-Ásia |data=2014-06 |issn=0002-0591 |paginas=273–312 |numero=49 |acessodata=2020-08-31 |doi=10.1590/S0002-05912014000100009 |lingua=pt |primeiro=Eric |ultimo=Brasil}}</ref> bastante descritos por memorialistas e folcloristas. Os cucumbis do período colonial foram muito associados às [[Congada|Congadas]], Reisados, principalmente a partir das descrições de [[Alexandre José de Melo Morais Filho|Melo Morais Filho]] e [[Luís Edmundo]].
 
Os primeiros [[cucumbi]]s a se apresentarem durante o carnaval mantinham sua organização original. Mas, pouco a pouco os encontros com os diversos grupos carnavalescos que tomavam as ruas do Rio de Janeiro acabaram inspirando novas formas de apresentações. Com isso, surgem os chamados Cucumbis Carnavalescos.
O enredo central de seus desfiles contava a história de uma embaixada do rei do Congo em visita a outro reino. No meio da viagem, o filho do rei é assassinado por um rival, muitas vezes representado por um “caboclo” brasileiro. Rei e rainha, desesperados, exigem que o mais famoso feiticeiro (Quimboto) do reino devolva a vida ao pequeno príncipe (Mamêto). Após cenas de encantamento, batalhas e muitos versos referentes à África e aos seus costumes, o jovem príncipe renasce e dança em júbilo com sua família e súditos.
 
Felipe Ferreira, em seu livro ''[[Inventando carnavais]]'' aborda o assunto e destaca alguma citações na imprensa.
Desde a segunda metade do [[século XIX]] já se nota a presença, nas ruas do [[Rio de Janeiro (estado)|Rio de Janeiro]], de grupos de [[cucumbi]] durante os dias de [[carnaval]]. Necessitados de autorização policial para desfilar, esses grupos, compostos basicamente de negros, se aproveitavam da liberalidade característica do período carnavalesco para conseguirem as autorizações necessárias para suas apresentações.
 
Entretanto, na década de 1880 sua presença é cada vez mais marcante nos dias de Carnaval e passam a aparecer também nas fontes, especialmente na imprensa. O prof. Eric Brasil encontrou o registro de vários desses grupos entre 1884 e 1888, como por exemplo: Cucumbis Carnavalescos, Lanceiros Cucumbis, Iniciadora dos Cucumbis, Filha da Iniciadora dos Cucumbis, Triunfo dos Cucumbis e Cucumbis Africanos.
 
Segundo Eric Brasil (BRASIL, 2014, 290):<blockquote>Os Cucumbis Carnavalescos não representam apenas uma reprodução de antigas festas coloniais. Eles eram uma manifestação mais ampla, uma elaboração criativa de seus participantes estabelecendo um diálogo entre as novas formas de se brincar o carnaval da década de 1880 com os elementos culturais presentes entre as culturas negras da cidade. Elementos das congadas, dos reisados, das festas das irmandades religiosas, dos cortejos fúnebres, de embaixadas africanas, e também referências à tradição religiosa banto (o complexo ventura/desventura, o feiticeiro, a Calunga, um cristianismo africano) e à história da África (o reino do Congo, a rainha Ginga, a travessia do Atlântico) entravam em contato com as formas europeizadas de se brincar o carnaval (os préstitos com estandartes que dançavam em frente às redações dos jornais, o passeio pela Rua do Ouvidor).</blockquote>Felipe Ferreira, em seu livro ''[[Inventando carnavais]]'' aborda o assunto e destaca alguma citações na imprensa.
 
Alguns exemplos:
229 756

edições