Diferenças entre edições de "Balas Juquinha"

4 bytes adicionados ,  00h46min de 8 de setembro de 2020
m
inserindo link interno para a página sobre o Mercadão de Madureira
(Removendo "Candies_ou_balas.jpg", por ter sido apagado no Commons por Explicit: c:Commons:Deletion requests/File:Candies ou balas.jpg)
m (inserindo link interno para a página sobre o Mercadão de Madureira)
O auge de suas vendas ocorreu em meados da [[década de 1990]], quando da implantação do [[Plano Real]] e muitas balas eram usadas como troco.<ref name="Alves"/>
 
A fábrica foi fechada em junho de 2015 e sua produção encerrada.<ref name="Alves"/> A fórmula da bala, ultrassecreta, foi vendida a um empresário do [[Rio de Janeiro (estado)|Rio de Janeiro]], que não é do setor alimentício.<ref name="Alves"/>. O comerciante carioca Antonio Tanque, administrador do [[Mercadão de Madureira]], comprou do proprietário Giulio Sofio<ref name="Araras"/><ref>[http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2015-08-22/juquinha-a-bala-mais-famosa-do-pais-volta-ao-mercado.html Juquinha, a bala mais famosa do país, volta ao mercado]. Consultado em 24/06/2016.</ref>.
 
Em agosto do mesmo ano, a [[marca comercial]] voltou ao mercado, desta vez produzida por outra empresa, Florestal Alimentos, cuja fábrica fica em [[Lajeado (Rio Grande do Sul)|Lajeado]], [[Rio Grande do Sul]]<ref name="FlorestalAlimentos">{{citar web|url=http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=207057|titulo=Florestal Alimentos passa a produzir as balas Juquinha|acessodata=30/06/2016|data=08/09/2015 |autor=Jornal do comércio}}</ref>
49

edições