Diferenças entre edições de "Neurolei"

396 bytes adicionados ,  01h40min de 11 de setembro de 2020
Adicionando imagem e fazendo ajustes
(add seção "história")
(Adicionando imagem e fazendo ajustes)
 
==História==
[[Imagem:FMRIDetecção scande duringmentira workingpor memory tasksfMRI.jpgpng|thumb|Varredura400px|O diagrama acima é uma visão geral dos diversos padrões de atividade cerebral detectados por varredura de [[imagem por ressônancia magnética funcional]]. duranteAs tarefasregiões dedestacadas memóriaem amarelo são onde ocorre a maioria das atividades. Os níveis TR e CR representam "dizer a verdade". Os sinais LT indicam que o indivíduo está retendo informações. Os sinais de trabalhoLN indicam que o indivíduo está inventando informações.<ref>{{Citar periódico |url=httphttps://journalacademic.frontiersinoup.orgcom/cercor/article-lookup/doi/10.33891093/fneur.2013.00016cercor/abstractbhn037 |titulo=FunctionalNeural MRICorrelates inof theTrue InvestigationMemory, ofFalse Blast-RelatedMemory, Traumaticand Brain InjuryDeception |data=20132008-12-01 |acessodata=2020-09-11 |jornal=FrontiersCerebral inCortex Neurology|numero=12 |ultimo=GranerAbe |primeiro=JohnN. |ultimo2=OakesOkuda |primeiro2=Terrence RJ. |paginas=2811–2819 |lingua=en |doi=10.33891093/fneur.2013.00016cercor/bhn037 |issn=16641047-22953211 |pmid=2346008218372290 |ultimo3=FrenchSuzuki |primeiro3=Louis M. |ultimo4=RiedySasaki |primeiro4=GerardH. |ultimo5=Matsuda |primeiro5=T. |ultimo6=Mori |primeiro6=E. |ultimo7=Tsukada |primeiro7=M. |ultimo8=Fujii |primeiro8=T.}}</ref>]]
Antes de se popularizar, o neurodireito teve um início modesto e aparentemente inócuo. O conceito foi cunhado pelo jurista J. Sherrod Taylor em uma publicação de 1991 com o objetivo de descrever os cursos convergentes entre a [[neuropsicologia]] e o [[sistema jurídico]]. E era usado para explicar o crescente uso de especialistas em processos civis envolvendo lesão cerebral decorrente de traumatismo, onde o foco principal era conseguir indenizações e demais prêmios legais para as vítimas. Logo, não havia nenhuma ambição em alterar a doutrina do direito penal e nem em influenciar o debate sobre responsabilidade e culpabilidade.
 
* É útil na orientação da elaboração de leis mais justas por se basear na melhor compreensão do funcionamento do cérebro existente.
 
* Futuramente, com os avanços tecnológicos, poderáPode ser usada em técnicas de diagnóstico afim de resolver uma série de problemas jurídicos práticos, tais como técnicas aprimoradas de detecção de mentira baseadas no funcionamento do cérebro. Técnicas objetivas e mais precisas de avaliação da capacidade individual mental de indivíduos. E em técnicas capazes de fornecer uma correlação probabilística entre características do cérebro e as propensões, periculosidade e reincidência criminal de indivíduos.
 
* Pode ser empregada em uma variedade de técnicas de intervenções, afim de sanar um problema no cérebro identificado como causa principal de um ato criminoso.<ref name=Vincent/>
6 520

edições