Diferenças entre edições de "Tiristor"

227 bytes adicionados ,  18h16min de 11 de setembro de 2020
, ele funciona como uma porta, ao ser "destrancada" acionada com o gate, ele permite a passagem de corrente, mas quando essa passagem cessar, o fluxo será bloqueado, e só poderá passar novamente quando o gate for reacionado
m (Recolocada palavra esquecida na edição anterior. ;-P)
(, ele funciona como uma porta, ao ser "destrancada" acionada com o gate, ele permite a passagem de corrente, mas quando essa passagem cessar, o fluxo será bloqueado, e só poderá passar novamente quando o gate for reacionado)
{{commons|Categoria:Diodi}}
O nome '''Tiristor''' engloba uma família de dispositivos [[semicondutores]] multicamadas, que operam em regime de chaveamento, tendo em comum uma estrutura de no mínimo quatro camadas semicondutoras numa seqüência P-N-P-N (três junções semicondutoras), apresentando um comportamento funcional. Os tiristores permitem por meio da adequada ativação do terminal de controle, o chaveamento do [[estado de bloqueio]] para [[estado de condução]], sendo que alguns tiristores (mas não todos) permitem também o chaveamento do [[estado de condução]] para [[estado de bloqueio]], também pelo terminal de controle. Como exemplo de tiristores, podemos citar o [[SCR]] e o [[TRIAC]].
No caso do tiristor [[SCR]] este se assemelha a uma [[fechadura]] pelo fato da corrente poder fluir pelo dispositivo em um único sentido, entrando pelo terminal de [[anodo]] e saindo pelo terminal de [[catodo]]. No entanto difere de um [[diodo]] porque mesmo quando o dispositivo está diretamente polarizado ele não consegue entrar em condução enquanto não ocorrer a ativação do seu terminal de controle (terminal denominado porta, ou gate em inglês) , ele funciona como uma porta, ao ser "destrancada" acionada com o gate, ele permite a passagem de corrente, mas quando essa passagem cessar, o fluxo será bloqueado, e só poderá passar novamente quando o gate for reacionado. Ao invés de usar um sinal de permanência continua na porta (como nos [[TBJ]]s e [[MOSFET]]s) como sinal de controle, os tiristores são comutados ao ligamento pela aplicação de um [[pulso]] ao terminal de porta, que normalmente pode ser de curta duração. Uma vez comutado para o estado de ligado, o tiristor [[SCR]] permanecerá por tempo indefinido neste estado enquanto o dispositivo estiver diretamente polarizado e a corrente de anodo se mantiver acima de um patamar mínimo.
 
Para os [[SCR]]s, o sinal de controle é um pulso de corrente, tiristores [[DB-GTO]] usam um pulso de tensão e os [[LASCR]]s um pulso de luz aplicado diretamente a junção do dispositivo por meio de [[fibra ótica]].